Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




O ar condicionado da Guerra Fria

por João Quaresma, em 10.08.12

 

O caso da fábrica de painéis solares de Alexandre Alves acabou por reabrir um tema há muito esquecido nas prateleiras da história de Portugal no pós-25 de Abril: as empresas mantidas pelo PCP, entre outros motivos, para se financiar através de negócios generosos (por exemplo, a exportação de vinhos, a importação de automóveis Lada) com os regimes do bloco comunista. Em 1991, aquando do desmoronamento da URSS, foram descobertas alegadas ilegalidades envolvendo algumas destas empresas. Foi o famoso caso dos carimbos do Governo Civil do Porto, alegadamente falsificados, usados por essas empresas; na altura fez as capas dos jornais para logo depois cair no completo esquecimento.

O caso da Fábrica Nacional de Ar Condicionado, tal como é descrito por Zita Seabra, é uma daquelas histórias verdadeiramente fascinantes dos tempos da Guerra Fria, e corresponde ao modus operandi da Stasi (os serviços secretos e polícia política da Alemanha comunista, equivalente local ao KGB). Resta saber se outros casos do género tiveram lugar envolvendo outros fornecimentos ao Estado.

Aposto que, depois disto, em muitos gabinetes vai haver gente de mangas arregaçadas e chave de parafusos na mão, a desmontar o aparelho de ar condicionado para ver se tem um microfone escondido.

publicado às 11:00


2 comentários

Imagem de perfil

De Nuno Castelo-Branco a 10.08.2012 às 20:16

Qual quê... têm desculpa. Foi tudo "por bem" do "povo".
Imagem de perfil

De João Quaresma a 10.08.2012 às 22:45

Temos que admitir que, do ponto de vista de estratégia de espionagem, é de se lhes tirar o chapéu. Uma grande jogada, que dava para um filme.

Comentar:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.







Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas


    subscrever feeds