Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Ambrose Evans-Pritchard alinha com os defensores da produção de dinheiro e estímulo à economia via quantitative easing para acabar com a crise do euro: "The crisis can undoubtedly be halted immediately by the ECB. The bank can reflate Club Med off the reefs. It chooses not to act for political reasons because this mean higher inflation for Germany. That is the dirty secret. Everybody must be crucified to keep German internal inflation under 2pc." Pena que o autor que chama a atenção para o esquecimento de muitos em relação às lições da história económica, não se recorde ele de certas lições da história política. Ainda que a Alemanha seja o país mais beneficiado pela moeda única, como Sebastian Mallaby assinalou no Financial Times há dias, a inflação é um confisco de propriedade privada cujas consequências políticas os alemães conhecem bem. Ademais, o que se retira do parágrafo acima é a consequência lógica de que o melhor é acabar com o euro nos moldes actuais, em vez de adiar o inevitável, retirando os países mediterrâneos do colete de forças onde se encontram. Mas como em vez de pensar e preparar essa receita, as elites europeias preferem fazer vídeos a celebrar o sucesso do euro (?!), cá vamos continuando no mais do mesmo da austeridade sem verdadeiras reformas estruturais do estado, onde o défice e a dívida pública dificilmente diminuem, esmagando-se a classe média para pagar os desmandos dos governos das últimas décadas. É o que se chama navegar à vista. 15 minutos antes do jogo terminar ainda estamos todos vivos.

publicado às 23:17







Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas