Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Monarquia Tradicional

por Cristina Ribeiro, em 15.10.12

 

 

 

 

" Repudiando Alfredo Pimenta a partidocracia, tinha fatalmente que repudiar a ideia republicana, dado que o Presidente é um produto directo da partidocracia. Na verdade, o Presidente, pelo facto de ser eleito como candidato de uma facção, é partidocrático, e não pode, por isso ser considerado representante do todo nacional, pois como diz o vimaranense, « ele mais não representa do que a força política que o leva ao poder, enquanto o Rei não é duma opinião, nem dum partido, nem dum grupo: é Rei da Nação, herdeiro dos que formaram essa Nação, dos que defenderam o Povo, e está obrigado, perante Deus, a entregar ao seu sucessor, intacta, a herança que recebeu ». Relegado o democratismo partidocrata, que regime preconizou Alfredo Pimenta? Que forma de Monarquia? Qual a sua teoria para uma Monarquia restaurada? Responde: « Porque doutrinador da Portugalidade- monárquico porque foi a ,Monarquia que fez Portugal, mas a Monarquia pura, a Monarquia tradicional, a que vem de 1128, se afirma em Ourique, se consolida em Aljubarrota, rasga o caminho marítimo da Índia, sucumbe, devagar, em Alcácer, e resssuscita em 1640 (... )»

Não podemos, porém, passar sem aludir a um reparo que se faz a uma fase da conduta política de Pimenta, onde se aponta certa incoerência: concretamente no apoio a Salazar, que dificilmente deixaria de projectar-se na República, embora depois esclareça que apoia Salazar e não a República ( ... )" Mário Saraiva, « Sob o Nevoeiro - Ideias e Figuras »

 

E como concordo com este também conterrâneo! Tenho defendido muitas vezes o quão gratos devemos estar a Salazar pela sua acção refundadora da Nação, no que relevou, além da honestidade na gestão dos dinheiros públicos, uma enorme inteligência. Mas a Repúblca só se perpetuou porque ele o quis.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:05


6 comentários

Sem imagem de perfil

De MIGUEL a 15.10.2012 às 23:07

MAS NAO ESTARIAMOS NESTA SITUAÇAO SE ELE TIVESSE MANDADO GARROTAR TODA ESTA ESCUMALHA QUE NOS DES-GOVERNA, COMO O FEZ FRANCO.
MAS, SE ASSIM FOSSE, NAO TERIAMOS UM REGIME CUJA UNICA LEGITIMIDADE É A DE SE PROCLAMAR ANTI SALAZARISTA.
MAS... TAMBEM NINGEM PODIA PROJECTAR ATÉ QUE PONTO OS ANIMAIS IRIAM.
Imagem de perfil

De Cristina Ribeiro a 15.10.2012 às 23:22

Por certo havia já motivos para o prever. Foi a grande falha: não devolver o poder a quem de direito, permanecendo a seu lado para o ajudar : uma espécie de aio, como Mouzinho de Albuquerque relativamente a D. Luís Filipe.
Sem imagem de perfil

De nelson mendes a 15.10.2012 às 23:47

Ui, Dizer que Salazar fez algo bem, citando ainda por cima Alfredo Pimenta? 
A Policia dos costumes deve estar quase a entrar na caixa de comentários...
A sério agora, na mouche, o velho percebia de Finanças Públicas e o caso da recuperação económico-financeira portuguesa nops anos 30/40 é um caso de estudo. Sem considerações políticas e apenas técnicas. 
Acho que é uma má altura para a Causa Real, não existe abertura da maioria da população nem a comunicação da Casa Real está preparada para estes tempos. 
Espero que o Principe da Beira perceba os tempos em que vive e tenha outra abordagem.
Saudações 
Imagem de perfil

De Cristina Ribeiro a 15.10.2012 às 23:56

Também espero. Sinceramente o espero. Porque com " isto " que vivemos há já 38 anos, e com o tratamento " com pinças " que se antevê, seria, como dizia o Príncipe Fabrizio, apenas " mudar qualquer coisita para tudo ficar na mesma ".
Saudações.
Sem imagem de perfil

De Abel Matos Santos a 16.10.2012 às 01:30

é indisccutivel que Salazar fez bem a País, aliás recuperou a sua soberania e desenvolveu um Portugal moribundo e doente saído da 1.ª Republica.
Claramente falhou ao não passar o regime para uma monarquia. Foi a sua mácula, o seu erro.
Sem imagem de perfil

De Paulo Cunha Porto a 16.10.2012 às 16:38

Gostaria tanto como Caros Comentadores que precedem ter visto a Restauração chegar mais cedo, mas temos de ter em conta que:

Salazar não era Chefe de Estado, pelo que, ao contrário de Franco, era difícil devolver o País à Qualidade de Reino, ficando ele como Regente.

Aquando da morte do Marechal Carmona, reuniu o Conselho de Estado,, votando pela Restauração apenas Mário de Figueiredo e Cancela de Abreu, preferindo a maioria a candidatura à Presidência de outro Militar e esbracejando pela do próprio Salazar Marcello Caetano & Cª, possivelmente com a esperança de lhe abarbatar o lugar.

A personalidade de D. Duarte Nuno, que tomara a iniciativa de devolver ao País, não sossegava o Estadista quanto à capacidade de resistir às pressões dos adeptos da partidocracia. Ai, no que dera o sangue do Senhor D. Miguel!

O irromper do problema Ultramarino tinha de adiar de vez a questão. Se tivesse havido reposição no Trono, a derrocada de um qualquer 25 de Abril subsequente tê-lo-ia arrastado na torrente. E quem acredita que Soviéticos & Americanos ficariam paralisados na cobça só por Portugal ter voltado à Coroa?

O António sabia-a toda...

Para mim, Pimenta não foi incongruente ao apoiar até ao fim o Estadista do Vimieiro. Foi-o sim, quando, até 1914, acreditou no Republicanismo.

Beijinho, Cristina, cumprimentos aos Comentadores que contribuíram.

Comentar post







Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas