Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




dizia Margaret Thatcher. É o que se me oferece dizer ao ler este post de Pedro Quartin Graça.

Quantos " elefantes brancos" não cresceram com o " dinheiro dos outros " nestas últimas décadas? Este é mais um, bem nutrido, à custa do erário de todos nós. Falta de vergonha de quem atribui tais salários, mas também de quem os recebe, porque cientes da sua proveniência.

Guimarães não merecia esta nódoa. Portugal não a merecia também. Como não merecia todas as que a precederam. Quando é que esse termo, vergonha, começará a fazer parte do dicionário da imensa maioria dos políticos???

publicado às 19:56


4 comentários

Imagem de perfil

De Daniel João Santos a 29.08.2011 às 21:45

o bolso cheio é mais importante que a cara lavada.
Imagem de perfil

De Cristina Ribeiro a 29.08.2011 às 22:18

Um lema que aterrou e não sei quando levantará voo, Daniel.
Sem imagem de perfil

De Lawrence a 30.08.2011 às 08:52

Quantas vezes lemos e ouvimos frases parecidas com esta:
"ganha mais que o Presidente da República ou que o Primeiro-Ministro!"
Acho este tipo de frases uma forma de enganar, estupidificar o Zé!
Quem as profere são normalmente jornalistas ou comentadores fartinhos de saber que PR's, PM's, Ministros, Secretários de Estado e quejandos até pagavam para estar no poleiro.
Porque a galinha dos ovos de ouro vem depois!
Vidé os salários e mordomias pornográficas da Capital do Gamanço!
E quem são os que tem a cabeça enfiada na gamela!
E quantas e quantas gamelas do mesmo tamanho ou maiores pelo país fora?


Pois é! cara lavada não paga luxos!
Sem imagem de perfil

De VSC a 30.08.2011 às 14:17

Quando é que os políticos começam a ter vergonha? Talvez quando não seja necessário o Ricardo Espírito Santo ir à televisão demitir o primeiro-ministro.
Quando formos nós a fazermos isso, não sei se terão mais vergonha, mas terão, certamente, algum respeito - que agora é nenhum.
Paradigmático, o caso do «acordo» ortográfico.

Comentar post







Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas