Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Por esse Rio acima

por Pedro Quartin Graça, em 28.09.12

Mais do que a remodelação no Governo ser inevitável, o que é imperioso é a remodelação do desgastado e desanimado Governo de Pedro Passos Coelho, ou seja, a sua substituição por outro, não necessariamente de diferentes cores partidárias, mas, pelo menos, com outro líder e sem que haja recurso a eleições, que quase ninguém deseja. Passos dá mostras diárias de público desnorte e incompreensão do País. Os portugueses não percebem Passos e Passos não percebe os Portugueses.

Ponto final. Parágrafo.

E quando aqui se chega mais vale partir para outra. O PSD profundo já o percebeu. O CDS sabe-o de há muito. Agora falta que as "forças vivas" afastem o líder, ou este se auto-afaste, e mudar. Vários candidatos da área do PSD poderiam ser apontados para uma tarefa ciclópica mas que não deixará de ter o Parlamento como necessário suporte à espinhosa missão de governação pós-Passos. Luís Marques Mendes - o homem com maior capacidade de análise e previsão política em Portugal - tem a desvantagem de ter chegado cedo de mais à presidência do PSD e, dificilmente, "a água corre duas vezes debaixo da mesma ponte". José Eduardo Martins, de uma geração mais nova, mas com a experiência que Passos não tem, teria certamente dificuldade imediata em trocar a advocacia por uma tarefa gigantesca de liderança, sem prejuízo de, eventualmente se poder perfilar para participar numa nova e eficaz solução de governação. A hora é pois, e claramente, de RUI RIO. E Rio está na linha da frente para a protagonizar, como o escrevemos há semanas aqui nestas páginas, aliás de forma isolada até ao momento em toda a blogosfera portuguesa. Bem aceite em Belém, Rio mantém uma auréola de grande rigor de actuação junto da opinião pública, não se vergando a quaisquer pressões, nem mesmo as do poderoso FC Porto. Com formação germânica, que admiramos por, a exemplo dele, a compartilharmos (enorme vantagem para Portugal porque sabe como os teutónicos pensam e a forma mais eficaz de os convencer), Rio junta o rigor de gestão alemão ao conhecimento que tem da realidade nacional. Mas, ao mesmo tempo, o necessário distanciamento das estruturas partidárias laranjas, que sempre fez questão de cultivar. Rio tem dado nas últimas semanas discretas, mas relevantes, notas públicas da sua disponibilidade. Em primeiro lugar porque pôs o dedo na ferida e apontou, e bem, as falhas da actual governação e do sistema partidocrático existente, defendendo, ao contrário de quase todos, o "aumento do prestígio dos políticos", contra os "poderes fácticos fortes". Por outro porque deu mostra pública de saber fazer a ponte com o PS, ao condenar, e bem, "linchamentos na praça pública. Ademais aponta caminhos acertados e diferentes, coisa que mais ninguém faz nos últimos tempos, pelo menos dentro do PSD. Tem, por último, que não em último lugar, uma grande vantagem: é bem aceite pelo parceiro de coligação CDS, que lhe reconhece competência técnica e política, coisa que nunca aconteceu com o impreparado Passos, um produto exclusivo, mas falhado, de uma, até então, aparentemente bem urdida campanha de marketing do seu mentor, Miguel Relvas.

 

Post scriptum - Uma última nota, em antecipação e exclusiva para os potenciais detractores deste meu post, falível como não pode deixar de ser, quando se abordam matérias políticas com um elevado grau de futurologia: não conheço Rui Rio e, ao invés de muitos, não aceito "encomendas". Ademais sou monárquico, logo aposto, e luto, mas de forma democrática, pela queda do Regime. O que não significa que, entretanto, não possa contribuir, através da análise e de apresentação de propostas políticas para que este, enquanto existir, não possa trazer mais felicidade aos Portugueses. Afinal, não é para isso que serve a Democracia? 

publicado às 13:54


4 comentários

Sem imagem de perfil

De Duarte Meira a 28.09.2012 às 21:11

«... logo aposto, e luto, mas de forma democrática, pela queda do Regime.»

Caro Pedro Quartin:

Vários problemas. Não pode lutar "de forma democrática" porque não existe nenhuma democracia genuína entre nós. E também não há, propriamente (e desde 1910) nenhum "Regime" (ainda por cima com maiúscula), termo que vem de regis, regum/regium: pois é, "regime" no sentido próprio do termo é o da Realeza, do poder Real do monarca coordenando sustentando e vivificando os poderes poliárquicos da aristocracia e dos mais poderes da sociedade civil livremente organizada e representada nas suas associações naturais.

No caos actual da "democracia" confiscada  e saqueada por múltiplos poderes fácticos, visíveis e invisíveis, já não existe "Estado" com sobreania mínima que lhe garanta uma mínima autonomia, hipotecada a Bruxelas-Berlim. Qualquer alternativa política está bloqueada, começando pela "Constituição", e a única que existe é excatíssimamente a mesma de 74: comunistas e a franja radical jacobino-socialista.

Rui Rio, na sua conferência, pôs o dedo na ferida, já agora incurável: o colapso da autoridade do "Estado", dissolvida numa "situação" caótica, mal disfarçada por uma administração incompetente e improvisada. A crítica é certeira e o homem parece sério e competente. O problema, meu caro Pedro Quartin, é que se Rio, por hipótese, fosse primeiro-ministro, seria a mais ou menos breve prazo triturado pelo sistema Restam duas forças sociais organizadas com autoridade e força moral para tratar do nosso caso deseperado. Uma delas - as Forças Armadas -, em circunstâncias normais, já teria intervindo, como aconteceu desde 1820. Mas as circunstâncias já não são normais, e esse tipo de intervenção acabou. Portanto, resta uma. E, quanto aos monárquicos, também temos de repensar tudo - e tudo o que significa "política", "poder", "Monarquia" -  desde o Princípio. Está tudo a levar uma grande volta, meu caro, e isto já não vai lá com "personalidades carismáticas".
Imagem de perfil

De Cristina Ribeiro a 28.09.2012 às 21:39

Só para dizer que concordo com o Duarte; embora Rio seja dos poucos que se aproveitam, o Sistema é um polvo que tudo devora, e a toldos manieta.
Imagem de perfil

De Pedro Quartin Graça a 28.09.2012 às 22:35

BEM VERDADE. MAS VEREMOS AS CENAS DOS PRÓXIMOS CAPÍTULOS.Image
Imagem de perfil

De Pedro Quartin Graça a 28.09.2012 às 22:37

não deixa de ter razão meu caro. eu fiz um exercício de futurologia possível. não a desejável.Image

Comentar post







Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas