Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




MANIFESTO: INSTAURAR A DEMOCRACIA, RESTAURAR A MONARQUIA

por Pedro Quartin Graça, em 01.02.12

 

Vivemos dias dificeis. Todos o sabemos. Mas isso não serve nem chega. Se a  resignação é inútil,  a indignação sem objectivo não é um valor em si. É tempo de fazer. É tempo de escolher como fazer.

 

Fazer o diagnóstico das nossas fraquezas é fácil e não é mais do que reiterar o óbvio ululante. Dar uma esperança real é o mais dificil: perante o preocupante enfraquecer das estruturas democráticas; a visível delapidação dos valores morais na política; o estado caótico da nossa justiça e a sua aparente dependência das mais diversas forças de influência; e finalmente (e provavelmente o mais importante) uma ameaça de perda de soberania - os portugueses não têm razões para confiar no seu futuro.

 

Nós, cidadãos portugueses, com as mesmas preocupações com que todos vivemos, queremos dizer: há alternativa. Há soluções que contêm valores.  É isso que nos une. É isso que nos move. É isso que propomos.

 

Perante um regime em liberdade mas em que a verdadeira democracia está ausente, torna-se urgente uma chefia de Estado independente e supra-partidária. Isto só pode ser garantido, zelado e velado por um chefe de Estado eleito pela história. Alguém que, ao olhar para trás, perceba as pegadas históricas e que nos diga de onde viemos. Alguém que, ao olhar para a frente, veja uma continuidade e não uma ruptura episódica, ditada por interesses partidários presos apenas ao espírito do tempo. Alguém que una e não exclua. Um Chefe de Estado que esteja ao serviço da Nação e que não se sirva dela. Portugal precisa de uma Monarquia. Portugal precisa de um Rei.

 

Nós, democratas de sempre, apelamos a uma séria discussão em torno da nossa chefia de Estado. Apelamos a que exista uma mobilização da sociedade civil em torno do debate sobre o regime que, há uma centena de anos, foi imposto ao nosso povo pela lei das armas e precedido de um grave homicídio, que nunca foi julgado. Democratas de sempre, não aceitamos que uma chefia de Estado se legitime na espuma de dogmas passados e vontades impostas, em que ao povo português continue a ser negada a possibilidade de escolher um futuro possível e digno.   A razão democrática e a justiça histórica abona a favor dos nossos príncipios. Da nossa verdade.

 

Acreditamos que o Senhor D. Duarte de Bragança - único e legítimo pretendente ao trono português - poderá dignificar a chefia de Estado portuguesa. Pela história que representa e que nos une. Pela liberdade que garante a ausência total de facturas a qualquer eleitorado ou clientela.  

 

Nós, mulheres e homens livres, empenhados cidadãos portugueses, das mais diversas tendências políticas e partidárias, com os mais diversos credos religiosos, decidimos dar mais este passo para que esta esperança se realize. Acreditar que temos uma agenda ideológica seria negar a independência que nos junta em torno de uma chefia de Estado. Que  nos une pela diversidade e não pela opinião política. A política é uma coisa, o Rei é outra. Esta é a questão.

 

Portugal só poderá ser universal se as instituições mantiverem a credibilidade histórica.

 

Nós, monárquicos, portugueses e  democratas de sempre não desistimos de Portugal.  

 

Assinam:

 

Gonçalo Ribeiro Telles

Abel Silva Mota (advogado)

Aline Gallasch-Hall (docente universitária)

Ana Firmo Ferreira (publicitária)

António Pinto Coelho (empresário)

Filipe Ribeiro de Menezes (historiador)

João Gomes de Almeida (publicitário)

Ivan Roque Duarte (jurista)

Luís Coimbra (engenheiro)

Maria João Quintans (paleógrafa)

Miguel Esteves Cardoso (escritor e cronista)

Nuno Miguel Guedes (jornalista)

Paulo Tavares Cadete (gestor)

Pedro Ayres Magalhães (músico)

Pedro Ferreira da Costa (publicitário)

Pedro Policarpo (economista)

Pedro Quartin Graça (professor universitário)

Ricardo Gomes da Silva (empresário)

 

E-mail: restauraramonarquia@gmail.com

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:29


36 comentários

Sem imagem de perfil

De Miguel Isidoro a 01.02.2012 às 19:05


Exmos. Srs., muito boa noite.

Respeitando a opinião de todos os participantes, direi apenas que:

Dei por mim a pensar em Portugal "pós- monarquia" e ... apenas me apeteceu chorar!

Cordiais cumprimentos

Miguel Isidoro
Sem imagem de perfil

De Monárquico da linha Nuno Câmara Pereira a 01.02.2012 às 21:22

Sobre quem tem ou não legitimidade para reclamar o trono de Portugal, Dom Duarte ou o Duque de Loulé, é fundamental ouvir Nuno da Câmara Pereira, ex lider do PPM e um dos mais destacados  e prestigiados monárquicos portugueses:

http://www.youtube.com/watch?v=v3NawoEut7I
Sem imagem de perfil

De C. a 01.02.2012 às 21:29

«Acreditamos que o Senhor D. Duarte de Bragança - único e legítimo pretendente ao trono português - poderá dignificar a chefia de Estado portuguesa.»

Eles acreditam e farão bem. Depois da ida à Síria e dos dislates proferidos sobre o acordo ortográfico, eu não acredito.
Sem imagem de perfil

De António Lemos Soares a 02.02.2012 às 16:13


O problema que se coloca não é de conteúdo mas
de forma.

Penso não haver alguém que questione que o conteúdo do regime político deva ser democrático. Quanto à forma do regime ela pode ser monárquica ou republicana.

Eu sou favorável à monarquia.

Sem imagem de perfil

De Sólon a 08.02.2012 às 04:23

Sinto-me monárquico, cada vez mais, quanto mais vejo a pocilga em que o País se transformou, a queda ao abismo de valores morais e tradicionais, a corrupção que continua a alastrar, a falta de coragem dos governantes actuais para impor um sistema justo de tributação fiscal, sendo que a classe média - sustentáculo do País - continua a ser vilmente perseguida, o que levará ao descalabro total.
Estes políticos da treta não representam ninguém, apenas os seus correligionários. Não têm o sentido da PÁTRIA.
Por isso, apoio o movimento que pretende restaurar a MONARQUIA, ínsita dos valores atávicos, perenes, imorredoiros, de um Povo, de uma Nação. Só a Monarquia pode voltar a fazer renascer Portugal.
Mas a restauração monárquica, a acontecer, terá de ser acompanhada de uma profunda alteração do regime de governação, com o afastamento de partidos políticos que sejam dominados por ideologias contrárias à Pátria, ou que estejam sujeitos a ideologias comunistas/socialistas, perversas.
Só com a erradicação destas forças diabólicas é que a Monarquia poderá ter algum êxito.
Sem imagem de perfil

De Isabel M. S. S. Q. Ribeiro a 10.11.2015 às 16:42

Assinado e enviado para o mail!

Comentar post


Pág. 2/2







Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas