Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Roger Scruton em Lisboa

por Samuel de Paiva Pires, em 18.06.12

Conforme aqui divulguei, Roger Scruton esteve hoje em Lisboa, numa conferência na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, onde se debruçou essencialmente sobre a temática do estado-nação como resposta para as crises que vamos vivendo, não deixando de criticar as falhas evidentes do processo de integração europeia.

 

Dando desde já os parabéns aos organizadores por trazerem ao nosso país um dos maiores e mais conhecidos filósofos contemporâneos, impõe-se salientar que, se por um lado foi agradável o tom informal e quase intimista de Scruton ao deparar-se com uma simples sala de aula onde não estavam mais de 15 a 20 pessoas, entre as quais alguns conhecidos bloggers e jovens académicos, o que tornou o ambiente ainda mais agradável e permitiu que as mesmas pessoas colocassem várias perguntas, por outro, parece-me que houve uma certa falta de organização, divulgação e dignidade de tratamento.

 

Não vi a conferência divulgada em mais lado algum a não ser no Facebook da Quetzal, no site da FCSH encontra-se apenas uma breve referência na agenda/calendário, e fiquei surpreendido por o evento decorrer numa sala de aula e não num auditório, na qual não se encontrava um único estudante, e do corpo docente estariam apenas 4 ou 5 pessoas. Não sei se é habitual que a FCSH trate assim convidados deste calibre, e claro que o facto de ser uma universidade marcadamente esquerdista talvez possa ajudar a explicar isto. Mas, na verdade, parece-me que qualquer universidade portuguesa deve ter noção que quando convida alguém como Scruton, se não causar uma boa impressão, dificilmente a pessoa em causa volta a aceitar outro convite para vir ao nosso país. O mínimo que se pede é que o evento seja bem divulgado, que tenha lugar num auditório e que a universidade faça os possíveis para que a sala seja maioritariamente composta por estudantes. Foi assim há uns meses no ICS, quando Quentin Skinner deu uma memóravel palestra. Estou em crer que no ICS, no ISCSP ou na Católica, Scruton teria sido tratado com a dignidade que merece.

 

Contudo, saliento, os organizadores estão de parabéns por terem trazido o filósofo britânico a Portugal, onde não vinha há já 30 anos. Da minha parte, não só valeu a pena pela possibilidade de ver, ouvir e interagir com uma lenda viva da filosofia, como também pelo autógrafo abaixo.

 

publicado às 23:00


6 comentários

Sem imagem de perfil

De Isabel Metello a 19.06.2012 às 03:02


Samuel, não é bem assim- estive na última conferência sobre Jean Baudrilllard antes deste falecer, na qual este não pôde comparecer pelo estado de saúde debilitante, e a sala da conferência dos keynote speakers  era um auditório até pequeno onde se leccionavam aulas (os outros oradores tb foram distribuídos por salas normais e tb estavamm presentes outras sumidades de vários cantos do mundo...:) , onde até estavam sentados da forma mais simples do mundo Douglas Kellner e Mark Poster...as sumidades anglo-saxónicas são muito simples, cá e nos países Latinos em geral é que há a mania da pompa e circunstância!Image
Imagem de perfil

De Samuel de Paiva Pires a 19.06.2012 às 14:25

Isabel, eu não falo em pompa e circunstância, apenas nos mínimos...
Sem imagem de perfil

De Isabel Metello a 19.06.2012 às 20:42

Sim, eu compreendo, mas olhe só como foi a conferência onde estavam dois grandes nomes das Teorias da Comunicação :) garanto-lhe que o keynote speaker nem ligou (se fosse uma Eminência nacional aí sim, tinha um ataque apoplético :)
Imagehttp://passosphotomnemonicos.blogspot.pt/2011/12/conferences-their-exhibitions-and.html (http://passosphotomnemonicos.blogspot.pt/2011/12/conferences-their-exhibitions-and.html)
Sem imagem de perfil

De j. a 20.06.2012 às 19:58

Mas estranha os poucos estudantes? Não sabem inglês, nem sabem quem é Scruton.
O analfabetismo em Portugal é de 20% - real - e a iliteracia muito superior.
Não é de estranhar.
Sem imagem de perfil

De Flávio Gonçalves a 30.06.2012 às 07:57


Não sei que diga, talvez que a divulgação ficou a desejar? (Vem um filósofo conservador a Portugal e o único semanário conservador cá do burgo, "O Diabo" - que tem elogiado copiosamente a sua obra, não foi avisado atempadamente?)

Distracção minha não ter surfado a blogosfera atempadamente para notar o seu anúncio.

Não há outro remédio senão planear trazê-lo novamente às lusas terras...
Sem imagem de perfil

De Flávio Gonçalves a 30.06.2012 às 08:07


Recordo que a visita de Alain de Benoist a Lisboa, outro filósofo europeu digni de nota, publicitada somente pelo "O Diabo" uma ou duas semanas antes, atraiu bem mais de uma centena de espectadores.

Comentar post







Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas