Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




A História politicamente incorrecta do Brasil

por João Quaresma, em 21.03.12

A propósito do post da Cristina Ribeiro, coloco o vídeo de uma entrevista a Leandro Narloch, o autor do 'Guia Politicamente Incorreto da História do Brasil', livro que lançou uma grande polémica sobre a forma como a História tem sido ensinada nas escolas e universidades brasileiras. O autor desmente muitos dos mitos que fazem parte da História oficial, a começar por aqueles que menorizam e atribuem sempre um carácter negativo em relação aos Portugueses e à contribuição portuguesa para aquilo que é o Brasil. O livro, que é o número um de vendas há mais de dois anos, tem sido uma verdadeira pedrada no charco e tem servido para mudar a perspectiva sobre Portugal, fazendo justiça ao muito de positivo que de nós o Brasil herdou.

 

O 'Guia Politicamente Incorreto da História do Brasil' foi lançado em Portugal no ano passado mas nem assim tem merecido muita atenção por cá.

 

publicado às 00:25


3 comentários

Sem imagem de perfil

De Tiago C a 21.03.2012 às 12:15

D. João VI para o bem ou para o mal é uma personagem central da história do Brasil. Reinou durante um dos períodos mais difíceis e complicados da história europeia para as monarquias. Numa época em que vários reis foram destituídos e mesmo executados,
o Rei português conseguiu manter o seu trono e morrer a reinar em 1826.

É descrito, pela maioria dos historiadores, como uma pessoa sem perfil para desempenhar a tarefa para a qual foi investido. Indeciso, preguiçoso até para pensar, era para ele um fardo ter que tomar decisões tão importantes como as que tomou. Nas suas memórias Napoleão Bonaparte refere-se a ele como o único que o enganou.  

Foi de facto uma personagem essencial tanto para o Brasil como para Portugal. As suas decisões políticas, de sua inteira lavra ou não, contribuíram, de modo decisivo, para, no caso do Brasil, se tornar um país independente e no caso de Portugal sair do absolutismo e entrar definitivamente no caminho da monarquia constitucional.

Foi muito contrariado que em 1807 decidiu embarcar e ir para o Brasil, e foi também com esse sentimento que em Julho de 1821 tomou a decisão de regressar a Portugal.
Nos anos que permaneceu no Brasil adaptou-se à sua nova realidade e soube dela tirar o melhor proveito. Fica para a história como o único soberano europeu que foi coroado na América do Sul.
 

Podemos concluir que a decisão tomada pelo Príncipe Regente foi a mais acertada para Portugal e, sobretudo, para o Brasil, que ganhou com a estada da Família Real portuguesa e da Corte, criando os alicerces para a independência, proclamada com o Grito de Ipiranga pelo Príncipe D. Pedro, futuro imperador do Brasil, em 1821.



 



 
Imagem de perfil

De João Quaresma a 21.03.2012 às 14:06

Totalmente de acordo. Infelizmente a ideia que prevalece internacionalmente é que nós nos limitámos a explorar todas as terras por onde passámos, e essa "doutrina" historiográfica é também frequente por cá, por razões às vezes semelhantes às citadas Leandro Narloch. Por isso é importante não nos calarmos e desmentirmos sempre essa difamação de nós e da nossa História. 
Imagem de perfil

De João Quaresma a 21.03.2012 às 14:09

E obrigado pelo interessante comentário, Tiago C. Cordialmente, JQ

Comentar post







Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas