Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Maçonaria, metodologia e religião

por Samuel de Paiva Pires, em 10.01.12

 Algumas breves notas numa réplica 2 em 1 ao Corcunda:

 

1 – O individualismo metodológico está relacionado com o subjectivismo e partindo da área económica que postula a teoria subjectiva de valor, obviamente compreende que aos homens assiste a capacidade de conferir valor. Além do mais, o individualismo metodológico tem diversas correntes, as quais, genericamente, conforme sintetiza Kenneth Arrow, partem do pressuposto que todas as explicações devem ser feitas tendo como variável determinante as acções e reacções dos indivíduos, cuja interacção produz resultados que determinam, por exemplo, o funcionamento da economia e a alocação de recursos. O que não significa, portanto, que o individualismo metodológico descure as instituições, até porque entre as várias correntes deste existe precisamente uma fundamentada inicialmente por Popper e complementada posteriormente por Joseph Agassi que é o individualismo institucional. Eu nunca afirmei que os homens são desligados das instituições, apenas que estes são os únicos que verdadeiramente têm personalidade e capacidade de raciocínio moral.

 

2 – Também não disse que esse erro metodológico, de tomar a parte pelo todo, ou seja, realizar uma inferência cientificamente falsa, significava que se um padre fosse pedófilo, toda a Igreja seria. O que disse é que não se pode precisamente afirmar isso, pois é falso. Mas também é certo que se pode afirmar que há padres pedófilos. O que não faz com que todos sejam. O mesmo é dizer que, perante o caso com que nos deparamos na sociedade portuguesa, há maçons que alegadamente terão incorrido em práticas ilegais, o que não significa que outros maçons o tenham feito. Ademais, quanto a estas práticas, cabe ao Estado de Direito, nomeadamente ao Ministério Público, investigá-las e, caso se comprovem, condená-las. Porque nenhum indivíduo pode estar acima do Estado de Direito, muito menos os que são maçons, pois a tradição maçónica contribuiu precisamente para a criação, fundamentação e implementação do Estado de Direito.

 

3 – É errado dizer que a maçonaria se fundamenta na compreensão do Universo não-revelada, sem Graça. Isso acontece eventualmente na irregular, como pode não acontecer, visto que não é obrigatório. Já a maçonaria anglo-saxónica, regular, não só se fundamenta como obriga a que os maçons tenham uma religião revelada.

 

4 – Quanto ao resto, remeto para o artigo de Fernando Pessoa que já referi, salientando aqui apenas isto:

 

«(…) toda a Maçonaria gira, porém, em torno de uma só ideia - a tolerância; isto é, o não impor a alguém dogma nenhum, deixando-o pensar como entender. Por isso a Maçonaria não tem uma doutrina. Tudo quanto se chama "doutrina maçónica" são opiniões individuais de maçons, quer sobre a Ordem em si mesma, quer sobre as suas relações com o mundo profano. São diversíssimas: vão desde o panteísmo naturalista de Oswald Wirth até ao misticismo cristão de Athur Edward Waite, ambos eles tentando converter em doutrina o espírito da Ordem. As suas afirmações, porém, são simplesmente suas; a Maçonaria nada tem com elas. Ora o primeiro erro dos antimaçons consiste em tentar definir o espírito maçónico em geral pelas afirmações de maçons particulares, escolhidas ordinariamente com grande má-fé. O segundo erro dos antimaçons consiste em não querer ver que a Maçonaria, unida espiritualmente, está materialmente dividida, como já expliquei. A sua acção social varia de país para país, de momento histórico para momento histórico, em função das circunstâncias do meio e da época, que afectam a Maçonaria como afectam toda a gente. A sua acção social varia, dentro do mesmo país, de Obediência para Obediência, onde houver mais que uma, em virtude de divergências doutrinárias - as que provocaram a formação dessas Obediências distintas, pois, a haver entre elas acordo em tudo, estariam unidas. Segue de aqui que nenhum acto político ocasional de nenhuma Obediência pode ser levado à conta da Maçonaria em geral, ou até dessa Obediência particular, pois pode porvir, como em geral provém, de circunstâncias políticas de momento, que a Maçonaria não criou.» 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:43


2 comentários

Imagem de perfil

De o corcunda a 10.01.2012 às 23:43


1. O individualismo erra nessa parte, entre outras. É evidente que nem só os indivíduos têm personalidade. Por isso é que uma ideia pode estar certa ou errada, uma instituição ser condenada pelas suas práticas ou louvada pelos seus méritos. Quando se fala do liberalismo, do Parlamento, de uma Nação, estamos a falar de entidades com personalidade (não apenas jurídica), mas com conteúdo moral. O enquadramento moral que uma comunidade fornece aos seus membros é tão digna de análise moral, ou mais, que os seus membros. Reitero, os Astecas eram todos maus? Os milhões de alemães do Reich só podem ser compreendidos na sua perspectiva individual.

2. Não foi disso que falámos. Apresentaste a perspectiva institucionalista como imputando responsabilidades a toda a comunidade por uma prática pessoal.

3. Estás totalmente errado neste ponto. A adesão a uma posição de total discussão de princípios (a possibilidade de aceitar a não divindade de Cristo, p.ex.) é incompatível com a Revelação. Isso é totalmente evidente.

4. Subitamente parece que Fernando Pessoa se tornou uma grande referência na exegese política. Pena não levares com a mesma seriedade as reflexões sobre a Democracia. Há alguma razão para estes escritos serem canónicos e os outros não?
 Afirmar que alguém não tem uma doutrina serve de pouco. Quando a premissa é a de que a livre-interpretação dá sentido à Revelação, a doutrina está expressa. Não vale a pena dar voltas... Queres ver que há maçonaria que não defende uma posição de livre pensamento? Se a confusão foi feita pelo Pessoa, não a torna menos errada.

Abraço

Imagem de perfil

De Samuel de Paiva Pires a 10.01.2012 às 23:58

Caríssimo,


1 e 2 - Por ora, teremos que concordar em discordar. Tenho que aprofundar melhor o institucionalismo para poder discutir isto contigo adequadamente


3 - Neste ponto, as minhas fontes dizem-me precisamente aquilo que afirmei. Se está errado, serão estas que estão erradas. Mas dado que se trata de maçons...


4 - Razão alguma. Tratarei de colmatar isso, simplesmente não tenho tanto tempo como gostaria.


Abraço

Comentar post







Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas