Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Das relações humanas na modernidade

por Samuel de Paiva Pires, em 15.10.10

Devem haver poucas coisas mais tristes que oferecer um ramo de rosas vermelhas a uma mulher a quem declarámos o nosso amor incondicional, e ela perguntar, com ar de enfado, "porquê?".

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

publicado às 23:13


5 comentários

Sem imagem de perfil

De Anónimo a 16.10.2010 às 00:30

Uma mulher que pergunta com ar de enfado «porquê» a um homem que lhe oferece um ramo de rosas vermelhas, só pode ser cega, ignorante, vaidosa, arrogante, caprichosa, uma «mão cheia de coisa nenhuma». Um frasco vazio, um ser infeliz, que nunca será feliz, porque não reconhece, no mínimo, o amor de um homem, ainda que eventualmente, não ame esse homem.
Oferecer um ramo de flores a alguém já é um acto muito bonito; saber que alguém nos ama, é uma honra, ainda que possamos não corresponder; responder com «porquê«, a quem nos dá uma flor e ainda por cima uma flor de paixão, só pode ser mesmo burra, estúpida e galinácia.
Portanto, uma mulher que reage assim é oca, e merecedora do desprezo de quem a distingue com tanto carinho.

Mas aquele que faz isso é também tonto, porque na verdade, quando ouve o «porquê» enfadado da galinha, deve responder-lhe «pois é, garina, tens toda a razão, passa para cá o ramo que vou entregá-lo a alguém ali da esquina, que certamente sorrirá e agradecerá, no meio da tristeza a que é obrigada para se sustentar».
Caro autor, isso só é triste para aquele que deseja ficar triste, pois você vive como pensa! Não é triste, em boa verdade é apenas vergonhoso, e indigno de alguém que se ache uma senhora. O que duvido que aquela que recebe o ramo e responda com ar de enfado, realmente seja.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 16.10.2010 às 15:34

Bem, uma mulher que recebe um ramo de flores e pergunta porquê, deve ser uma coisa muito seca, seca, seca, seca. ´Se calhar já o aceita de um tipo com ar de endinheirado, não? Dar flores a «flor que não se cheira»´não é bom, nada bom. Mande pastar, meu caro.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 16.10.2010 às 15:37

Um tipo que deixa cortar rosas para as dar a alguém que nada sabe de amor, precisa de ir ao oftamologista...da próxima, dá-lhe um fardo de palha, é o que se dá aos quadrupedes, que deliram, deliram, com o festim. Granda caramelo.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 16.10.2010 às 23:02

Coisa mais tristes há, senhor autor. Aliás, isso nem é triste, é mais um «ar mal respirado» da dona, que deve estar habituada a apanhar com os pés deste e daquele e que quando apanha algum que acha que gosta dela, resolve vingar-se. Uma galinha assim, poe-se na capoeira, a olhar para os galos, mas probida de lhes mexer. Pode sempre continuar a oferecer-se-lhe florzinhas, mas daquelas que causam comichão.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 17.10.2010 às 21:58

Retirado do blogue «branco no branco», um espaço cheio de cor, de sentimentos e de boas sensações....
Acho que uma «coisa assim» se aplica a quem não reconhece, pelo menos, não respeita, o sentimento de alguém por si próprio. É muito triste, muito cruel e sobretudo, de uma fealdade repelente.


Mike Oldfield, tubular bells (1973)


Livrai-me, Senhor
De tudo o que for
Vazio de amor.

Que nunca me espere
Quem bem não me quer
(Homem ou mulher).

Livrai-me também
De quem me detém
E graça não tem.

E mais de quem não
Possui nem um grão
De imaginação.

Carlos Queiroz

Ou seja, depois de um retrato destes diagnosticado, espero bem que as rosas de paixão fiquem na terra embelezando a natureza, que nos rodeia.

Comentar post







Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas