Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]





No meio do muito ruído que vai por aí a respeito da moção de censura do BE, e obviamente concordando com o Pedro, saliento alguns pontos:

 

1 - Mérito para Louçã. Nunca foi tão atacado ad hominem como nos últimos dias. Pode ser uma criança, teimoso, ideologicamente preconceituoso, intelectualmente desonesto e enviesado e ter tendências autoritárias (mesmo totalitaristas). É verdade. Foi oportunista e excessivamente tacticista. Talvez se tenha precipitado inadvertidamente. É tudo verdade. Mas conseguiu recuperar do desaire do apoio a Manuel Alegre, marcar indubitavelmente a agenda (gostei particularmente do argumento de certos militantes do PSD, que acham que por este ser um partido maior que o BE, que não tem que andar a reboque deste, como se o tamanho de um partido tivesse alguma relação causal com o agenda setting, ou não sejam os jornalistas portugueses, na generalidade, alinhados com o BE e PS), e mostrar verdadeiramente as intenções de todos os partidos e actores relevantes - começando, agora, a capitalizar com estas.

 

2 - José Sócrates, sempre ele, continua a resistir a tudo e todos. Melhor, tem encontrado no PSD de Passos Coelho um grande aliado, mesmo passando a vida a enxovalhá-lo, como se viu no fim-de-semana que passou. Começa, até, a ter uma certa aura de invencibilidade, pois que todos parecem ter medo de o enfrentar em eleições.

 

3 - Saem mal na fotografia o PSD e o CDS. Demonstraram não estar assim tão preocupados com o país. De salientar a incoerência de Paulo Portas, que se primeiro se escudou na necessidade de conhecer o texto da moção, agora já veio dizer que o CDS irá abster-se - ainda sem conhecer o texto da moção, texto este que, como aqui escrevi, poderia dizer as maiores alarvidades do mundo que nada aconteceria para além do único resultado prático que seria a queda do governo -, e a falta de coragem de Passos Coelho, que a continuar a salvar José Sócrates como tem feito, corre sérios riscos de começar a ver a sua liderança do PSD ameaçada. Até porque, por tudo o que António Balbino Caldeira já explicou, será praticamente impossível a aprovação de uma moção de censura no parlamento - a não ser que, Passos Coelho e Paulo Portas consigam negociar um altamente improvável acordo com Jerónimo de Sousa.

 

4 - Muitas razões há para que se acabe com o consulado Sócrates assim que possível. Pelo tal interesse nacional, de que este se apropriou indevidamente. Álvaro Santos Pereira, Pinho Cardão (via Blasfémias), e Rui Crull Tabosa demonstram-nas com particular acuidade. O discurso do PSD deveria, na verdade, ter sido do género do que Ricardo G. Francisco recomendou. E a conclusão mais acertada e mais simples que há a retirar de toda esta novela é, sem dúvida, a de Tiago Loureiro: «Esta esquerda sectária e fundamentalista que habita num cantinho em S. Bento prova que a chave para a necessária queda do governo não está numa qualquer moção de censura. Está em Belém.»

 

5 - Perdeu-se uma oportunidade de ouro, com o BE a colocar-se como refém da sua moção de censura e em que se poderia ter dado a estocada final neste desgoverno. Perdemos todos. É pena. Os juros da dívida externa continuam a aumentar, o Estado continua sem ser reformado e reestruturado, a carga fiscal continua a ser brutal, a economia continua a contrair. Continuamos a caminho da tragédia do ano. Mas está tudo bem.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:13


5 comentários

Sem imagem de perfil

De Anónimo a 15.02.2011 às 23:03

Concordo inteiramente consigo. O país desfalece e a classe política, por nós sustentada, assiste até ao momento que considerarem oportuno. Em que ficamos. o PM serve ou não serve? Parece que afinal ninguém fará melhor pois não se perfilam para lhe dar o merecido chuto.
Imagem de perfil

De Samuel de Paiva Pires a 15.02.2011 às 23:11

São tempos estranhos, estes que vivemos. Esquizofrénicos, mesmo. No meio disto, continuam sempre a ser os mesmos a pagar os disparates de uns quantos.
Sem imagem de perfil

De Rui Santos a 15.02.2011 às 23:50

Caríssimo Samuel,


acertada a tua análise. O que se pode concluir é que de táctica em táctica, parece que nenhum partido tem qualquer estratégia. E lá continuamos, com um primeiro-ministro feito de borracha e um país que, infelizmente, só pode ser feito da matéria de que são feitos os sonhos...
Imagem de perfil

De Samuel de Paiva Pires a 16.02.2011 às 00:02

Só espero que não se conclua que temos os políticos que merecemos, ou que estes são reflexo do povo. Acho que os portugueses, na generalidade, são melhores que isto, caríssimo Rui.
Imagem de perfil

De João Pedro a 16.02.2011 às 01:55

Duvido, Samuel, porque provavelmente a aprovação da moção significaria a  mudança de uma ou duas coisas...para que acabasse tudo na mesma. É que ou se formava um governo de iniciativa presidencial coisa complicada dada a distribuição actual de deputados, ou dissolvia-se o parlamento e íamos as eleições, com probabilidade de Sócrates ser visto como uma vítima e voltar a ganhar (ainda por cima roubando votos aos berloquistas).
Quanto ao BE, julgo que não ficou nada bem visto com todos os pinotes, reviravoltas e abébias que deu, além das divisões internas. Para rematar, Louçã ainda disse que havia "mais desigualdade em Portugal que no Egipto. Dá-me impressão que para aqueles lados se anda a fumar demasiadas substâncias semi-legais.

Comentar post







Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas