Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Não sei se ria, não sei se chore

por Samuel de Paiva Pires, em 11.10.07
Não é porque Menezes ganhe as eleições do PSD, porque Santana Lopes eventualmente assuma a liderança da bancada parlamentar do PSD, ou porque o PS não queira discutir o assunto da corrupção que sabemos que a política em Portugal está a chegar a um estado ridículo. É sobejamente reconhecido por todos que a democracia portuguesa se expressa numa alternância entre os partidos siameses do centrão, protagonizada pelas pseudo-elites desta república à beira-mar plantada.

Com este sistema já todos estamos conformados, até porque decorre da estabilização de uma linha de pensamento caracterizada como ocidental, ou de forma mais restrita, europeísta, que marca a estabilidade política que vai permitindo um certo crescimento e desenvolvimento económico-social, não só do país, mas da União Europeia.

Mas quando, depois da badalada questão da DREN, agentes da PSP se portam como a orwelliana polícia do pensamento, Rodrigues dos Santos se vê envolvido numa guerra com a RTP pelas suas acusações de interferência da administração da empresa pública em matéria editorial (obviamente que há uma evidente conotação e influência político-ideológica, que decorre da tempóraria representatividade partidária na liderança do aparelho estatal, de forma mais directa ou indirecta, por vezes até imperceptível), e na mesma semana vemos supostos comunistas a protestarem contra a acção da PSP e contra o governo, e o PNR colocar um cartaz onde clama pela liberdade dos nacionalistas, não sei se ria, não sei se chore.

É irónico e hilariante ver comunistas e nacionalistas de extrema-direita a protestar contra um suposto centro-esquerda, que eventualmente até poderia ser o centro-direita, reclamando por liberdade.

Pergunto-me se o obscurantismo que se tem feito em torno do regime do Estado-novo não servirá para legitimar um regime que tem evidentes falhas democráticas que apenas pontualmente se manifestam e imediatamente são reprimidas.

Autoritarismo, totalitarismo ou nacionalismo não são conceitos de direita. São tanto de direita quanto de esquerda, como ensina Hannah Arendt.

Parece que afinal há um Salazar dentro de cada um de nós, que se manifesta quando os outros se opõem à corrente de pensamento maioritária e supostamente única.

Já não sei que diga...só sei que nada sei...não sei se ria, não sei se chore...

(em cima, "O Grito", famoso quadro do pintor norueguês Edvard Munch)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:01


1 comentário

Sem imagem de perfil

De Ismenia a 12.10.2007 às 13:11

Edvard Munch...Sabes bem que adoro Dali, mas esse quadro é deveras fascinante, e não poderia ter havido melhor escolha, a meu ver, para se conjugar com o post. O quadro em si representa a mais profunda angústia e desespero existencial...penso que em tal conjuntura politico-social, é o que todos os portugueses de uma forma geral, nas classes mais desfavorecidas e afectadas pela má governação de anos, sentem.

Só algumas curiosidades que fui vasculhar:

- No período Nazi, na Alemanaha, Munch foi considerado um artista degenerado e por isso toda a sua obra em exposição foi retirada da
Alemanha.

- Muitos críticos aconselhavam até neste período que o quadro não era aconselhado á visualisação para grávidas e pessoas mais sensíveis.

- Em 2004 a quando roubo do quadro, no museu em Oslo, os assaltantes, em plena luz do dia, deixaram um bilhete onde diziam: "obrigada pela falta de segurança".

-Em 1961, a revista Time colocou O Grito em destaque, como capa da sua edição dedicada aos complexos de culpa e ansiedade.

Um á parte meu...o senhor Santana Lopes não devia, se tivesse algum bom senso, de se aproximar mais da política...á coisas que, na vida, tem "período de validade", por assim dizer...e eu suponho que o dele já tenh expirado há muito...mania de serem badalados e de andarem sempre a comerem do mesmo saco -.-'.

Abraço Samuel.
Come back soon*

Comentar post







Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas