Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Sines será vendido à China

por Nuno Castelo-Branco, em 28.10.10

Hu Jin Tao tem agendada uma visita a Portugal. Após as notícias chegadas de Atenas e da transformação do porto do Pireu num entreposto para a entrada de mercadorias chinesas na Europa, chegou a vez de Portugal.

 

Durante décadas, a despótica oligarquia que tomou o país de assalto, tem insistido no dichote de um Portugal periférico. Nada mais falso! Uma situação geográfica privilegiada e no cruzamento das principais rotas marítimas que ligam a Europa ao resto do mundo, poderá ditar o claro interesse da costa portuguesa para a potência mundial em ascensão. O comércio bem poderá voltar a ter um importante vértice no ocidente europeu, ligando a China à América do Sul, África e Europa. Não seria de todo impensável a resolução do problema dos transportes ferroviários terrestres, no caso de se confirmar este avanço chinês que a acontecer, decerto privilegiará Sines. A posse portuguesa de jure de uma plataforma marítima colossal, é também susceptível de colocar muitos olhos em bico, prevendo o futuro acesso a preciosas fontes de matérias primas que um dia serão arrancadas do fundo do Atlântico.

 

Portugal vai vender Sines a Pequim. Disso estamos certos. É esta, a consequência do atraso  e desleixo de mais de um século, quando no final do reinado de D. Carlos I, se pensou na criação de um grande entreposto comercial em Lisboa, servindo de plataforma de entrada dos produtos brasileiros na Europa. Para a China, ao Brasil soma-se o espaço da África lusófona.

 

É o render da guarda. Mas a que preço?

 

O dilema consiste na falta de agentes políticos que garantam os interesses nacionais. São ineptos profusamente galardoados.

 

O absurdo regime da República Portuguesa, caduco, incapaz, corrupto, inconsistente, sem rumo e entregue a uma classe política de uma inacreditável voracidade em proveito exclusivo, não parece estar à altura de saber aproveitar uma potencialmente benéfica oportunidade, que deverá sempre, ser recíproca.

 

Os chineses sabem perfeitamente com quem lidam e têm uma panóplia de nomes para um certo tipo de gente. Herdada a adjectivação dos tempos do Livro Vermelho do Timoneiro Mao, é agora a cartilha do grande capitalismo que derrubou a outrora quase invencível Grande Muralha.

publicado às 22:44


4 comentários

Sem imagem de perfil

De Anónimo a 29.10.2010 às 01:12

Acha que vamos todos vestir de cinzento e andar com o colarinho apertado?!
Imagem de perfil

De Nuno Castelo-Branco a 29.10.2010 às 10:08

Pelos vistos, isso acabou. Com Deng Hsiao Ping, começara a vestir "Cannel", "Armandi" e "Vésache". Agora já se vestem com Chanel, Armani e Versace. Na situação em que estamos, Portugal bem pode preparar uns pijamas ao estilo da "revolução cultural".
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 29.10.2010 às 13:43

eheheheh,então vamos vestir como? eu não gosto de pijamas de flanela...e gosto de lingerie «como deve de ser».
Sem imagem de perfil

De Carlos Velasco a 29.10.2010 às 20:59

Caro Nuno,

Falamos tanto disso e agora quem vai pôr a ideia em prática, mas de maneira que vai nos prejudicar e retirar ainda mais soberania, são os chineses! Estão de parabéns. São realmente muito espertos.
O pior é que estes boys da política e os empresários que herdaram os contactos do papá - ou a falta de moral da mamã - ainda por cima devem continuar a se achar muito espertos.
Vão ficar sem nada e nem imaginam que quando começar a tribulação, que será despoletada pelos próprios chineses e russos com as suas reservas monetárias, os comunas aqui tomam tudo e tratam de legitimar a sua ditadura esfolando estes palhaços socialistas fabianos.

Um abraço.

Comentar post







Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas