Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Lembram-se deste edifício na Duque de Loulé? Pertencia ao Departamento das Florestas, estava em perfeito estado de conservação e foi demolido em menos de uma semana. Inacreditavelmente, não foi incluído na lista do Inventário Municipal – enquanto mesmo ao lado, o "prédio/porcaria" da SPA lá está, por incrível que vos possa parecer – e assim, a sua destruição não foi à discussão nos órgãos competentes da CML.

Foi susbtituído por este miserável exemplar de mamarracho "moderno", que como podem ver, nem sequer pode ser considerado como trabalho de arquitectura. Um caixote de lixo com estreitíssimas janelas abertas, tectos baixos e Pladur às toneladas, focos no tecto, uma grande garagem para a sucata a prazo, lataria à volta dos vidros, pedra “fake” e espelhanço para ocupar a superfície, é praticamente tudo o que haverá para ver. Mais um para a especulação. Ergueu-se pela intervenção do famigerado Fundo de Reconversão (!) Imobiliária BES, uma parte dos domínios do senhor Ricardo Salgado. O detentor da pasta do urbanismo/demolições em Lisboa, é curiosamente, outro nada doce petisco, um tal visitador de obras, o senhor Manuel Salgado, ilustre paridor do Altis-à-beira Torre de Belém. Uma dupla mais temível, do que todas as pragas do Egipto juntas e agravadas!

 

Salgado&Salgado, BES-CML, Lda.

 

Entretanto, o arquitecto Gonçalo Ribeiro Telles, já deve ter percebido que tipo de gente administra a Câmara Municipal de Lisboa.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:34


2 comentários

Sem imagem de perfil

De Carlos Velasco a 08.10.2010 às 15:23

Caro Nuno,

Esses gajos com a mania do grande arquitecto estão taveirando Portugal! No dia em que arrancarmos o poder dessa escumalha sem moral e sem gosto, espero ter dinheiro para investir numa fábrica de dinamite. Com tanto mercado, ainda entro para a lista da Forbes. Depois jogo toda a fortuna de um avião e vou viver entre os animais. São melhor companhia que a gente daquela lista.

Um abraço.

Comentar post







Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas