Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Estão a perceber?

por Nuno Castelo-Branco, em 03.09.12

 

A troika chegou a Portugal, gizou um programa e disse ser um imperativo aplicá-lo. Os portugueses foram a eleições, votaram em quem tinha mais capacidade ou idoneidade para aplicar o programa sem hesitações ditado  pelos internacionalistas. 

 

O resultado?

 

A troika diz que a culpa da queda das receitas e do não cumprimento do défice previsto para 2012, é do governo. Perceberam? 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:28


5 comentários

Sem imagem de perfil

De diogo a 03.09.2012 às 16:54

priceless!
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 03.09.2012 às 17:12

Certo e compreensível. O governo só se preocupou, basicamente e até há muito pouco tempo, eu ROUBAR quem trabalha por conta de outrem e pequenos e médios empresários. O resultado está à vista e não é nenhuma surpresa. A extorsão acaba sempre por ter efeitos adversos aos desejados, mais tarde ou mais cedo. É como a má-língua e a difamação.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 03.09.2012 às 17:16

*em ROUBAR
Sem imagem de perfil

De diogo a 03.09.2012 às 17:31

Ainda acabamos por sermos Nós os culpados, nós é que votamos. 
A troika criou e programou e critica o criado e programado. Sai Incólume.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 04.09.2012 às 02:21

Não foi o criado e programado. O governo, na postura de submissão e falta de identidade Nacional, decidiu EXTORQUIR a quem trabalha, seja por conta de outrem, ou como pequeno e médio empresário, sem qualquer tipo de sensibilidade social, protegendo os tais que REALMENTE 'sempre viveram acima das suas possibilidades' e aprovando leis que não estavam no programa da troika. Aqueles que, ou sempre viveram à custa do trabalho e riqueza produzida pelos outros, pagando salários de miséria, ou os que nunca nada produziram ou sequer pagaram quaisquer impostos, são os únicos que apaudem esta política vergoinhosa. Importa também relembrar, que a maioria dos que esta gentalha acusa de ter vivido acima das suas possibilidades, pagou, durante décadas, impostos 'terroristas' que mantiveram, por exemplo as frotas de carros de luxo e contas off-shore de certos políticos e grandes gestores de grandes empresas públicas (há muito falidas), vê-se agora despojado de tudo, enquanto os tais políticos e grandes gestores continuam a usufruir de ganhos milionários. Num País falido, cujo PIB per capita continua a descer para níveis de há décadas atrás. Resta saber até quando.
Os dois grandes partidos são co-responsáveis por esta situação e deviam ser julgados e condenados.

Comentar post







Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas