Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Alemanha: devolvam o ouro "do" III Reich!

por Nuno Castelo-Branco, em 05.05.11

Naquela típica tirada do lampeiro vigarista que quer o ouro que durante cinco anos de guerra serviu para matar a fome de 100 milhões de cidadãos do III Reich - e o apetite que a indústria alemã tinha pelas matérias primas portuguesas -, um liberal e cobiçoso imbecil, de seu nome Frank Schäffer, esqueceu os tempos da famélica juventude dos pais e quer que Portugal se desfaça das suas reservas de ouro. Ignorante acerca das pesadas consequências que tal alienação provocaria nos mercados e absolutamente inconsciente quanto á ilegalidade interna que tal medida significaria no nosso país, o deputado liberal (FDP) retomou o discurso oportunista já escutado noutras paragens. Isto deve-se à parva ilusão desse ouro ser "proveniente da Alemanha", um disparate propagado urbi et orbi para impressionar os crédulos do costume, estejam eles em Francoforte, Nova Iorque, Amsterdão  ou Telavive.

 

Mas tenha o liberalóide em boa conta que aqui, em Portugal, nem o Dr. Soares se deixou impressionar por outras tentativas semelhantes, quanto mais os dez milhões de forretas que mostram as unhas quanto a tudo o que respeite ao fulvo metal. Está bem guardado e assim continuará.

 

Muito mais interessados estamos quanto à insistência no TGV para Madrid. A posição da troika-Regente não ficou muito clara e os economistas já garantem tratar-se de um lóbi para a promoção de vendas alemãs e francesas. Á custa dos furados bolsos portugueses, evidentemente.

publicado às 14:09







Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas