Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Basta isto para acabar a crise

por Samuel de Paiva Pires, em 02.11.12

A Autoridade Tributária descobriu finalmente o remédio para todos os males do país: exigir "fatura" (cobrar impostos é com eles, escrever português é que nem por isso). É o que basta. Não acreditam? Então verifiquem lá se não receberam este mesmo e-mail cujos delírios me escuso a comentar:

Exmo. Senhor

NIF
NOME

Assunto: Incentivo à exigência de fatura

A partir de 1 de janeiro de 2013 será obrigatória a emissão de fatura por todas as vendas de bens e serviços mesmo quando os particulares não a exijam.


Quando é emitida fatura, a Autoridade Tributária e Aduaneira (AT) garante o controlo e a cobrança do IVA correspondente. Se a fatura não for emitida esse controlo é impossível.

Se todos exigirmos fatura em todas as aquisições que efetuamos conseguiremos:

• Aumentar a riqueza conhecida que Portugal produz (PIB);

• Aumentar as receitas fiscais, sem pagarmos mais impostos;

• Aumentar a equidade e justiça entre todos os contribuintes portugueses;

• Diminuir o défice orçamental e criar condições para uma redução futura da carga fiscal;

• Criar melhores condições para que o nosso país possa ultrapassar com rapidez a fase díficil em que se encontra.

Quando não exigimos fatura contribuímos para:

• Aumentar a evasão fiscal e enriquecer ilicitamente aqueles que não pagam impostos;

• Diminuir a receita fiscal, que é uma riqueza de todos os portugueses;

• Prejudicar com mais impostos os contribuintes cumpridores.

O seu papel é decisivo. Exigir fatura não tem custos. É um direito e um dever de todos. E todos ganhamos. Portugal e cada um de nós.

Em breve receberá mais informação acerca dos benefícios fiscais (até € 250) que serão proporcionados a quem exige fatura.

Com os melhores cumprimentos.
O Diretor-Geral,
José António de Azevedo Pereira

publicado às 17:01


4 comentários

Sem imagem de perfil

De bst a 02.11.2012 às 17:47

Seria interessante que a Direcção-Geral se dirigisse aos Portugueses cumprindo a Lei e usando a ortografia em vigor (Decreto 35.228, de 8 de Dezembro de 1945 e
Decreto-Lei n.º 32/73, de 6 de Fevereiro.
Não há qualquer documento legal com força para revogar estes, que estão plenamente em vigor.
Sem imagem de perfil

De Carlos Sousa a 03.11.2012 às 15:15

Com esta medida, justa, diga-se, há uma maior partilha da carga fiscal. No limite, esta deveria diminuir em termos unitários, caso não aumente a despesa. De qualquer modo não irá alterar a crise social em que Portugal e a Europa se encontram. Crise social derivada das nossas opções de consumo. No fundo os europeus comportam-se como se vivem-se num sistema isolado. Eu poupo dinheiro ao ir à loja chinesa, ou a comprar produtos produzidos na ásia, e isso não tem mais nenhum impacto. O que se passa pode ser demonstrado num pequeno "teatro" em que a Europa, os EUA e a Ásia seriam 3 pequenas aldeias, com 100 habitantes cada uma. A maioria dos produtos consumidos no dia a dia dessas aldeias foram criados ou idealizados nos EUA e na Europa, por cerca de 5 pessoas em cada uma destas aldeias. Ao inicio, essas 10 pessoas davam emprego a outras 160 pessoas nas respectivas aldeias. E parte dos compradores desses produtos estavam nessas mesmas aldeias. De repente, esses 10 produtores pensaram que seria mais barato passar a produzir os seus produtos utilizando cerca de 90 pessoas na Ásia. e começaram a fazê-lo. Em consequência, a maioria das cerca de 160 pessoas que trabalhavam nestas fábrica foram despedidas. Felizmente o Estado EUA e o Estado Europa podia dar a essas pessoas algum dinheiro para sobreviver. Dinheiro esse que era utilizado para comprar os mesmos produtos, mas agora fabricados na aldeia Ásia. 


A história restante é conhecida. A solução depende de nós enquanto consumidores. 


Um estudo recente da Mckinsey revelava o movimento da massa monetária mundial nos últimos 200 anos. E mostrava claramente que ela se está a deslocalizar para a Ásia. Não porque eles tenham os produtos que o mundo procura, mas porque continuamos a comprar esses produtos como se o facto deles serem produzidos na Ásia não tivesse impacto na economia europeia.
Sem imagem de perfil

De P a 04.11.2012 às 10:27

 Pequena curiosidade - não sei se verdade se não mas, ouvi na TV uma senhora membr(a?) de organização que não lembro, afirmar que OITENTA por cento dos actos de compra a nível mundial são feitos por mulheres. A ser verdade é muito, mas muito, interessante.
Sem imagem de perfil

De P a 04.11.2012 às 10:17

 Outro dia, numa bomba de gasolina, (nestas NUNCA me dão talão de caixa, excepto se a pedir), no talão não constava o gelado que tb comprei além da gasolina. Pedi o talão referente à compra do gelado o que me foi recusado pois "os gelados não estão registados no computador". Foi preciso pedir livro de reclamações, que foi negado até chegar o gerente. Por sinal, em Ayamonte, foi-me negada a compra de 5 gelados por eu ter recusado uma soma escrita num papel (para poder aldrabar na conta - é o mais provável trantando-se de comerciantes espanhóis) e ter exigido "tarjeta de caja". Portugueses, andaluzes mesma luta mesmo combate!

Comentar post







Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas