Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




A respeito da intervenção na Líbia

por Samuel de Paiva Pires, em 20.03.11

 

1 - A UE anda há anos a financiar organizações nos países do Magreb que estimulem e promovam a democracia nos respectivos países. Agora temos alguns dos seus Estados-Membros à cabeça desta operação. Estamos cada vez mais próximos do ideário norte-americano neo-conservador do que se possa pensar.

 

2 - Guardar como nota mental que a Rússia que agora se abstém e mostra reservas quanto à intervenção, é a mesma que interveio na Geórgia precisamente sob o mesmo pretexto de protecção dos civis. Não são apenas os europeus e norte-americanos que são hipócritas.

 

3 - Sarkozy deveria convidar Kadhafi para jantar e aproveitava para comparar com o ditador o tamanho dos respectivos órgãos reprodutores. Poupava-se muito trabalho e dinheiro nesta “Bigger dick foreign policy”.

 

4 - Nos EUA, com uma economia já de si fortemente deficitária, em larga escala devido aos elevadíssimos custos das guerras em que estão envolvidos, o próprio Messias da esquerda europeia viu-se empurrado para esta guerra. É bom para Obama que desta feita haja realmente um plano realista pois o desfecho desta será determinante para o seu futuro político.

 

5 - Se fosse vivo, Huntington rir-se-ia dos seus críticos. E Barry Buzan continua a ter razão. Criámos um sistema de permanente ingerência interna nos assuntos uns dos outros, e com a retórica dos direitos humanos estamos cada vez mais a encurralar-nos a nós próprios com hipocrisias e double standards.

 

6 - E talvez o mais importante. Sabendo que é apenas uma questão de tempo até Kadhafi ser apanhado, se não o for morto, o que é que lhe acontecerá a seguir? O que é que os mesmos líderes que andam há anos a apaparicá-lo e a deixá-lo passear com a sua tenda e guarda pretoriana por aí irão fazer?

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:57


2 comentários

Imagem de perfil

De Nuno Castelo-Branco a 21.03.2011 às 18:24

Se o funcionamento da ONU não obedecesse a fórmulas tão complexas, a acção podia ter sido imediatamente desencadeada. O que me espanta é a quantidade de "assobiadores para o lado" com quem Kadhafi pode contar, uma estranha aliança dos ronhonhós PC/BE de outras décadas, com um não sei o quê isolacionista "europeu continental".  


Quem queira perder algum tempo a escutar "antenas abertas" na SIC (por exemplo), ficará ciente do total, absoluto e até indecente desconhecimento que tanta gente revela acerca do assunto que nestes últimos dias ocupa os noticiários. Desconhecem o limiar da pobreza em que os líbios vivem. Desconhecem ou esqueceram os feitos indecorosos com que Kadhafi pontilhou a sua demasiadamente longa carreira, estéril e claramente nociva carreira. Desconhecem o facto de a Líbia nem sequer ser uma nação e consequentemente, qual o método utilizado pelo actual regime para se manter no poder. Desconhecem a colossal e abjecta diferença exibida pela entourage de Kadhafi, relativamente a 90% da população. Desconhecem a rejeição de qualquer regra de conduta diplomática,  as guerras, os subsídios subversivos, os atentados e crimes por encomenda perpetrados pelo bandido. Desconhecem a total ausência daquilo a que chamamos Lei, susbstituída no simulacro da sociedade civil local, pelo apetite que no momento  o "líder" quer ver satisfeito. 
Vivemos um tempo em que as caricatas teorias da conspiração americana, substituíram a "Terra oca",  os OVNI, a "falsidade da chegada USA à Lua", "Hitler viveu até 1978", etc. Agora, todo o juízo move-se em torno do petróleo e inventam-se as mais inacreditáveis estorietas, imaginando-se a entrada - vindas de onde, com metralhadoras encontradas ou fornecidas por quem? - de hostes bem armadas e a tudo dispostas. É claro que não têm em conta o profundo desprezo e ódio existente contra o clã Kadhafi na parte leste do "país" - desde 1969! -, ignoram ou fazem por ignorar a abertura dos arsenais da Cirenaica por muitos soldados e oficiais, facultando armas ligeiras e anti-aéreas aos rebeldes. O que serve é o anti-americanismo "porque sim", como se um valor supremo fosse, liquidando qualquer análise mais aturada.
Sendo crítico acerbo - porque defensor da Aliança Portugal-EUA- dos Estados Unidos, tudo isto merece apenas um encolher de ombros e que... Kadhafi desapareça de cena e com um mínimo de "danos colateriais". 


Nem sequer se dão ao trabalho de passar uma vista de olhos a quem na comunidade internacional, atira algumas moedas à Fontana di Trevi kadhafista: Chávez, Castro, Jin Tao, Putin, Mugabe e talvez numa hora não muito distante, Kim jong Il. Tudo gente recomendável.
Sem imagem de perfil

De Francisco Castelo Branco a 21.03.2011 às 19:05

a UE é sempre num deixa andar, depois quando a situação está caotica, é só apertar

Comentar post







Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas