Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Um robalo no jornal

por Fernando Melro dos Santos, em 26.11.14

 

 

publicado às 11:25

A Woman under the Influence

por Fernando Melro dos Santos, em 26.11.14

 

publicado às 11:22

Alice atrás do Espelho

por Fernando Melro dos Santos, em 26.11.14

Uma notícia n'O Observador começa assim:

 

A prisão de Sócrates é “rocambolesca e provocatória”, acusa o PCTP/MRPP

 

E depois diz

 

O partido de inspiração maoista acusou a justiça portuguesa e os órgãos judiciais de estarem a protagonizar um "verdadeiro golpe de Estado (...) que visa diretamente os partidos à esquerda do PSD".

 

O que eu leio: um partido de inspiração rocambolesca e provocatória, cuja eventual governação seria uma sucessão de golpes de Estado, acusa socialistas moderados de conspirarem contra socialistas menos moderados. 

 

A ver se chego ao Natal sem dar cabo da bexiga.

 

publicado às 11:18

Jaws

por Fernando Melro dos Santos, em 26.11.14

Robalos, indigestões e a apanha do bivalve na óptica do fiscalista.

 

Incultura financeira.

 

Mulher do advogado de Sócrates pode ser fã de Ferro Rodrigues.

 

 

publicado às 10:17

The Prisoner

por Fernando Melro dos Santos, em 26.11.14

Número 44, pare de queixar-se da temperatura da água. Já lhe dissemos vezes sem conta que os portugueses sabem bem o que é melhor para si.

 

 

publicado às 09:56

Leitura recomendada

por Fernando Melro dos Santos, em 25.11.14

É isto.

publicado às 16:26

Jornalismo Unipolar

por Fernando Melro dos Santos, em 25.11.14

 

publicado às 15:52

The Nightmare Before Christmas

por Fernando Melro dos Santos, em 25.11.14

 

Basta ver os comentários, no site do Público, ao excelente artigo de João Miguel Tavares, para perceber quanto o pânico e a insídia recrudesceram na horda socrática.

 

Ao chamar a isto o pior desde o PREC, peca o cronista por ser macio no trato.

 

O Partido Socialista e a tentacular formatação por este conseguida sobre três gerações de portugueses é o pior desde que há memória. Um case study, que a ser bem preservado e disseminado, dará para milénios de dissertação.

 

Qualquer jornal, rádio ou televisão que dê voz, pagando-lhes ou não, a ofuscadores da opinião pública, a partir deste momento, deveria ser tida por conivente com os arguidos da Operação Marquês. 

 

publicado às 14:10

PS versus SENTIMENTO NACIONAL

por Manuel Sousa Dias, em 25.11.14

O PS e a sua indignação corporativa contra a prisão de Sócrates, fora as excitações habituais, faz "damage control" para salvar a honra do convento e estancar a hemorragia que coloca em causa a eleição de António Costa no próximo ano. Mas desenganem-se os socialistas que, de uma vez por todas, deviam fazer contas com o seu passado em vez de - em vão - tentarem tornar a prisão de Sócrates uma injustiça. O PS devia sentir o pulso do povo. O povo não quer Sócrates preso: quer justiça. E quer justiça feita pela justiça, sem a intervenção da política e sem intervenção dos media. Quer justiça. Ponto. O povo está contente. Pela primeira vez alguém verdadeiramente poderoso vai estar sentado no banco dos réus. É uma espécie de orgulho, sente-se quase nórdico. Uma gota de orgulho num mar de vergonha por termos um ex-primeiro ministro preventivamente atrás das grades. E quem não perceber isto...

publicado às 14:07

Efeméride

por Fernando Melro dos Santos, em 25.11.14

 

publicado às 13:33

10.000€, em notas usadas, claro!!

por Manuel Sousa Dias, em 25.11.14

Vamos esquecer que para o PS, interesses ligados ao PS e todos os que detestam Passos Coelho eram favas contadas António Costa como próximo primeiro-ministro. Fomos governados por um personagem com um motorista chamado João Perna que lhe entregava regularmente dinheiro em malas para as suas despesas diárias.

publicado às 12:28

Alien Resurrection

por Fernando Melro dos Santos, em 25.11.14

No forum TSF parece que alguem enfiou um tição com dez metros no ninho da colónia socrática. Tresanda a pavor e à ureia dos que mamaram.

 


Cavaco tem de falar hoje. Se falar manso como a tia de Louçã, confirmar-se-á que o caso das escutas tem de ser debulhado até às últimas consequências. Se falar brioso continuaremos a gostar de adágios populares.

 

Está morto o caso? Exume-se. Nada disto é suspeito? Foi a sepultar solteiro?

 

Sublinhe-se que o «DN» publicou um  artigo referindo que um’E-mail’ denunciou que Fernando Lima, assessor de Cavaco, entregou ao ‘Público’ um ‘dossier’ sobre as suspeitas de espionagem do Governo de José Sócrates.

As suspeitas de escutas por parte do gabinete do primeiro-ministro à Presidência da República foram levantadas por Fernando Lima, assessor de imprensa e homem de confiança de Cavaco Silva. Lima terá, segundo documentos  a que o jornal teve acesso, procurado o jornalista do Público, Luciano Alvarez, segundo este último, em nome do próprio Presidente.

 

Recordo que a 18 de Setembro, o Diário de Notícias afirma que Fernando Lima teria sido a fonte do Público, na sua manchete de Agosto, segundo a qual Cavaco Silva suspeitava estar a ser espiado pelo Governo.

O DN transcrevia um alegado e-mail trocado entre dois jornalistas do Público – Luciano Alvarez e o correspondente do jornal na Madeira, Tolentino da Nóbrega – com instruções para seguir pistas fornecidas pelo então assessor de imprensa do Presidente da República, quanto a essa suspeita, supostamente por ordem directa de Cavaco Silva.

“Foi então que surgiu num diário concorrente do Público a publicação de um estranho e-mail – resta saber por que caminho terá ele chegado – tão estranho que não deveria ter suscitado mais do que um impulso de rejeição enojada por parte de todos os profissionais de jornalismo e actores políticos”, refere Fernando Lima.

 

 

publicado às 11:36

Primeiro-ministro, primeiro inédito

por John Wolf, em 25.11.14

prison-bars

 

Os primeiros passos são sempre os mais difíceis, mas ontem vivemos um dia histórico na Democracia portuguesa. Para que fique esclarecido preventivamente, não concedo tratamento diferenciado a qualquer um dos partidos que polvilha o espectro político de Portugal. Desta vez o corrupto vestia uma camisola rosa. Da próxima vez a malha pode ser outra. Não interessa. O que importa é que o país se possa ver livre destes anticorpos que têm causado tanto dano ao país. Primeira nota a reter. Se o Partido Socialista tiver um pingo de dignidade, deve, de um modo institucional, pedir desculpa aos portugueses. Foi essa casa de valores éticos e morais que forneceu aquele lider. Foi naquele partido que determinadas condições permitiram a ascensão de alguém com uma agenda contrária ao interesse nacional. Era suposto ser precisamente o oposto - a promoção de candidatos com um genuíno sentido de abnegação. Depois de anos de clamor pela ineficácia do sistema de Justiça em Portugal, o mesmo funcionou com pertinência e com sentido de reserva. O segredo de justiça, invocado pelas "primas da dona" de Portugal, existe mesmo. Se a escrivã não dissertou sobre os fundamentos das medidas de coacção devemos pensar porquê. A investigação em curso não termina com Sócrates. Certamente outros serão detidos. Deixem o sistema funcionar e deixem de ser o circo que acusam as televisões de ser. Mas a comunicação social também tem pontas soltas. Foi verdadeiramente deplorável escutar a antena da SIC Notícias. José Sócrates mexe-se bem. Afinal tem mais do que um advogado de defesa. O Dr. Araújo será coadjuvado, no recurso à medida de coacção, pelo Sr. Sousa Tavares e pela Sra. D. Clara Ferreira Alves - ambos filhos do regime, que agora começa a desmoronar de um modo expressivo. Os dois analistas nacionais devem ser considerados traidores da objectividade analítica, marionetas de um esquema ardiloso patrocinado pela SIC. O que está em causa é muito maior do que as miudezas dos modos policiais, o aparato ou falta de decoro na detenção do ex-primeiro ministro. Não nos deixemos distrair com a hipocrisia, os direitos humanos de que falam, como se Portugal fosse perfeitamente civilizado. Ainda existe um traçado a percorrer, mas Portugal não deve atravessar-se no seu próprio caminho. Venham de lá mais inéditos.

publicado às 08:43

O Caso Marquês

por Nuno Castelo-Branco, em 25.11.14

ar36a_thumb.jpg

 

Demitido, despachado para a Vila de Pombal e sentado diante de inquiridores, eis o precedente mais conhecido, mas estranhamente olvidado por Moita Flores, Soares e tantos outros surpreendidos. Como parece evidente, dada a inesquecível dimensão do genial estadista agora em causa,  o Processo do Marquês de Pombal não passa de uma nota marginal na nossa longa história.

 

Bem podem os distraídos visitar as Caldas e de lá trazerem uma recordação, Sugere-se a compra de  um postal no Museu Malhoa. 

publicado às 08:22

Prisão preventiva, what else?

por John Wolf, em 24.11.14

 

socrates_Orlando_Almeida_Global_Noticias

 

PRISÃO PREVENTIVA, WHAT ELSE?

publicado às 22:33

Nada como gente que veste a camisola

por João Quaresma, em 24.11.14

De Constança Cunha e Sá à Bastonária da Ordem dos Advogados, entre os comentadores muito críticos da actuação da Justiça em relação ao «Senhor Engenheiro José Sócrates», não faltam camisas e gravatas rosas.

publicado às 19:19

Deathwish

por Fernando Melro dos Santos, em 24.11.14

 

publicado às 16:01

Do Portugal Profundo

por Fernando Melro dos Santos, em 24.11.14

António Balbino Caldeira lapidar. 

 

Não conhecendo senão o que vem nos jornais, e portanto sem saber o que foi investigado e conseguido, creio que devo contribuir referir alguns factos para investigação sobre José Sócrates:

  1. Apurar a aquisição das valiosas obras de arte que José Sócrates possui. Se for provada a origem ilegal dos fundos e do património, apreender a sua coleção de arte, com urgência.
  2. Apurar a sua intervenção nos casos da venda da Vivo e de compra da Oi, no Brasil. O saldo na venda da participação da PT de 30% da Vivo, entre o veto de Sócrates ao negócio, usando a golden share do Estado, em 30 de junho de 2010, e a sua permissão, 28 dias depois, é de 350 milhões de euros (7.500.000.000 - 7.150.000.000 = 350.000.000). Também a compra da Vivo suscitou dúvidas em Portugal e no Brasil.
  3. Apurar a sua intervenção na centena de parcerias público-privadas, além dos negócios feitos com o grupo Lena em Portugal e no estrangeiro (Venezuela).
  4. Apurar o papel de Sócrates, se existiu, na tomada do BCP pelos seus amigos, nomeadamente Armando Vara, com a concessão pela Caixa Geral de Depósitos a Joe Berardo de 500 milhões para aquisição de ações do banco (decidida por administradores da Caixa que meses depois transitaram para... a administração do BCP).
  5. Apurar o relacionamento de José Sócrates com o grupo Espírito Santo, referido, pelo CM, de 21-10-2012, nomeadamente Ricardo Salgado, atendendo a uma conversa do ex-primeiro-ministro com José Maria Ricciardi do grupo BES, numa conversa em que se tratam por tu (!), Sócrates lhe diz que não consegue falar com Ricardo (Salgado) e lhe pede que «não se esquecessem do amigo que está em Paris». 
  6. Apurar a sua intervenção, se houve, na alteração do Regulamento do Parque Natural da Arrábida que determinou a modificação do regime de exploração das pedreiras de cimento da Secil no Outão, em 23-8-2005.
  7. A utilização dos cartões de pagamento do Tesouro (Visa IGCP Carge Card), não apenas os usados pelo chefe de gabinete e pelo assessor administrativo de Sócrates, mas também pelos ministros, secretários de Estado e membros dos seus gabinetes, dos seus governos, complafonds muito elevados, um processo por queixa da Associação Sindical de Juízes Portugueses, liderada pelo juiz António Martins, emfevereiro/março de 2012, que aparentava estar parado no DIAP e que só em junho de 2014 foi noticiado algum avanço.
  8. Apurar a sua intervenção, se alguma, na venda de títulos de dívida pública pelo IGCP (de Alberto Soares), na época de subida da taxa de juro portuguesa, que culminou no pedido de resgate financeiro do País à União Europeia e FMI, feito por José Sócrates em 6-4-2011.
  9. Apurar a regularidade da sua inscrição no mestrado em Ciência Política na Sciences-Po, e a validade do título se vier a ser decretada a nulidade da sua licenciatura, e como foi elaborado o seu mémoire, escrito em francês (!) ou em português com tradução para francês, e se contou com a ajuda de alguns nègres conhecidos, ou não. 
  10. O seu controlo, a sua tutela e a sua orientação, dos serviços de informação do Estado que procederam a ações claramente ilegais de perseguição de cidadãos inocentes durante os seus anos de poder e que continuaram aliás depois disso, através das suas toupeiras.


Nestes factos, como no caso em inquérito e noutros, importa apurar a verdade. Se Sócrates nada fez, melhor para ele; se infrigiu a lei que cumpra o que for determinado. Não se trata de vingança - a qual não pratico, nem aceito. Trata-se de justiça e de sanção pedagógica para a limpeza do Estado. Justifica-se que fique em prisão preventiva, tendo em conta a gravidade dos factos e, para lá do alarme social de que os média dão conta, a forma como se moveu relativamente à investigação.

publicado às 02:48

O Monstro da Lagoa Negra

por Fernando Melro dos Santos, em 23.11.14

 

Sócrates continua a aparecer rindo, como se nada houvesse fora do hipercubo sociopolítico onde a sua mente se movimenta.

 

Das duas uma: tratar-se-á de um psicopata em último grau, com um encéfalo inumano; ou de um quadro superior de alguma ordem ou seita perdida na noite da História, condicionado para ser invencível neste teatro.

 

Quando quebrar, vai ser de vez, e arrastará o regime. 

publicado às 22:13

Redux

por Fernando Melro dos Santos, em 23.11.14

Há dezoito meses escrevi isto.

publicado às 16:29







Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas


    subscrever feeds