Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Pobreza intelectual

por Samuel de Paiva Pires, em 03.09.11

É o mínimo que se pode dizer do mais recente artigo de João Cardoso Rosas. Como escreve Ricardo Arroja, trata-se de socialismo puro e duro, em que o estado esmaga o indivíduo. Este muy humilde escriba gostaria apenas de colocar as seguintes questões: 

 

1) Como é que o estado pode saber se o(s) herdeiro(s) contribuíram ou não para construir aquilo que herdam?

2) Que dados tem João Cardoso Rosas que lhe permitam validar a afirmação de que "Todos sabemos que a maior parte dos herdeiros gasta mal o dinheiro dos progenitores em vez de o tornar socialmente útil"?

3) O que é gastar dinheiro de forma socialmente útil e que critérios são utilizados para operacionalizar essa concepção?

4) Que dados lhe garantem que a afirmação implícita de que o estado torna o dinheiro socialmente útil é verdadeira?

5) Quem é João Cardoso Rosas ou o estado para dizer aos outros como devem gastar o seu dinheiro (inclusive o que herdam)?

6) Como é que o estado pode ter moralmente direito a algo que não criou?

7) O que é desbaratar dinheiro e que critérios são utilizados para operacionalizar essa concepção?

8) Como é que se garante que o estado não irá desbaratar esse dinheiro?

 

Bem sei que escrever um artigo jornalístico não é a mesma coisa que escrever um artigo científico/académico. Mas isso não é justificação para descer ao nível panfletário.

publicado às 17:05


5 comentários

Imagem de perfil

De Nuno Castelo-Branco a 04.09.2011 às 10:22

Uma parvoíce revoltante! Uma vez que todas essas aquisições já pagaram impostos, a que propósito o "Estado" - ou melhor, quem nele manda - vem arrecadar mais uma grossa fatia daquilo que pertence a outrem? 
- ao articulista não lhe ocorre sequer por um minuto a ideia de que esse património, por muito escasso que seja, também provem de sacrifícios que a família enfrentou conjuntamente? Um simples quadro, uma peça decorativa mais importante, uma casa, etc, valem aquilo que poderia ter sido gasto em festanças, viagens e outras folias. Pouparam e conseguiram amealhar. Isso não merecerá qualquer consideração? É a mentalidade do fartar vilanagem, do "aprés moi le déluge", do egoísmo e do encher a barriga que o resultado deixamos depois na casa de banho. Que idiotas.
- Vê-se a forma como o "estado" tem gasto de forma socialmente útil os milhões que arrecada das contribuições dos portugueses e daquele outro que provem dos bolsos de contribuintes estrangeiros. Vê-se!
- Quando alguém compra uma casa, por muito "casota" que seja, contribui para os cofres do Estado, directa ou indirectamente. Os impostos directos bastante altos e abusivos, as contribuições anuais, as taxas de televisão forçadas - irão acabar? - a dinamização de uma miríade de empresas ligadas à construção - e os impostos inerentes às mesmas -, o equipamento da casa - lá estão os IVA a pesar e de que maneira! -, a resolução privada de um problema social que o Estado não pode nem quer ter a cargo - o direito à habitação - enfim, um nunca acabar de razões. Ou pretenderá "o Estado" que acabemos de vez com a poupança e passemos todos a fazer o que "eles fazem", indo torrar o dinheiro no Club Mediterranée, comprar carros potentes, jantaradas fora, e outras coisas que me poupo a mencionar? Será que os "estatistas" acham melhor?
- imaginemos uma senhora de provecta idade que morre e deixa uns tantos colares, brincos e pulseiras de valor. Tencionava deixá-los às descendentes, mas eis que entra pela casa adentro um tipo qualquer e põe-se a contabilizar estes bens, avaliando-os - claro! - a um preço superior. É isso mesmo que fazem, bem ao contrário das penhoras onde procuram esvaziar uma casa inteira por uma dívida de, digamos, 500 contos. Mas o que é isto?! Parece-vos impossível? Pois não será, o fito é poderem entrar em casa dos particulares e fazerem o arrolamento de tudo o que existe, por mais insignificante que seja. Imaginemos agora, o rolo compressor de corrupção que se instalará, com negociatas arranjadas com amigos e aquelas outras habilidades bem conhecidas.


Em suma, os cavalheiros estão a tentar encontrar uma bela corda para enrolar ao pescoço. Quando o Estado se intromete demasiadamente, há quem pretenda abrir as portas ao inimigo do próprio: este, tanto pode ser externo, como interno. Façam a escolha.
Sem imagem de perfil

De tuvalu a 04.09.2011 às 23:22


fixem-no, pode ser ministro amanhã...; o melhor é começar a dar coça...basta duas ou três, e talvez alguns percebam que não estamos para meias medidas...
Sem imagem de perfil

De Tiago dBP a 07.09.2011 às 10:46

"(...) ninguém tem qualquer mérito por ter nascido numa família rica. As circunstâncias sociais do nosso nascimento são, como se costuma dizer, "moralmente arbitrárias". Por isso os herdeiros não merecem a sua herança (...)" diz ele. Mas quem construiu a fortuna (e sejamos claros, infelizmente nem todos os casos de heranças podem ser designados como "fortunas") merece o respeito de ver o seu património ser transmitido a quem ele designou, sem que o estado se arrogue o direito de ficar com o património.
Sem imagem de perfil

De rui a. a 08.09.2011 às 20:19

Prezado Samuel,

Li este seu post após ter escrito e publicado um meu no Blasfémias. Verifico que coincidimos nalgumas questões que colocámos ao Professor Rosas, mas, creia-me, tratou-se de uma total coincidência, julgo que provocada pela evidência das nossas observações, face às enormidades do texto comentado. Em momento algum gostaria que pensasse que utilizei o que escreveu em abono próprio.

Cumprimentos cordiais,

Rui Albuquerque
Sem imagem de perfil

De WZD a 09.09.2011 às 19:57

Daqui se pode inferir que o Rui Albuquerque ainda tem muita leitura para por em dia, pois o seu artigo no blasfémias foi escrito mais de quatro dias depois do artigo do Samuel de Paiva Pires...Image Isso ou então o melhor mesmo é passar a estar mais atento ao que por aqui no Estado Sentido se vai escrevendo. Vá por mim, não dará por perdido o seu tempo. Image

Comentar post







Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas