Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Centenário da República em "over-kill"

por Nuno Castelo-Branco, em 02.10.10

 

Nem sequer mencionando as mesquinhices do dia a dia que embrutecem uma sociedade exausta e em galopante pauperização, ou as manigâncias que desprestigiam Belém e S. Bento, aqui deixamos umas linhas que o Público hoje fez circular:

 

"Em 2010, a questão é esta:  como é possível pedir aos partidos de uma democracia liberal que festejem uma ditadura terrorista em que reinavam carbonários, vigilantes de vários géneros e a formiga branca" do jacobinismo? Como é possível pedir a uma cultura política assente nos "direitos do homem e do cidadão" que preste homenagem oficial a uma cultura política que perseguia sem escrúpulos uma vasta e indeterminada multidão de "suspeitos" (anarquistas, anarco-sindicalistas, monárquicos, moderados e por aí fora)?"

 

Pulido Valente usa as próprias palavras da gente do PRP, que escrevendo n'O Mundo, ia dizendo que ..."partidos como o republicano precisam de violência (...) uma perseguição acintosa e clamorosa (para criar) o ambiente indispensável à conquista do poder".

 

O artigo de opinião de VPV, apenas confirma a impressão que a comissão oficial para as comemorações deixou: o babado elogio da ilegalidade, o cair de joelhos perante a prepotência e a tirania dos golpes de mão. Conhecendo-se a filiação ideológica e partidária dos mentores dos textos e a oculta batuta do conhecido maestro desta orquestra de câmara mortuária, até os mais distraídos compreendem a razão do fascínio. Os postulados d'O Mundo, parecem anacronicamente retirados do jargão leninista, tão do agrado de quem escreve prosas e segue os princípios basilares que orientam a concepção das exposições e brochuras patentes a um público geralmente desinteressado. Nem sequer disfarçam, tal é a grotesca impunidade em que se refastelam.

 

A culpa deste abuso? É em primeiro lugar, da gente que no topo da hierarquia do sistema, não lê, não se informa, "não quer saber", é preguiçosa e sobretudo, sempre sumamente cobarde, teme as arrogantes investidas de auto-promovidos "intelectuais" de duvidosa proveniência, uma infecta turma de esqueletos que invadiram academias, fundações, ministérios e secretarias de Estado. Ali ditam as suas normas e o pensamento "formatado e aceite". Gente da engorda sem escrúpulos e que tem os homens do regime - Cavaco Silva, José Sócrates, Jaime Gama, Passos Coelho e tantos outros - à sua mercê, conhecedora do seu medo velho de décadas e da complacência perante o dislate.

 

Como podem Belém e S. Bento brincar à roleta russa?

 

O deixa andar do laxismo militante, degrada a imagem do Estado e impele uma substancial parte da população, para uma provável louca correria de deserção das hostes de um regime que se pensava consolidado. Sempre exigindo a "escolha popular", os energúmenos não eleitos, abusam da confiança, desrespeitam o próprio posicionamento do Chefe do Estado e do Chefe do Executivo, humilham 80% do Parlamento e abertamente caçoam da população. Apaniguados de grupúsculos de reduzida expressão eleitoral, usam o incomensurável poder da chantagem que intimida e envilece quem a ela subservientemente se sujeita.

 

Apenas condescende, quem se resigna. Se a cúpula do Estado não manifesta o total repúdio pela passagem de uma mensagem prepotente porque falsa e que atenta aos princípios sobre os quais o regime se ergue, é então a todos indicado, o livre arbítrio e o caminho certo para a desobediência. O tal temido "divórcio" que abre o caminho a todo o tipo de aventuras.

 

O regime republicano decretou por temor, a falta de respeito, a legitimidade da violência, da mentira e do abuso como norma. Oxalá não tenha tempo para se arrepender.

 

Como hoje diz Pacheco Pereira, as comemorações oficiais consistem num over-kill.

publicado às 19:03


2 comentários

Imagem de perfil

De Nuno Castelo-Branco a 02.10.2010 às 20:34

Caro Luís,

Guimarães, na 3ª feira, pelas 3 da tarde.

Comentar post







Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas