Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Lisboa Arruinada: aqui está mais um truque camarário

por Nuno Castelo-Branco, em 22.08.12

 

Todos os lisboetas conhecem este edifício "em-recuperação-obra-a-obra-Lisboa-melhora", na Duque de Loulé. Durante meses foi uma azáfama: destelhá-lo, demolir a bonita casa contígua para permitir a construção de um silo para automóveis, cavar até "ao osso" das fundações, etc, etc. Subitamente, os trabalhos pararam. Evacuaram os operários, retiraram-se as máquinas e por lá apenas ficou um enorme guindaste Liebherr. Pelo que se diz nestas redondezas, a interrupção da obra deve-se à falta de crédito bancário. A excelente desculpa do momento que atravessamos. Inicialmente acreditei, mas desde logo observei um aspecto nada negligenciável. Os fulanos retiraram o telhado e o edifício ficou à mercê das intempéries. Faça sol ou frio, caia chuva ou não, está fadado à usura dos meses que impiedosamente vão passando. A Câmara Municipal da tripla Costa & Salgado, BES Lda., tinha permitido a recuperação do edifício, mantendo a divisão interior. O prédio é um belo exemplar e foi um dos mais luxuosos do seu tempo.

 

Agora, observem a segunda foto. Reparem na falta de protecção do telhado, nas janelas abertas. A CML não obriga o dono da obra/edifício a proteger a integridade do mesmo? Sabem o que sucederá? Devido ao "perigo de ruína", dentro de um ano a CML permitirá a demolição do imóvel, mantendo apenas a fachada. Por mais benevolente que queira ser, duvido muito de esta não ser mais uma das tais situações cuidadosamente planeadas pelos bombardeiros municipais. Uma desgraça, ao que chegámos!

publicado às 14:34


3 comentários

Sem imagem de perfil

De Hugo Correia a 22.08.2012 às 16:02

Permitam-me que também deixe aqui o comentário escrito por mim no passado domingo, já o deixei em outros três espaços. Não é bem sobre o assunto do post, mas expõe de algum modo a forma de atuar deste executivo que, quanto a mim, deixa muito a desejar...

Foi há três anos que, em
tempo de campanha eleitoral, deu início o programa de animação "Lisboa
ao Parque", com o objetivo de revitalizar o espaço histórico do Parque
Mayer. Durou oito semanas e custou ao erário público a módica quantia de
1,6 milhões de euros, quase tanto o que custou o projeto de Frank Gehry
que, por esta altura, já estaria em estado bem avançado de
concretização. Importa pois perguntar, três anos depois: como se
encontra o Parque Mayer? A reabilitação, ainda no seu início, vai-se
resumindo apenas ao Capitólio(Teatro Raúl Solnado)? E o restante espaço,
como está a ser cuidado? Não é justo a esta distância que se faça um
balanço da iniciativa? Não é justo pensar que todo aquele aparatoso
esbanjamento de dinheiro foi para "lisboeta ver"? Ninguém interroga?
Ninguém se indigna? Falam do dinheiro gasto para um projeto real,
ambicioso e grandioso de reabilitação que foi o de Frank Gehry, e que
foi literalmente colocado na gaveta, e não falam da alternativa? Onde
está a alternativa? Quanto tempo mais é preciso para ver aquele espaço
da capital como "uma autêntica âncora de um novo tempo da cidade, um
ícone turístico-cultural mobilizador de muito movimento naquela zona, incluindo muita procura turística"?
"Devagar, devagarinho", não é?


Temos agora o Lisboa na Rua | Com' out Lisbon para mais um mês de
propaganda com entrada gratuita. Quem paga? É suportado apenas por
patrocínios? Qual é o encargo para o município?
Fico curioso por saber como será para o ano que vem em véspera de mais uma eleição.
Há também um limite para a paciência.
Sem imagem de perfil

De Pedro a 22.08.2012 às 17:58

Quem é o dono do edifício ? É tempo de estas notícias visarem incógnitos, pois só beneficia os mesmos.
Sem imagem de perfil

De Isabel Metello a 22.08.2012 às 19:28


Sim, é um m.o. regular de quem finge construir para destruir- até porque as fundações vão dar cabo dos alicerces! Será uma "calamidade natural" que o fará cair, enquanto as autênticas "calamidades" se passeiam no Algarve de charuto e, garanto-lhe que não foram para a Manta Rota. De certezinha para a Quinta do Lago ou outros loci mais chic...Image

Comentar post







Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas