Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




A excepção da Política

por João Pinto Bastos, em 19.09.12


Não tenho por norma citar autores marxistas, muito menos intelectuais conotados com a Escola de Frankfurt, todavia a recente leitura das "Teses sobre o conceito da História" de Walter Benjamin, designadamente a Tese VIII, teve o condão de me fazer reflectir sobre o ingente infortúnio que se apossou do continente europeu. A suspensão da democracia sob a égide da nebulosa federalista, bem como o extremo periculoso a que foi levado o "construtivismo" político europeu têm-se traduzido, mormente, na emergência de um estado de excepção permanente, cujas intrépidas arremetidas contra os valores primazes da civilização europeia desaguaram na sacralização de um neo-decisionismo, que nem mesmo Carl Schmitt, nos seus dias mais produtivos, teria sido capaz de cuidar e idear. A tese benjaminiana tem o óbvio mérito de considerar o estado de excepção como um "status" permanente da comunidade política - ainda que essa análise parta da pomposa conceptualização, obviamente discutível, do proletariado como o guardião supremo da dita "tradição dos oprimidos"-, mesmo considerando as veleidades messiânicas embutidas no seu núcleo teórico, cuja destrinça afigura-se da maior relevância para uma reinterpretação do conceito de estado de excepção. A emergência do neo-decisionismo como predicado fundamental da política europeia reconduz-nos à simplicidade desarmante da teoria de Benjamin: a excepcionalidade entendida como o "modus operandi" básico das sociedades contemporâneas. A pronta análise da política europeia permite-nos extrair uma conclusão similar, assente em dois pressupostos intrinsecamente interligados: por um lado, temos a imposição de uma centralização política autoritária completamente insindicável, ao arrepio dos mais lídimos anseios populares, que paulatinamente está a transmudar-se numa suspensão permanente das soberanias nacionais; por outro lado, essa mesma suspensão encontra-se revestida de uma componente altamente nociva, traduzida no poderoso bloqueio institucional produzido no seio das democracias nacionais. É difícil conjecturar qual será o desfecho desta "weltanschauung" cujos contornos só agora começam a ser devidamente identificados, contudo, é possível afiançar, com algum grau de certeza, que as engenharias políticas europeias, incônscias como são, estão fadadas a um fracasso estrepitoso.

publicado às 23:30


1 comentário

Sem imagem de perfil

De Duarte Meira a 20.09.2012 às 14:22


«É difícil conjecturar qual será o desfecho...»

Caro João Pinto Bastos:

O seu diagnóstico está perfeito. Quanto ao prognóstico, permita-me dizer-lhe que não é difícil conjecturar. - Imagine uma síntese do 1984 de Orwell e do Mundo Novo de Huxley. Eis que está a armar-se  na UE (processo que se apressará com a entrada da Rússia); nos Norte-América; na China (aqui o processo já está, como é de esperara mais adiantado, mas poderá trazer alguns reajustamentos surpreendentes). É o trilatreal condomínio de governo mundial, em formação, e que teremos depois por décadas a assegurara a "paz" num mundo.

Meu caro, temos que nos preparar para guerras mais terríveis do que as que a "política" nos deu em espectáculo num passado que passou. E o ao pé do que nos espera, os regimes totalitários e policiários dos socialismos nazi e comunista serão com tentativas incipientes de primitivos.

Comentar post







Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas