Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Lisboa

por João Almeida Amaral, em 25.06.15

iphone joao 059.JPG

 Lisboa cidade antiga.

Talvez a segunda mais velha cidade da Europa , logo a seguir a Atenas.

Uma cidade pequena, embelezada pelo calcário e enquadrada pelo Tejo.

Não sei ao certo, mas terá uma população residente na casa dos 500.000 habitantes e uma população visitante de cerca de 1.000.000 de pessoas.

Nasci em Lisboa há cinquenta e três anos e tenho acompanhado o seu crescimento. Ainda me lembro de Lisboa quase sem semáforos , com apenas alguns exemplares muito modernos na época que para além de serem as riscas brancas e pretas eram manuais. Havia um polícia sinaleiro (figura quase extinta) que os comandava. 

Os pisos eram maioritariamente de calçada preta que era muito escorregadia nos dias de chuva e misturar a calçada com carris de eléctricos era o pesadelo de qualquer condutor de automóvel ou de motorizada, sim havia muito poucas motos , basicamente eram bicicletas e bicicletas-motorizadas (já extintas).

Os edifícios sempre muito cuidados e as ruas exemplarmente limpas (contrastava com o Porto que na época era muito sujo) cantava-se ate " ..cheira bem cheira a Lisboa..."

Pois é sobre isto que resolvi escrever. 

Lisboa está imunda 

Lisboa está esburacada

Lisboa está a deriva

Lisboa cheira mal

E pior, ninguém comanda a cidade

Para quem como eu se desloca de mota os buracos fazem me correr risco de vida, são assustadores e podem gerar grandes acidentes .

Quem visita a cidade enoja-se com o cheiro a mijo e com o lixo que não é recolhido mesmo nos locais que fazem parte dos circuitos turísticos. 

O miúdo que aparece como presidente da Câmara do qual não me lembro do nome , o que é natural pois nunca se candidatou ao cargo nem foi eleito para o exercer, não deve morar na cidade e mostra um desconhecimento profundo.

Socorro temos que arranjar uma gestão para esta cidade maravilhosa. 

Que pena neste momento em que Lisboa está a ser descoberta pelo Turismo não ha quem a comande.

publicado às 12:55

A Grécia ou vai ou racha

por John Wolf, em 25.06.15

images.jpg

 

Enquanto as casas de apostas e câmbios do Bloco de Esquerda, Livre, Partido Socialista, Partido Social-Democrata, Governo e afins, se posicionam ideologicamente para o desfecho-não desfecho-desfecho da situação grega, devemos aproveitar as precipitações de Catarina Martins e a excessiva cautela de António Costa para retirar algumas ilações sobre o quadro helénico. A saber; a Grécia aderiu ao Euro em 2001, mas acabou por revelar em 2004 que havia aldrabado as contas do défice orçamental para passar no teste de adesão à moeda única. Ou seja, começou mal. Depois embandeiraram em arco e gastaram 7 mil milhões de euros para pôr de pé os Jogos Olímpicos comemorativos - vá-se lá saber que valores foram desviados para amigos e compadres. Mas vamos avançar até 2010, antes da crise estoirar, para confirmar que foi o governo daquele momento que implementou as primeiras medidas de austeridade. Ou seja, o mito urbano de que a Troika foi o único papão da Grécia é falso. Os próprios gregos já davam conta de sérios problemas e decidiram tomar as suas próprias medidas fiscais. Em 2011 a Grécia recebe ajuda externa na ordem dos 150 mil milhões de euros e subsequentemente viu a sua dívida ser desbastada na ordem dos 50%. Por outras palavras - aquele país já recebeu ajuda substancial e mesmo assim não foi capaz de reorganizar a sua casa. A verdade deve ser dita e as falsidades rejeitadas. A Grécia já foi ajudada vezes sem conta ao longo da sua história, mas parece sempre ter o mesmo destino de negação e incapacidade. Mas existe ainda outra dimensão, uma externalidade que não deve ser afastada das nossas preocupações civilizacionais. A casa de penhoras Jogos Olímpicos, sempre que visita países não  desenvolvidos ou emergentes, deixa uma rasto de incerteza, corrupção e bancarrota. Tudo em nome de uma certa vaidade do Estado organizador. E o mesmo se passa com a FIFA e os seus maravilhosos campeonatos do mundo de futebol. Veja-se o caso do Brasil, onde juraram a pés juntos que o mundial iria despoletar um processo de desenvolvimento económico e social mesmo ao lado dos esplendorosos estádios de futebol. Não sei que jogo a União Europeia vai decidir, mas aposto que o tabuleiro de decisões irá acarretar consequências para toda a Zona Euro. Ou seja, um espectáculo qualquer irá ser montado para demonstrar que está tudo bem e que decididamente caminhamos para bingo. Do modo como as negociações entre a Grécia e a Troika decorrem, podem atirar uma moeda ao ar. Ninguém sabe qual será o desfecho. E decididamente alguém sabe tudo, mas não quer dizer.

publicado às 11:43

#bluelivesmatter

por Fernando Melro dos Santos, em 25.06.15

 

publicado às 08:37

Da qualidade do eleitorado, ou comei brioches

por Fernando Melro dos Santos, em 24.06.15

 

  • Rui Ribeiro · · Comentador principal · Iscap
    Aqui vai novamente o que foi censurado:
    Resta saber quem comprou este jornalista que escreve semelhante coisa. É claro e evidente que esta noticia tem como nítido objetivo prejudicar o PS e beneficiar a coligação de direita. O PS ainda não ganhou eleições e este jornalista que só pode ter sido comprado para escrever semelhante disparate fala em bancarrota… passados apenas 2 meses das eleições. Esta noticia não tem nenhuma mas mesmo nenhuma credibilidade. Os informadores são os mesmos do costume que estão a agarrados ao poder como as lapas estão agarradas às rochas . Portugueses não se deixem enganar e ou influenciar por noticias encomendadas pelo poder português.
     
     
  • Alex Sampaio · · Comentador principal · Farmacêutico na empresa Farmácia Cruz Ferreira, Lda
    Mas quem são estes americanos para opinar sobre a vida democrática portuguesa?
     
     
  • Jorge Reis · Comentador principal · Escola Secundária Emídio Navarro
    Essa é boa seu Mathew!!! Não tendo nada a ver com o PS (lagarto,lagarto,vai de retro satanás) mas, o problema é se o PS ganhar as eleições??? Com franqueza, ou isto está mesmo mal e, não tenho dúvidas que está, ou então só está mal ou não, conforme quem esteja no governo!!! Cabecinha pensadoraaa!!! Então e lá pelos states não é preciso "tratar" de nada??? Qual a tua opinião sobre a porcaria que por lá têm feito e porque começou lá esta macacada toda, segundo as más línguas??? Ah já sei, ainda não eras nascido!!! E se dissesses que é preciso começarmos cá por organizar, estruturar e/ou limpar a profissionalização dos políticos, as benesses/mordomias que eles se auto atribuíram como por exemplo as reformas vitalícias ou com outro nome, alicerçadas em tempos ridículos de serviço/funções e com idades de imberbes??? Ah já sei, isso não,vamos deixá-los governar-se coitados que também têm direito à vida!!! Bem, é melhor parar por aqui se não, isto nunca mais acaba!!! Compatriotas, não podemos continuar a deixar-nos enganar por estas e outras opiniões, olhemos à nossa volta e vejamos que está a emergir o PURP-Partido Unido dos Reformados e Pensionistas que apesar do nome está aberto a toda a gente de boa vontade e, com os vossos votos, talvez consigamos mudar este triste rumo que os iluminados desgovernantes nos traçaram!!!

 

publicado às 15:35

Moneyball

por Fernando Melro dos Santos, em 24.06.15

Alguém acordou agora.

publicado às 15:05

Petition this

por Fernando Melro dos Santos, em 24.06.15

 

publicado às 09:47

Das redes sociais, voz da populaça

por Fernando Melro dos Santos, em 23.06.15

É impressionante a quantidade de imberbes néscios, nascidos há 30 e poucos anos, que acusam quem deles discorda de ignorar a História, como se esta se resumisse a uma tíbia versão daquilo que transcorreu entre o nascimento dessa tribo que cheira a fraldário e o momento presente.

publicado às 16:33

Asinus asinum fricat (4)

por Fernando Melro dos Santos, em 23.06.15

Nulidade facciosa ungida com prémio inspirado em líder racista.

publicado às 16:26

Kyrie Eleison

por Fernando Melro dos Santos, em 23.06.15

Quer no caso A (sem acordo, regresso ao dracma, caos social perante o fim da ilusão euroconsumista) quer no caso B (desvelar apressado de todas contingências planeadas pelo Syriza) o futuro político, para a Grécia, é claro. 

 

Desfeito o Syriza em bloquinhos mais simples, resta perpetuar o ciclo da vida. 

 

Na cruz.

 

 

 

 

 

 

publicado às 16:04

Teoria da negociação

por Samuel de Paiva Pires, em 23.06.15

Bernardo Pires de Lima, Ser ou não ser a Grécia:

O acompanhamento ao minuto que a administração Obama tem feito da crise grega mostra bem a intranquilidade política que o dia seguinte ao grexit levanta. Por outras palavras, Atenas está a fazer tudo para dramatizar os efeitos políticos na Europa, de forma a flexibilizar os termos da negociação financeira. Sem ter percebido, Passos Coelho avalizou ontem esta estratégia quando sublinhou, precisamente, os perigos do "contágio político". Se não somos a Grécia, parecemos.

publicado às 10:55

A vitória dos neo-liberais gregos

por John Wolf, em 23.06.15

article-0-0A3D32D1000005DC-754_964x641.jpg

 

O governo de Tsipras, em nome da Grécia e do seu povo, não pode cantar vitória. A conclusão de um acordo com os credores não passa de um adiamento de uma falência inevitável. Por outras palavras, trata-se apenas de  política assente no oportunismo e na vantagem limitada. Quanto custarão seis meses de alívio e a falsa sensação de segurança económica e financeira? O futuro dirá de um modo avassalador. O fôlego ganho pela Esquerda vai depender de uma botija fornecida pelo sistema financeiro que tanto foi atacado. Serão os neo-liberais e todas as instituições que gravitam em torno de um sistema financeiro hiperbolizado que terão o domínio da situação e da submissão dissimulada por aparentes sucessos. A política é uma fonte inesgotável de ironias. Serão as instituições financeiras capitalistas assentes na usura e na exploração que irão lançar uma linha de vida aos gregos. Os helenos não seguem o caminho da autonomia política e económica. Acorrentam-se ainda mais aos credores que tanto quiseram sacudir. A falsa dictomia lançada entre a alegada Esquerda e a Direita não passa disso mesmo. Um espectáculo cinicamente apaziguador de ânimos exaltados, diálogos sem expressão genuína, a prospectiva alteração de paradigma adiada até ao próximo pânico. A Europa será fiel a si. A União Europeia enverga a camisola amarela, distribui prémios aos perdedores e reclama para si o estatuto de entidade civilizadora. Os especuladores por esse mundo fora agradecem as benesses dadas pelos políticos. As bolsas disparam, os títulos valorizam, e existe dinheiro sério à mercê do peixe graúdo. Amanhã espero que aqueles que se encontram na fila apresentem também as suas senhas e listas de exigências. Espanha, Itália e Portugal podem ir ensaiando as linhas teimosas de argumentação hegeliana, para atingir a kantiga da paz perpétua que a Grécia afirma alcançar. Deus tende piedade de nós. A tempestade vai ser violenta.

publicado às 10:34

Esvaziamento dos cofres (1)

por Fernando Melro dos Santos, em 23.06.15

 

ID: 58867
Tipo: Anúncio de Procedimento
Descrição: Iluminações decorativas - Festas de Natal e Fim do Ano 2015/2016 e Carnaval 2016, na RAM
Entidade: Secretaria Regional da Cultura, Turismo e Transportes
Preço Base: 2000000.00 €

publicado às 10:05

O Euro e a dose grega

por John Wolf, em 22.06.15

90.jpg

 

Digam o que disserem, nada mudou. Se a Grécia chegar a acordo com os credores, apenas significa que a Austeridade será prolongada, incrementada. São analistas deste calibre que constituem um perigo público. Os aspectos fundamentais da economia grega não se alteram mesmo que libertem os fundos exigidos. O problema será apenas agravado e adiado. A Grécia, assim como tantos outros países do ocidente, é um drogado em busca da próxima dose de heroína. Podem passar cheques e mais cheques de 100 mil milhões de euros que a crise não será atenuada. A bolha da conveniência política tarda em rebentar, mas quando estoirar não quero estar por perto. Tsipras vai ser hasteado na praça pública. Vamos ver como descalça a bota. Como vai explicar aos compatriotas que afinal não deveria ter prometido o que quer que fosse? Afirma ser o revolucionário que rasga os contratos com os opressores, mas vai embarcar em nova ronda de austeridade. Vai eternizar a relação helénica com os senhores do capital fresco. Lamento muito. Prometia ser um dia auspicioso, mas será apenas um dia igual a tantos outros.

publicado às 11:09

Payback time

por Fernando Melro dos Santos, em 22.06.15

Apontamentos matinais:

 

La Caixa retira OPA ao BPI. Diz que a Sonangol vai falir.

Parlamento em Kabum, perdão Kabul atacado a morteiro e metralha pelos Taliban. 

Juros da periferia aliviam, euro sobe, futuros do S&P sobem, reservas de ouro Russas aumentam para 40t. Obama deve ter falado com Zeus.

Na imprensa portuguesa continuam o reino das Joanas na praia, as fotografias de pessoas fúteis e a futilidade das suas horas, o erro semântico e a inanidade intelectual.

É impensável que os gregos nos tirem da eurodisney. Costa, Jesus e Anselmo Ralph não deixarão passar isto em claro.

Vou escolher um bom speed metal que o dia promete.

 

publicado às 07:59

A hora grega, o tempo europeu...

por John Wolf, em 21.06.15

wall_clock_with_flag_of_european_union-ra3a082e5c9

 

O dia de amanhã pode ser igual aos restantes, mas a Grécia pode de facto determinar o futuro da Europa. Na qualidade de extra-comunitário, passageiro da aventura unionista do continente, torna-se-me relativamente fácil ver as falhas e as lacunas do projecto europeu. A União Europeia (UE) não é uma união do espírito dos povos e dificilmente aspirará a se tornar numa federação. Não foi concebida a partir de uma pirâmide de valores sustentáveis. Foram os mercados que determinaram os tratados e os regulamentos. Foi a ideia de uma bloco económico competitivo que esteve por detrás dos sucessivos momentos de aprofundamento comunitário. E na senda dessa cegueira de ganhos e proveitos, os pilares de justica comunitária e de uma política externa e de segurança comum foram obviados. Para já, são as finanças dos países da zona euro que têm servido para acentuar divergências ideológicas e alimentar considerações de ordem geopolítica. Aguardo com expectativa a coragem ou não dos decisores europeus. Se a Europa, no seu desdobramento institucional corporizado no Banco Central Europeu, na Comissão Europeia, no Eurogrupo ou no Fundo Monetário Internacional, cede à chantagem grega, então será inaugurado o início do processo de desagregação da UE. Uma conquista de Tsipras servirá de mote para os demais demandantes da zona euro e enfraqueçerá a centralidade política da Europa. A Grécia sai a ganhar. A Rússia tira proveito. Por outro lado, se a UE mantiver a intransigência da sua posição, deve contar com uma nova fronteira geopolítica na Europa. A Grécia encostar-se-á ainda mais à Rússia, sendo que estes dois países partilham estirpes distintas de austeridade. Ou seja, têm bastante em comum para forjar uma aliança firme de párias. Pela parte que me toca, deixarei de respeitar as instituições europeias se estas se deixarem torcer pelas ameaças de caos que Tsipras tão ideologicamente postula em nome da Democracia que apenas ele parece entender. Em todo o caso, a Europa, a partir de amanhã, deixará de ser o que era, ou o que nunca foi.

publicado às 13:00

impossivelmente austero

por Fernando Melro dos Santos, em 21.06.15

o plano: as portas abrem às 21, rome tocam às 22, jigsaw às 23, afterparty coiso, não sei quê, na caixa operária da sombra abrilesca bilhetes a 15, está bem, calor, tuk tuk tuk tuk e resquícios da ladra, é um luxo.

 

a realidade: às 22:05 não se podia entrar, jigsaw tocaram a partir das 23:20, eram 00:35 ainda jérôme reuter não tinha posto as patas no palco, vendia-se imperiais em versão bacalhau-basta no copo de plástico, alguém fechou as portadas, e ria-se, e havia agarrados e hipsters. quem tivesse o azar de, como eu, viver a 70km do concerto e ter de trabalhar na manhã seguinte, em linguagem Jorge-Jesuíta, fodêra-se. 

 

quero o meu dinheiro de volta, jorge palma cecinit. eu e os credores. odeio, repito, este povo. entretanto reparei ao longo do dia que andam a queimar carros e que isso não faz notícia. continuo a odiar este povo. só quero dormir o resto do verão e que me deixem em paz até ser época da cinzentude outra vez. 

 

é isto a austeridade, a explicação do fisco. 

publicado às 01:19

Certezas

por Fernando Melro dos Santos, em 19.06.15

Se há coisa que me assoma como certa é que, sobretudo nas condições herdadas da urbe e do orbe, Passos fica para a História como o melhor, com o máximo da escala no zero absoluto, PM de todo o sempre em Portugal. 

publicado às 16:48

Malleus Maleficarum

por Fernando Melro dos Santos, em 19.06.15

 

publicado às 16:29

PS fora da Zona Oiro

por John Wolf, em 19.06.15

stat_p2.jpg

 

 

É o que dizem as sondagens. O Partido Socialista está fora da Zona Oiro das legislativas. Seguro não está a rir.

publicado às 15:59

Dar o cu de borla

por Fernando Melro dos Santos, em 19.06.15

De acordo com o acórdão, a que o jornal Sol teve acesso, o Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP) suspeita que as contas bancárias de Santos Silva na Suíça ajudaram a pagar uma casa para o filho de Sócrates em Paris. As mesmas contas terão também financiado um apartamento para o filho de Pedro Silva Pereira, antigo Ministro da Presidência, prendas de natal e tratamentos dentários a familiares do antigo primeiro-ministro.

publicado às 15:13







Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas


    subscrever feeds