Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Marrocos, aqui tão perto

por Nuno Castelo-Branco, em 02.07.11

Como aqui dizíamos, urge uma maior atenção do Palácio das Necessidades, passando a olhar o Reino de Marrocos como a excepção num Magrebe cujo futuro é incerto.

 

Ontem, a população votou sim no referendo convocado pelo Rei Mohamed VI. Não houve lugar a votos de defuntos, a sufrágios viajantes de urna em urna ou pelo contrário, qualquer proibição ou cerceamento da liberdade de escolha. Quem esta manhã lesse o Expresso, ficaria na incerteza acerca do porvir daquele país, pois o artigo que desfia os acontecimentos marroquinos, pinta de tons sombrios as possibilidades de sucesso da iniciativa, evocando ranger de dentes salafitas ou a "esquerda" mais radical. O resultado está à vista. A proposta da Coroa colheu uma preferência de tal forma esmagadora que nos faz recordar as fantasiosas "eleições" de a Coreia dos Kim, da China ou do desaparecido bloco de Leste. Mas ali mais a sul, não houve lugar para qualquer fraude e como podemos ler no Morocco News, verificou-se uma total liberdade para todos exprimirem os seus pontos de vista. O próprio texto é disso uma clara prova.

 

Nem sequer se cumpriu a sugestão de "falta de legitimidade" do referendo, pois tendo o Expresso sugerido participações eleitorais rondando 40% do eleitorado, os marroquinos excederam qualquer expectativa, fazendo corar de vergonha uma certa república não assim tão fisicamente distante. Há quanto tempo 70% dos portugueses se dignam em acorrer às urnas? O Sr. Cavaco Silva que o diga. Mais ainda, as cidades bem povoadas de gente nova e de estudantes ansiosamente aguardados pelas canhotas sapiências como potenciais contestatários, mobilizaram-se maciçamente e o sim foi arrasador. É certo o esbracejar de alguns círculos ocidentais sempre muito exigentes em estabelecer os "padrões da democracia" e assim, já se antevê uma nova táctica que encontra nos poderes que o monarca conserva quanto às Forças Armadas e assuntos religiosos, um artificial casus belli. Pouco lhes interessará a "presidencialização" do 1º Ministro, o primado do Partido vencedor, a liberdade de expressão, reunião, organização e heresia das heresias, a igualdade legal entre homens e mulheres. Nem sequer nos poderemos admirar, se se gizar uma santa aliança entre os esquerdistas do costume e os mais radicais convivas de saguão da mesquita. Os progressistas europeus aplaudirão.

 

Um Marrocos reformista, mais próspero e estável, é um tranquilizante que a Península Ibérica ansiosamente aguarda. 

publicado às 21:31


Comentar:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.







Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas


    subscrever feeds