Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




o racismo segundo Fernanda Câncio

por João Gomes de Almeida, em 31.10.10

Segundo a revista Sábado, a Fernanda Câncio tem uma nova batalha política. A luta contra o facto dos pensos rápidos serem da "cor da pele branca", o que óbviamente é um caso de racismo puro e nojento. Eu concordo com a Fernanda Câncio e dou mais exemplos: os pensos higiénicos são todos brancos, o que óbviamente tem uma conotação racial e até da cor do sangue; numa sex shop, a maioria dos dildos são de tom de pele caucasiano (mas não contem à Rita Rato que existem coisas dessas que ela fica escandalizada); as personagens animadas dos gelados Olá são sempre brancas; o 5 para a meia-noite não tem nenhum apresentador africano; o Mantorras foi afastado da equipa do Benfica; o único deputado negro na Assembleia da República é do CDS, logo é racista também; e por fim, a Académica perdeu com o FC Porto este fim-de-semana. Portugal é mesmo racista, fogo.

publicado às 14:23


2 comentários

Sem imagem de perfil

De Anónimo a 31.10.2010 às 15:05

Eu tive que ir ao dicionário ver o que é um dildo. É melhor explicar a coisa e como funciona a mesma. Claro, as mulheres de esquerda vão-se rir. Elas são todas independentes...do macho. É só igualdades e alternativas.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 31.10.2010 às 15:24

Eu não percebo. Então ainda há dias se escrevia aqui que as mulheres de esquerda são bonitas, agora que são independentes. Isso de ser de esquerda, afinal deve ser só vantagens!

Comentar:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.







Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas


    subscrever feeds