Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Merkel em Portugal

por Nuno Castelo-Branco, em 11.11.12

 

Vestindo um uniforme português, Guilherme II com D. Carlos e D. Amélia (Lisboa, Março de 1905)

 

Poderá a muitos parecer  paradoxal, mas a Alemanha que esta manhã se apresenta em Portugal, é no todo continental, uma potência europeia bastante mais poderosa que aquela outra que há pouco mais de cem anos chegou em festiva visita a Lisboa.  Quando o Kaiser Guilherme II desembarcou no Cais das Colunas, esperava-o o seu primo D. Carlos I, soberano de um país com quem as possessões africanas alemãs delimitavam fronteiras comuns em África. Lisboa engalanou-se a rigor e saiu à rua, apinhando-se a multidão para ver passar D. Carlos e o seu poderoso convidado. Nem o povo agrediu verbalmente aquele que aparentemente ameaçava a integridade do império ultramarino português, nem os dois monarcas temeram desfilar entre muitos milhares de portugueses.

 

Vivia-se há muito um período de paz continental numa Europa onde Portugal podia contar com a interessada protecção britânica, potência ciosa da segurança das rotas marítimas e consciente da vital posição geográfica portuguesa. Já naquele alvorecer da Entente Cordiale à qual D. Carlos I ofereceu os seus bons ofícios em Paris e Londres,  o nosso país enfrentava as cíclicas crises financeiras, surgindo como um peão no gizar das alianças que uma década depois se digladiariam nos campos de batalha da Flandres, Balcãs e leste europeu. Portugal valia pela sua posição estratégica e sobretudo pelo seu precioso património ultramarino, a isto acrescentando-se a teia de laços familiares que uniam a Casa de Bragança às dinastias reinantes na Alemanha, Grã-Bretanha, Bélgica, Itália, Áustria-Hungria, Espanha e Roménia. Estilhaçado o sistema bismarckiano de segurança, no conjunto europeu o Kaiser encontrava escolhos difíceis contornar, enfrentando  o pesadelo da aliança franco-russa e a declarada hostilidade inglesa pelo frenético programa naval desenvolvido por Berlim. Pior ainda, os aliados da Alemanha eram de duvidosa solidez, dados os evidentes problemas internos do Império Austro-Húngaro, a óbvia decadência do Homem Doente da Europa - o Império Otomano - e a tradicional volatilidade da política externa da Itália.

 

A Alemanha, de facto o chamado motor europeu, é  agora industrialmente tão poderosa como aquela que o Kaiser governava e ao invés dos tempos do II Reich, pode contar com a resignada aquiescência de uma França em acentuado declínio e de uma Grã-Bretanha rotineiramente avessa aos assuntos continentais. O mundo  não é o mesmo, já não existem impérios coloniais e a queda do Muro de Berlim precipitou os acontecimentos. Com muito dinheiro e produtos de exportação, a Alemanha do nosso tempo, sem um exército outrora por todos temido, voltou a encontrar a sua parcial unidade e tornou-se no principal actor da chamada União Europeia, ditando por direito e mérito próprio, as políticas que para o bem e para o mal o bloco europeu segue sem alternativa. 

 

O actual regime colocou Portugal numa situação insustentável. Sem possessões ultramarinas, sem um mercado interno minimamente relevante, sem indústria, agricultura e poupanças, o país mergulhou no vórtice da despesa feita com o único e exclusivo fim de satisfazer as amolecidas clientelas eleitorais. A política faz-se pelo curtíssimo prazo e o país soçobra no descontentamento de uma população nada esclarecida acerca das realidades  contratualizadas pelos seus agentes políticos. O desastre é de tal monta que a chegada da Chanceler alemã - formatada pela provinciana mentalidade comunista da felizmente extinta RDA -, deve ser encarada de forma circunspecta, conscientes como deveríamos estar acerca da nossa total dependência em relação à boa vontade das autoridades alemãs, aliás bastante escrutinadas pela opinião pública do seu país. Os irados comentadores que têm passado as últimas duas semanas a vociferar dislates sem nexo, deveriam antes de tudo ter a perfeita consciência acerca do regime que vigora na Alemanha unificada, sem dúvida muito mais democrático, justo e confiável que aquele apresentado pela ignominiosa República Portuguesa. Ainda esta tarde, o visionar do cada vez mais caquético Eixo do Mal (SIC), consistiu num passatempo bem ao nível de certos Big Shows, sendo confrangedora a colecção de imbecilidades grasnadas por gente que não tem a menor ideia daquilo que é um Estado e as correspondentes regras que a diplomacia internacional há muito estabeleceu. Num Portugal que já recebeu Ceausescu, Fidel Castro, Samora e um infindável número de outras criaturas que para a história ficarão pelas piores razões, somos diariamente forçados a escutar uma descarada campanha que antes de tudo, tem como finalidade a desestabilização interna de um regime que sem dúvida vive a sua pior hora. Isto, quando dos portugueses se espera precisamente o oposto, dada a situação em que nos colocaram aqueles que hoje mais se indignam, os conhecidos executores de políticas, "direitos adquiridos", descarada incompetência e loucuras de duas gerações.

 

Em 1905, o Kaiser - cujo país, além de inquietante vizinho africano, era um importante credor de Portugal - foi bem recebido em Lisboa. A própria rainha D. Amélia dele conseguiu a promessa de moderação na sua próxima visita a Marrocos, então um ponto crucial no estabelecimento da balança internacional de poderes e por si só capaz de desencadear a guerra geral que todos temiam. Há 107 anos funcionou a boa diplomacia  e o cavalheirismo, apresentando-se aqui o soberano alemão como obediente seguidor das regras da etiqueta e insistindo no exercício das suas habilidades poliglotas, confirmou a presença de Portugal nos normais circuitos diplomáticos das potências europeias. 

 

Durante demasiado tempo a Alemanha despejou centos e centos de milhões nos cofres portugueses, não se sabendo bem quais os montantes exactos e qual o seu preciso destino. Os eleitores alemães disto têm a para nós embaraçosa consciência. Ninguém espera que amanhã a Senhora Merkel desembarque vestindo um qualquer uniforme de coronel honorário de um Regimento de Lanceiros do exército português, ou sequer se digne a ostentar uma condecoração - a propósito, já lhe conferiram alguma? - velha de séculos de passadas glórias de um país setecentos anos anterior à Alemanha unificada em 1871. Não sabemos se tal como Kaiser normalmente fazia, a Chanceler sabe exprimir-se noutra língua que não o alemão. Nesta época de acelerada decadência europeia nada disso é muito importante, exigindo-se apenas uma extrema prudência que como todos sabem, significa precisamente o oposto daquilo que os histéricos comentadeiros hoje descaradamente demonstram nas pantalhas dos noticiários: o medo.

 

Esta visita alemã, em muito supera aquelas outras protagonizadas por Schmidt ou Kohl, meros dirigentes de um país então dividido, sob a ameaça da força dos trinta mil panzers soviéticos estacionados desde o Báltico a Praga, totalmente dependente da protecção norte-americana e bem amarrado ao então ainda recente Eixo Paris-Bona.

 

Embora hoje devessemos estar a discutir outro assunto, não tenhamos medo e saibamos receber a Chanceler, tal como há 107 magistralmente o país soube acolher o temperamental imperador alemão. Infelizmente já não podemos contar com a impecável competência  de D. Carlos e de D. Amélia. Se vivêssemos noutro tipo de regime, a Chanceler seria hoje conduzida por um ou dois empregados trajados de libré, apresentando os obrigatórios cumprimentos ao Chefe de Estado "sem poder", calmamente a aguardando no seu escritório. Tal não acontecerá, esperam-na transitórios e nervosos subalternos. Temos o que temos e tal como a catastrófica crise é de única e exclusiva culpa deste regime - dos bem conhecidos e inamovíveis gatunos, corruptos, incompetentes e devoristas de serviço em Belém, S. Bento, bancos e certas empresas -, o facto de não termos anfitriões à altura do momento e capazes de manterem uma certa distância protocolar, é também da nossa inteira responsabilidade.  O "tu cá-tu lá" com que Merkel decerto tratará Cavaco Silva e Passos Coelho, seria completamente impossível no caso de contarmos outro tipo de pessoas em Belém e  sobretudo, uma outra instituição que a todos orgulhosamente representasse. Com um pouco de desejável arrogância dinástica postada ao cimo de uma escadaria de aparato, sempre se salvariam as aparências. 

 

 

publicado às 23:59


Comentar:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.







Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas


    subscrever feeds