Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




A histrionice balofa em torno das declarações de Isabel Jonet  é a prova viva do perigoso alheamento em que paira o debate público nacional. Concordo que a generalização a respeito dos hábitos de consumo dos portugueses não foi muito feliz, nem primou sequer pelo rigor analítico.  Porém, deixando de lado esse reparo, que não é de somenos - sim, o Samuel tem razão, há uma certa mitificação, ou mistificação bem vistas as coisas, na forma como comummente se fala no "viver acima das possibilidades" -, quando a presidente do Banco Alimentar afirmou que "não ter expectativas de que podemos viver com mais do que necessitamos, pois não há dinheiro para isso" não creio que tenha errado o alvo. Aliás, gostaria que me dissessem qual é a desinteligência, ou melhor, a desconformidade com a realidade desta afirmação? Nenhuma, hão-de convir. O país viveu durante anos, aliás décadas, inundado nas promessas mírificas do crédito fácil. Não poupou, não investiu parcimoniosamente, em suma, viveu e consumiu desaustinadamente. E, por mais que tentemos iludir estes factos, tal não se deveu só ao Estado. Os cidadãos participaram a seu bel-prazer na cornucópia da prosperidade ilusória. Houve desacerto nas declarações que Isabel Jonet proferiu? Houve. Mas, se formos ao cerne daquilo que foi dito, e analisarmos sem pruridos o conteúdo das palavras de Jonet, verificaremos que as mesmas não são assim tão destituídas de senso como alguns quiseram fazer crer.

publicado às 15:15


4 comentários

Sem imagem de perfil

De jonas a 10.11.2012 às 00:35

Está certo, Samuel, e poréma dado passo Jonet diz que não há miséria... não haverá tanta como já houve e poderá vir a haver, mas gente há que vive miserável, se já lá estava, e mais que lá foi dar, p+or via do desemprego, a impotência e desespero .
Imagem de perfil

De Samuel de Paiva Pires a 10.11.2012 às 02:32

Não fui eu que escrevi este post, foi o João Pinto Bastos :) E eu concordo com o que salienta - tendo sido o que eu procurei evidenciar aqui http://estadosentido.blogs.sapo.pt/2293989.html

Comentar post







Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas