Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Sintomas da decadência Ocidental

por Samuel de Paiva Pires, em 31.07.12

Jack Donovan, Everyone a Harlot:


«People used to have decent aspirations. They wanted to have families. They wanted to do good work. They wanted to be good citizens, good Christians, good people. Now everyone wants to be a player and a porn star. Everyone wants to be the kind of monkey that all of the other monkeys wants to rub up against.


We call this matrilineal hump-fest "progress," and seek our moral redemption in recycling.


Sex may be natural, and it sure is fun, but it's just a part of life. A society that over-emphasizes sex to the point where it seems like the only thing in life that means anything is grotesque and degraded, and for most people it delivers more emptiness than ecstasy.


In healthy patriarchies, men push themselves to earn the respect and admiration of other men. They work to prove their strength, courage and competence to each other. Men pride themselves on their reputation for mastery of their bodies, their actions, and their environment. They want to be known for what they can do, not just how well or who they can screw. And they sure as hell don't waste their time trying to figure out what they can do to bedazzle bimbos.»

publicado às 14:24


2 comentários

Sem imagem de perfil

De Isabel Metello a 31.07.2012 às 15:22


Toda a objectivação humana é degradante! O conceito de objectivação é muito vasto- estudei-o na tese de Mestrado associado a um fenómeno que alguns especialistas da American Psychological Association estudam - a OVM (Orientação Valorativa Materialista)- que leva muita gente a estabelecer uma analogia entre objectos de marcas sacralizadas e as pessoas, atropelando afectos. Consomem-se uns aos outros e dizem que isso é felicidade e ainda têm a lata de tentar impor essa matriz a quem nunca, jamais, em tempo algum a seguirá!!!!????? Por Amor de Deus!!!! Nunca fui uma falsa beata, mas qualquer relação entre um homem e uma mulher que não inclua fortes Afectos, a meu ver, é de uma banalidade degradante! E foi essa objectivação catalisada pela sociedade de consumo em relação a vários tipos de Afectos (há quem sonhe com a morte de alguém, pensando já nas heranças e partilhas) que, de facto, é uma das causas estruturais da decadência ocidental! "Não se curem não..."Image
Sem imagem de perfil

De Duarte Meira a 01.08.2012 às 18:22

Caro Samuel:
O ponto que trouxe aqui com Jack Donovan é importante e oportuno: o eros pandémico que, desde os 70 do século passado, pervade as sociedades ocidentais é um dos sinais infalíveis da decadência cultural e, em particular, do larvar matriarquismo abafador e sumidor das virtudes da Hombridade. Até parece que temos de começar a pensar em movimentos de emancipação do homem!

Mas a ligação que nos propôs a uma “alternativeright” é infeliz. Vai-se a ver e são Guardas de Ferro, Nietzsches, Evolas e demais corifeus do neo-paganismo das direitas revolucionárias e ... tão totalitárias como as do Estatismo esquerdista. (E é uma gente cujo culto das “virilidades” acaba geralmente no homossexualismo de travestidas “amizades guerreiras”.) Este Donovan aparce-nos ainda com uma inovação risível: em vez de “tradições primordiais”, “hiperbóreos” e quejandas fantasias, propõe-nos como modelo dos homens os... chimpanzés(de preferência aos bonobós)!

Importa marcar com a maior ênfase e clareza que nada disto tem que ver com a Tradição Portuguesa. Espero, meu caro Samuel Paiva Pires, que não volte a proporcionar aos frequentadores deste Estado Sentido tão indesejáveis referências.

Comentar post







Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas