Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




A Lisboa Arruinada, no Portugal dos Pequeninos

por Nuno Castelo-Branco, em 07.10.11

Da autoria do leitor Besta Imunda, o seguinte comentário que não admite réplica:

 

"...por outro lado, e falando em pagar a conta, o compadre Costa prepara-se - segundo rumores chibados a que tive involuntariamente acesso - para iniciar mais uma ronda de morosas e dispendiosas obras de modificação do sentido do trânsito nas transversais à Av. da República: a ideia parece ser refazer as placas centrais, destruídas por Sampaio e por Joãozinho-Soares, e 'devolver' o trânsito em ambos os sentidos a essas já muito martirizadas artérias; tudo justificado com a proposta 'verde' de plantar árvores nessas placas centrais. E é bem; e ecológico. Até porque, no processo, as árvores plantas nos passeios actuais, que já têm quase 20 anos, serão agora arrancadas e assassinadas de novo. Esta aparentemente justa e benfeitora obra tem - como não podia deixar de ser - um objectivo: fazer mais estacionamento ao centro, chular mais os automobilistas, estrangular mais o trânsito, preparar a cobrança de portagens à entrada de Lisboa, encher tudo de parquímetros da "Famiglia Soares" e atravancar ainda mais as ruas de soldados, cobradores e extorsionistas da EMEL - a empresa que serve de fachada de legitimidade. Esta nobre campanha de obras (para a qual a CM não tem dinheiro...) depende de uma engenharia financeira em que, obviamente, quem tomará a dianteira será o Grupo Espírito Santo ou outros prestamistas-negros. Os paisagistas, os 'jardineiros', os arquitectos, os biólogos que sabem que as árvores estão sãs e rijas serão silenciados quando for adiantado nas têvês que "as árvores de Lisboa, nas Av. Novas, têm um misterioso fungo que as ataca e que por isso têm de ser substituídas". Já as anteriores, que foram criminosamente cortadas no tardoz da Casa da Moeda, "estavam doentes e a morrer", mas eu vi directamente que o tronco estava saudável e forte: quando a meio dessas operações (há 12 anos?) fiz notar isso a um 'fiscal', fui prontamente afastado por um agente da municipal - bem treinado, agressivo e zeloso. Lisboa é definitivamente o quintal do PS, da esquerda-nobre-e-hereditária do Campo Grande, da esquerda do Zé, dos Costas, dos compadres; e gerida como uma esponja de dinheiro pública - captando, cativando, absorvendo, roubando ao que faz verdadeiramente falta. O Governo Central devia extinguir a CML, tomar conta dela, fazer dela um ministério que no OE de 2012 teria de apertar o cinto e dedicar-se ao essencial. E atirar a crassa malta de políticos-sugadores dependentes dela para um cárcere sombrio.

Ass.: Besta Imunda "

publicado às 13:29


3 comentários

Sem imagem de perfil

De Margarida a 07.10.2011 às 23:46

Image
não é só aí, infelizmente, o que já seria horrível, mas é por todo o lado onde existem outros interesses adjacentes...
Há semanas também entrei em medição de 'forças' com os serviços camarários de Matosinhos porque abatiam tílias de grande porte perto de casa, aparentemente sem razão. Fiquei 'verde', escrevi, telefonei, reiterei pedidos de explicação, fotografei as árvores antes e depois do abate e os troncos estavam sadios!!!
não é preciso ser especialista para entender a diferença: limpinhos, lindos, pobres árvores...
responderam depois de tudo ter terminado, assegurando que tinha sido necessário, que estavam doentes e que seriam plantadas novas até ao final do ano.
estou à espera...
O Ideiafix que há me mim fica uma fera!
Pior, só com os bichinhos a quem fazem mal...
  
Sem imagem de perfil

De WZD a 08.10.2011 às 21:36

Dar-lhes a comer alcatrão e betão armado, é o que essa gente precisa! Image
Sem imagem de perfil

De detective privado a 29.11.2011 às 01:34

grande malha muito thx!! ler isto é bastante mt bom. esta publicação está enriquecedor. pachei a ser guest frequente nato aqui do website... cumprimentos

Comentar post







Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas