Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Porque também já estou um pouco farto deste tema

por Samuel de Paiva Pires, em 12.01.12

Cristina, passando ao lado da acusação de branqueamento, não voltando a entrar no argumento metodológico, complementando o texto de Pessoa com o que se segue e, concluindo que o mundo não é a preto e branco, permita-me o estrangeirismo provinciano de dizer que I rest my case:

 

1. Agência Lusa, 19 de Maio de 2004, via Rui Monteiro:

 

No dia 19 de Maio de 2004, a convite de António Arnaut, o pretendente ao trono de Portugal, D. Duarte Pio, deslocou-se à sede do Grande Oriente Lusitano (GOL) – Maçonaria Portuguesa, no que constituiu a primeira visita de um membro da Casa de Bragança a esta instituição maçónica.

“Não há hoje nenhum contencioso entre a Maçonaria e a Casa de Bragança”, declarou à agência Lusa António Arnaut, para reiterar que aquela “não esteve envolvida” na morte do rei D. Carlos e do príncipe herdeiro, D. Luís Filipe, ocorrida há 100 anos no Terreiro do Paço.

Na sua opinião, “qualquer mal-entendido que existisse” na sociedade portuguesa, desde que dois membros da Carbonária, Manuel Buíça e Alfredo Costa, cometeram o duplo atentado, em 01 de Fevereiro de 1908, “ficou dissipado com a visita cordial” de D. Duarte Pio às instalações do GOL, em Lisboa.

Segundo o antigo grão-mestre, a “reconciliação da Maçonaria Portuguesa com a Casa de Bragança” concretizou-se nessa altura.

“A visita do representante da Casa de Bragança, que almoçou no Palácio Maçónico, teve o significado de uma reconciliação efectiva e apagamento de quaisquer equívocos”, sublinhou.

Há quatro anos, António Arnaut declarou que a visita do herdeiro da coroa “teve um grande significado histórico”, já que a Maçonaria, “embora injustamente”, tem sido responsabilizada pela morte do rei D. Carlos e do filho primogénito.

D. Duarte Pio foi recebido no Palácio Maçónico por dignitários do GOL, como o presidente do Tribunal Maçónico, o presidente da Grande Dieta e membros do Conselho da Ordem, além do grão-mestre.

Vincando a não participação da Maçonaria no regicídio, António Arnaut disse à Lusa que o actual grão-mestre do GOL, o historiador António Reis, demarcou-se da “romagem discreta” que um grupo de cidadãos realiza hoje às campas dos regicidas Manuel Buíça e Alfredo Costa, no cemitério do Alto de S. João, em Lisboa.

“A Maçonaria era contra a ditadura de João Franco e pela restauração da democracia”, precisou.

Frisando que alguns membros da Casa de Bragança pertenceram no passado à Maçonaria, Arnaut recordou, por exemplo, que o próprio visconde Ribeira Brava (avô de Isabel de Herédia, mulher de D. Duarte Pio) integrou o fracassado movimento de 28 de Janeiro de 1908, quatro dias antes do regicídio, que visava o derrube da Monarquia.

 

2. Agência Ecclesia, 10 de Janeiro de 2012:

 

O presidente da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP), D. José Policarpo, criticou hoje em Fátima a “influência direta” da Maçonaria em “coisas políticas”, mas descartou a exigência de que os políticos se assumam como maçons.

“Como políticos, se são maçons, se são católicos ou se são do Sporting, não vejo que isso tenha uma relevância muito grande”, disse o cardeal-patriarca aos jornalistas, no final da reunião do Conselho Permanente da CEP.

Para este responsável, “outra coisa" é que "a Maçonaria, enquanto tal, teve influência direta em coisas políticas; isso está mal”.

 

3. Público, 10 de Janeiro de 2012:

 

O ex-presidente da Assembleia da República Mota Amaral, que assume a sua ligação ao Opus Dei, considerou nesta terça-feira que não há motivo para se lançar uma “caça” a quem está ligado às obediências maçónicas em Portugal.

Nas declarações que fez aos jornalistas, o social-democrata e ex-presidente do Governo Regional dos Açores referiu-se a um acórdão do Tribunal Europeu dos Direitos do Homem que impediu o carácter obrigatório de os políticos declararem ligações à maçonaria.

“Quanto à questão em abstracto, acho que não é altura de lançarmos uma espécie de caça à maçonaria. Não é motivo para tanto”, respondeu.

Interrogado se considera perigosas as ligações da maçonaria à política, Mota Amaral contrapôs que “é preciso transparência”.

“Falo por mim. Pertenço ao Opus Dei há mais de 50 anos e toda a gente sabe isso. O meu ponto de partida é a transparência, é aquilo que pratico”, acrescentou.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:02


9 comentários

Sem imagem de perfil

De o corcunda a 12.01.2012 às 00:59

Primeiro o GOL não representava a Maçonaria. Mas agora o senhor Arnaut já fala por toda a Maçonaria para a ilibar de relações com o Regicídio. Vamos de argumento inválido em argumento inválido...

Este tema tem sido mal conduzido desde o início por ambos os lados. Em vez de se discutir obrigação de revelação das crenças de cada um (algo que num sistema que faz fé no sufrágio secreto, e em que apenas meia-dúzia de pessoas tem uma reflexão articulada, é ridículo), o que se deve discutir numa democracia será quais as finalidades públicas e privadas das entidades (a maçonaria, a Igreja) e em que medida estas são compatíveis com o sistema que (para mal dos nossos pecados) nos vai governando. Só depois de alguma entidade ser considerada contra o sentido público é que se poderá proceder a obrigação de revelação de pertença... As palavras do Cardeal Patriarca são (engulo em seco) pouco mais do que senso comum democrático. Algo que eu não possuo, mas compreendo em quem vive formatado no tal regime erguido por maçons que frequentam missas católicas...
Imagem de perfil

De Samuel de Paiva Pires a 12.01.2012 às 01:04

Caríssimo, não posso responder pelo Arnaut, apenas me limitei a transcrever as afirmações. Subscrevo que tudo isto tem sido mal conduzido, criando uma cortina de fumo sobre o que realmente interessava discutir, e que se encontra no domínio do Estado de Direito. Quanto ao resto, teorizar como se pode fazer o que apontas parece-me o início de uma longa discussão.


Abraço 
Imagem de perfil

De Samuel de Paiva Pires a 12.01.2012 às 01:12

P.S. : Encontrei por aí um célebre católico blogosférico a utilizar precisamente o mesmo argumento contra as acusações de pedofilia na Igreja. Diz ele que se estava a confundir práticas individuais com a instituição... pois. 
Imagem de perfil

De Nuno Castelo-Branco a 12.01.2012 às 16:55

Samuel, todo o discurso de Arnaut é satisfatório, pois adensa ainda mais a certeza que temos acerca da participação da gente do GOL no Regicídio. É claro que não vamos culpar os actuais membros por actos cometidos por outros, já mortos. De facto, essa visita real, deve ter sido de sobremaneira difícil de engolir por muita gente, mas já foi qualquer coisa, reconhecendo uma grave falta. 
Já agora, sabe-se que o processo do Regicídio está "em boas mãos" e "anda por aí". Para dissiparmos qualquer dúvida, porque não publicá-lo na íntegra? De preferência, com as fotos dos caídos em 1 de Fevereiro de 1908. Sim, aquelas fotos chocantes que querem esconder. 
Imagem de perfil

De Samuel de Paiva Pires a 12.01.2012 às 19:56

De salientar que foi o Senhor D. Duarte quem desejou ser recebido solenemente no GOL. De resto, subscrevo, que se publique.
Sem imagem de perfil

De Octávio dos Santos a 13.01.2012 às 11:38


«Foi o Senhor D. Duarte quem desejou ser recebido solenemente no GOL»?! De certeza? Então não se lê no início da notícia que foi António Arnaut a convidar o Duque de Brangança?
Imagem de perfil

De Samuel de Paiva Pires a 13.01.2012 às 11:38

Quem lhe diz que me refiro à notícia?
Sem imagem de perfil

De Pedro Sousa a 14.01.2012 às 16:53

Lendo os seus interessantes Posts e da Srª Cristina - e nomeadamente a pergunta da mesma senhora:
 "...um papel essencial, pode, em Portugal, um monárquico ser maçon", temos que nos lembrar de algumas coisas:

Bom, eu não pertenço e não sei se houve maçons ligados ao regícidio - espero que não - Deus queira que não. Leio bastante, conheci e conheço uma pessoa ligada à G.L.Regular de Portugal(Julgo que ainda lá estará), mas há muito mais para descobrir. E penso que a Maçonaria tem arquivos.

Sem ingenuidades: Talvez um dia até venha a pertencer á Regular, à condição de me aceitarem e se realmente for um lugar de estudo e iniciação esotérica e espiritual. (e não jogos de interesses ou políticos).

Agora fazer uma pergunta dessas quando durante todo o regime liberal, membros da familia Real e alguns Reis pertenceram à Maçonaria.

Quando roda a guerra civil foi uma luta Maçonaria(ligada ao "francesismo, Maçonaria britânica etc.), de que impôs o regime e Bandeira liberalista versus "catolicismo" ultramontano, colando-se este supostamente à Monarquia Tradicional, contra o Catolicismo.

D. Pedro IV, Duque de palmela, Duque da Terceira, Aguiar, Almeida Garrett, Mouzinho da Silveira, Costa Cabral( os Cabrais), Duque de Saldanha e a lista podia continuar foram maçons, ligados a lojas maçonicas, no Brasil e em Portugal.
Até um Cardial Patriarca de Lisboa o foi.

Antes, durante o absolutismo real iluminista, que "interrompeu" a monarquia tradicional, temos fontes indirectas da ligação do Marquês de Pombal em Viena e Londres(?), e um quadro no Palácio de Oeiras - chão de chadrez do Templo de Salomão, Colunas de Joaquim e Boaz (Branca e Negra nos lados), Anjo apadrinhador, e José Sebastião Carvalho e Melo abraçado aos seus dois irmãos(que foram bispo e Governador do Brasil) e com braços entrelaçados num ritual pouco comum, que não deixa margem para muitas dúvidas, num tempo em que a igreja a proíbia. Depois a Baixa Lisboeta fala por si. O Porto e outros locais também.

A Regaleira em Sintra(Sintra tem muito que se lhe diga) já é um espaço ainda mais sagrado, em que a Tradição Nacional Cristã, heterodoxa e sincrética do Divino Espírito Santo está presente com o Sebastianismo, Templarismo, Rosacrucianismo, Catolicismo(maçonicamente interpretado) e Maçonaria.

Mas há muito mais a saber.

Vale a pena ler Fernando Pessoa sim..
Sem imagem de perfil

De Pedro Sousa a 14.01.2012 às 16:57

Corrigindo.

Quando roda a guerra civil foi uma luta da Maçonaria(ligada ao "francesismo, Maçonaria britânica etc. e constitucionalismo), que impôs o regime e Bandeira liberal versus o "catolicismo" ultramontano que se coláva este supostamente à Monarquia Tradicional.

Esteve mais ligada a Maçonaria a 1820, 1822 e a 1832-1834 que a 1910.

Comentar post







Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas