Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




A lontrinha e a lambisgóia

por Nuno Castelo-Branco, em 24.01.12

Uma lontra saiu esta manhã do mar e sentou-se numa cadeira de esplanada, gozando os raios deste sol de inverno. Cena adorável.

 

Uma gordíssima lambisgóia saiu de um buraco já há mais de cem anos e instalou-se aqui mesmo à beira Atlântico, sendo até agora impossível reenviá-la á origem. Uma maçada que nos tem saído bem cara.

publicado às 23:00


11 comentários

Sem imagem de perfil

De Miguel a 25.01.2012 às 02:07

Caro Nuno Oliveira,
Peço-lhe que veja os bons e não os maus exemplos. Os bons que por sinal são tantas e tantas vezes citados  pelos... republicanos. Pegue na Bélgica, na Suécia ou no Japão. Mas não seguirei este caminho fácil. Digo-lhe antes assim "Quem impôs o quê a quem?" 
Ou "Sabe que a constituição proíbe a qualquer outra forma de governo que não seja republicana?"
Suponho que não. Assim como partirei do princípio que não consiga compreender que vive num país que não pode falar em legitimidade, a não ser que ache legítimo matar para chegar ao poder. Repare que nem Bélgica, nem Suécia, nem a maior parte dos países monárquicos se vendem com a facilidade com que vê Portugal vendido. Pegue na Holanda também. Repare que na maioria são países com menos população que Portugal, perdão do que a república portuguesa, Portugal já não existe, mas isso não sabia, certo?
Mas fala de liberdade... que é diferente de libertinagem! A primeira medida foi pôr uma prostituta a representar a república de tão vendida que é! Mas escolha uma pessoa para presidente. Este último teve "maioria" (entenda-se, menos de 1/5 da população votante) mas bastava-lhe um voto, nem que fosse o dele, desde que os outros não votassem! Como "quase" não há mortos a votar nesta respública... tem também a liberdade de fazer aquilo que o partido ou o grupo que mais dinheiro lá meteu disser, senão.... enfim! Fica o desabafo!
Sem imagem de perfil

De Nuno Oliveira a 25.01.2012 às 02:57

Caro Miguel,
Nem a Bélgica nem a Holanda nem a Suécia são países livres. Pertencem a uma União Europeia que tem um Presidente não eleito pelo povo e que produz a maioria da legislação actual. O que quer dizer, penso eu, é que se vive melhor nesses países porque os seus povos optaram por serem mais competitivos, palavra muito em voga. Mas a Bélgica, por exemplo, está na calha para ser resgatada. Como serão 60% dos países até 2050, segundo um artigo que li há uns anos. Estão todos endividados. Aquilo que estou a tentar explicar é que não faz diferença ser uma monarquia ou não. A constituição pode ser mudada se reunir representantes suficientes para o fazer. Não é grave. O problema é que as pessoas não sabem o poder que têm. A maioria são ignorantes. Os gregos, nesse aspecto, dão nos verdadeiras lições. Os ingleses também o fazem. Assim como os "odiados" espanhóis. Mas há uma coisa que é certa. Se o rei que apanhar for mau, você não tem legitimidade para o trocar numa monarquia. Há necessidades muito mais prementes nesta sociedade que se resolvem independentemente de sermos república ou monarquia. Eu compreendo o seu desabafo. Mas há muito que se pode fazer para impedir a influência do poder económico, haja pessoas suficientemente atentas e conhecedoras na verdadeira realidade.  Não se impede a influência do compadrio só porque se tem um rei...
Quanto a legitimidade, quem é que a deu ao primeiro rei? O Papa? Não aceito a autoridade de alguém sem significado para mim. Quanto à prostituta, é trabalhadora da profissão mais antiga e, para mim, uma como outra qualquer. Nem mais nem menos que um rei.

Comentar post







Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas