Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




O Capitólio, o Reichstag, S. Bento...

por Nuno Castelo-Branco, em 09.09.12

...pobre pindéricos serão, quando comparados com esta impressionante obra de José Eduardo dos Santos. Ajudado pela prestimosa Teixeira Duarte - antes esta que uma outra empresa europeia ou americana -, o presidente angolano ficará nos anais da história do seu país. Pela presente e pelas outras razões que todos conhecemos. A independência trouxe algumas vantagens para certos sectores, pois jamais um Governador-Geral português se atreveria a um centésimo de  tantos exotismos. 

 

Entretanto, uma visita à Luanda do "cai na real", consiste numa experiência inesquecível. Se alguém conseguir sobreviver e regressar vivo à "Metrópole", claro. Escabrosas cenas como esta, esta e esta, podiam servir de aviso aos abusadores. Infelizmente, o livre arbítrio parece prevalecer.

 

 

 

 

 

 

 

 

publicado às 20:00


14 comentários

Sem imagem de perfil

De xico a 09.09.2012 às 20:06

Espero sinceramente que já não haja crianças a viverem nos esgotos de Luanda.
Sem imagem de perfil

De lopes a 09.09.2012 às 21:29

O Brasil tem Brasília, futebóis e olímpicos e 32 milhões de famintos....
Sem imagem de perfil

De José a 09.09.2012 às 21:49


Já "vi" isto algures - http://www.youtube.com/watch?v=uSrfp_uJiik (http://www.youtube.com/watch?v=uSrfp_uJiik)
Imagem de perfil

De jojoratazana a 09.09.2012 às 22:27

Está a falar de um país independente.
Não quer falar do seu país, ou não o conhece?
Imagem de perfil

De Nuno Castelo-Branco a 09.09.2012 às 22:51

Está bem, Jojoratazana, já tínhamos todos entendido qual o futuro que reservaria aos portugueses. Não me diga que é comparável aquilo que temos por cá, à situação que os angolanos todos os dias enfrentam. Ficamos assim perfeitamente cientes. Depois do seu camarada Bernardino Soares "não ter a certeza" de a Coreia do Norte "não ser uma democracia", agora ficamos elucidados quanto ao seu ideal de Estado.  Aliás, sempre soubemos. 


O facto de Angola ser um Estado soberano - e ainda bem que é -, em nada legitima o livre arbítrio ao estilo de Ceausescu. Por regra sabemos que este tipo de situações acabam mal e foi disso mesmo que o Sr. Cunhal involuntariamente se livrou no dia 25 de Novembro de 1975. Caso contrário, imagine o que teria sucedido em Portugal lá para o fim da década de oitenta...
Imagem de perfil

De jojoratazana a 10.09.2012 às 01:06

Está a comparar o actual estado da nação Portuguesa, a sua divida soberana, ao estado Angolano?
O numero de suicídios em Portugal, é revelador do estado mental dos portugueses, da suas misérias e das suas angustias.
Dai compreender aquilo que quer esconder.
Está a criticar aquilo que em Portugal esconde.
Imagem de perfil

De Nuno Castelo-Branco a 10.09.2012 às 08:50

Escondo o quê? Quer comparar os recursos do Estado português com aquilo que Angola proporciona à nomenklatura? Ou julga que somos todos masoquistas e gostamos do que se está a passar em Portugal há demasiado tempo? Não gostamos, mas também percebemos que os senhores simplesmente não têm qualquer tipo de solução para os problemas. Conhece-seo programa e o resultado: acabou há vinte anos.
Imagem de perfil

De jojoratazana a 10.09.2012 às 12:03

Olhe mude lá a cassete.
Como é que pode defender, com toda essa ligeireza uma nomenclatura que tomou conta do país, e que obriga o seu povo a pagar três vezes as obras que foram sendo feitas.
Vive lá no seu passado, com os seus fantasmas e com as suas fantasias, mas não engane as pessoas com as suas mentiras.
Que nem sequer me dou ao trabalho de desmentir, apenas lamento a sua ignorância.
Imagem de perfil

De Nuno Castelo-Branco a 11.09.2012 às 01:10

Mentiras andam os senhores a dizer desde o tempo do nascimento da minha avó. Vá lá, faça-nos o favor e comece a publicar os números do Avante!, publicados entre Setembro de 1939 e Junho de 1941. Com os artigos do sr. Cunhal, claro. Será um prazer recordar. 
Imagem de perfil

De João Quaresma a 09.09.2012 às 23:27

Parece uma mistura do Capitólio com arquitectura setecentista portuguesa. Antes isto do que taveirices.
Sem imagem de perfil

De Mukaba a 09.09.2012 às 23:33

Não é o estilo ou a qualidade do projecto que está em causa, mas sim a situação de milhões de angolanos que  em Luanda vão vivendo sem tecto, arrastando-se esfomeados e sem quaisquer tipo de cuidados de saúde. Isto, entre muitas outras coisas. 
Imagem de perfil

De João Quaresma a 10.09.2012 às 11:20

Sem dúvida. Eu estava apenas a comentar a arquitectura. Infelizmente a realidade angolana é o que sabemos e, por muitos recursos e ambições de grandeza que tenha o poder político, há sem dúvida alguma prioridades a esta megalomania.
Sem imagem de perfil

De Lionheart a 10.09.2012 às 01:06

Ajudado em quê?? Se não fosse uma empresa portuguesa seria outra a fazer a obra. O que não faltam são chineses e brasileiros a operar em Angola. Devem pensar que há aí mercados a dar com um pau para Portugal exportar.

Comentar post







Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas