Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Como é possível?

por Cristina Ribeiro, em 11.01.12

Para além de outros motivos- e Morais Sarmento confirmou o cabimento do " pé atrás "-, não entendo como é que, após o assassínio de D. Carlos e de D. Luís Filipe, no qual a maçonaria teve, comprovadamente, um papel essencial, pode, em Portugal, um monárquico ser maçon.

publicado às 17:46


1 comentário

Sem imagem de perfil

De Nuno Oliveira a 12.01.2012 às 00:37

Cara Cristina,

Não entendo a sua dúvida. Todas as movimentações em Portugal para tomar o poder, durante a monarquia, foram lideradas por pessoas da mesma família. Primos, tios, cunhados, etc. Algumas causadas por preconceitos sociais, como ter um filho fora do casamento. Se pode ter, sem problemas de consciência, lutas fratricidas, porque não ter lutas entre familiares de uma ordem. Seja ela a Maçonaria ou outra. Observar o mundo apenas por uma perspectiva é, quase sempre, razão para não o entender. Só porque a Cristina olha para os laços de sangue como sendo os mais importantes, não quer dizer que todos os monárquicos o façam. E se puderem servir-se da Maçonaria para atingirem os seus fins, quem poderá condená-los?

Comentar:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.







Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas


    subscrever feeds