Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




O "reino" das sinecuras

por Pedro Quartin Graça, em 24.07.12

O Nuno e o Miguel são crentes, o que é bom, e desejam o melhor para Portugal, porque são patriotas, o que é excelente e altamente louvável. E isso, nos tempos que correm é, infelizmente, uma virtude rara, para não dizer exclusiva de uns poucos, entre os quais se contam os milhares de leitores do Estado Sentido.

Não deveria, pois, ser eu a decepcioná-los nas suas legítimas convicções de que Passos é, verdadeiramente, diferente de todos os que o antecederam. A verdade é que não é, por muito que isso lhes custe. E custa, seguramente. Lamento decepcioná-los caros amigos mas não partilho, nem de perto, nem de longe, do vosso "entusiasmo". Poderia escrever aqui mil e uma publicamente desconhecidas razões por o fazer. Contar o que nunca foi contado. Não o farei contudo. Pelo menos por ora. Direi apenas que um Primeiro-Ministro, com o tal P e M grande de que o Miguel fala, é precisamente a pessoa que trata o seu Povo da forma como este o faz, que é indiferente ao sofrimento real de centenas de milhares de portugueses, que acha que não há alternativa à austeridade cega com que destrói os mais desprotegidos e esmaga o que resta da classe média, que compactua com jogos de bastidores de duvidosíssima legalidade, que é forte com os fracos e fraco com os fortes, que deixa o País morrer e incentiva a partida dos seus melhores filhos, não é alguém em que eu confie ou a quem possa entregar o futuro do meu País. Portugal merece melhor. Alguém com visão, capacidade, arte e engenho. Com um rumo e uma ideia para Portugal. Esse homem não é, decididamente, Passos Coelho. Por muito que isso nos custe a todos.

publicado às 21:49


Comentar:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.







Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas


    subscrever feeds