Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




A Guerra da Lagosta

por Samuel de Paiva Pires, em 10.12.07
No dia em que fiz a última prova da disciplina de História das Relações Internacionais do Brasil, aproveito não para falar da Cimeira UE-África, até porque me parece que já tudo foi dito, mas de um conflito diplomático que se desenvolveu no governo de João Goulart.

Entre 1961 e 1963 Brasil e França opuseram-se num conflito diplomático que ficaria conhecido para a História como Guerra da Lagosta.

Em poucas palavras, até porque tenho que ir para casa estudar, os franceses haviam exaurido todas as reservas de lagostas nas suas colónias, e como acharam que o Brasil não se iria opôr, até porque não tinha como fazer frente ao poderio francês, decidiram ir pescar as lagostas brasileiras.

Durante 2 anos Goulart ora permitia, ora impedia os franceses de pescar. O Itamaraty encomendou estudos científicos para poder argumentar em favor da proibição da pesca da lagosta. A argumentação tinha como argumento principal o facto de os pesqueiros franceses realizarem a sua actividade na plataforma continental que, embora fora das 12 milhas de águas territoriais, constítuia ainda parte do território brasileiro sujeito a exploração apenas pelo Brasil.

Mas a parte mais importante do argumento foi o arguir que a lagosta não é um peixe, é um crustáceo. Como tal, não nada, anda. E o salto da lagosta não constituíria o acto de nadar. Deveras interessante.

Bom, à epóca, era prática comum enviar um navio de guerra em conjunto com as frotas pesqueiras, pelo simples motivo de evitar que pescadores de um país entrassem em conflito com os de outro, o que obviamente era passível de causar um incidente diplomático. Assim fez a França.

Em plena epóca carnavalesca, as notícias na imprensa Brasileira davam conta do envio do Clemenceau, o maior navio de guerra jamais visto à face da terra, pelo que foram destacadas grandes forças brasileiras para enfrentar o Clemenceau.

Porém, chegado o momento do embate, nada de Clemenceau, apenas uma corveta da marinha francesa.

Aos poucos os franceses foram-se retirando, com o seu orgulho ferido, mas de certeza que De Gaulle se riu muito à conta dos brasileiros.

publicado às 22:55


Comentar:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.







Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas


    subscrever feeds