Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Uma perguntinha muito directa a todos os que para aí berram contra o Rei de Espanha por este ter ido numa caçada enquanto a crise espanhola se agrava: onde é que vocês estavam quando enquanto a troika trabalhava para salvar um país do abismo a que o socialismo socretino nos levou, José Sócrates aproveitou a tolerância de ponto para chegar a meio da tarde ao Sheraton Pine Cliffs, em Albufeira? E se nos poupassem às vossas hipócritas indignações selectivas, não acham que faziam melhor figura?

publicado às 03:45


5 comentários

Sem imagem de perfil

De Anónimo a 19.04.2012 às 10:07

Samuel, enquanto a troika trabalhava, enquanto o "Socras" estava a chegar ao Sheraton..eu estava a trabalhar. Aliás como o fiz durante a licenciatura e tal como fiz mal acabei a licenciatura. O único problema é que desde o fim da licenciatura até hoje (já lá vão 3 anos) só me aumento o trabalho e nem 1000 euros recebo...mas enfim.
Em relação ao que interessa, o Rei da Espanha, pode fazer o que bem quer e gastar o que pode-Porém, há um promenor: MATOU ELEFANTES!!!
Para mim o único problema é esse.
Portanto, a troika, a dívida espanhola, a credebilidade do Rei, que se lixe isto tudo.
Agora a vida animal, a vida d eum gigante belissimo terminar apenas por capricho do REI é um problema.
Sem imagem de perfil

De Alexandre Carvalho da Silveira a 19.04.2012 às 12:45

Acredite que lamento muito que depois de passar anos a queimar as pestanas, agora não consiga mais de 1ooo euros por mês. 
Quanto aos elefantes, o Botswana é um país que tem excesso de efectivos que periodicamente tem que ser controlado para que a qualidade de vida das manadas se mantenha, e foi nesse contexto que o Rei de Espanha lá foi. Mas este é apenas um pormenor a que os midia se esqueceram de dar relevo.
Há exactamente 40 anos estava em Angola, e tive a oportunidade de fazer varias caçadas aos elefantes, e sou responsavel pelo abate de alguns, coisa de que  passados todos estes anos não me orgulho nada. Tenho até muita pena de o ter feito, mas na epoca tinha 20 anos e não resisti à aventura.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 19.04.2012 às 13:01

Bom,eu não caço nenhuma espécie e a única coisa que me choca é que ninguém fale nos desgraçados dos animais selvagens e só se preocupem com troikas e afins (e bem, não digo que não!)
Mas pegando no seu exemplo, se passado este tempo todo tem pena dos pobres coitados que caçou aos 20 anos..Acho que as desculpas de Sua Alteza também deviam vir no sentido da caçada própriamente dita que ele fez com bem mais de 20 anos em pleno SÉc. XXI.  Devia ter algum descernimento, digo eu.
Sem imagem de perfil

De Alexandre Carvalho da Silveira a 19.04.2012 às 13:49

Depois desta "conversa" estou tentado a pensar que se não lhe pagam mais de mil euros, se calhar é porque você não merece...
Sem imagem de perfil

De Miguel Madeira a 19.04.2012 às 18:42

Tem consciência que a alternativa ao elefante ser caçado é morrer de fome?

A longo prazo, a taxa de mortalidade dos elefantes tem que ser igual à de natalidade; se for menor, a população vai crescendo, a quantidade de vegetação por elefante vai diminuindo, e mais elefantes morrem de fome, e a taxa de mortalidade vai aumentando, até igualar a de natalidade e a população estabilizar. Ou seja, se diminuirmos a quantidade de elefantes que morrem por ser caçados, vamos aumentar a quantidade de elefantes que morrem de fome (já que, de qualquer forma, a quantidade total de elefantes que morrem acabará por se fixar no valor que estabiliza a população).

Será que é melhor para os elefantes morrerem de fome do que serem caçados?

Claro que esta raciocinio só faz sentido para animais cuja população esteja perto do seu limite natural, como os elefantes do Botswana (se o rei tivesse morto um rinoceronte, eu estaria a 125% do lado dos críticos).

Comentar post







Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas