Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Un chien andalou

por João Pinto Bastos, em 22.11.12


O início desta curta-metragem é particularmente sugestivo: a cena é assenhoreada pelo corte de um globo ocular. O simbolismo desta imagem, na sua violência chocante, esmaga-nos. Interpela-nos sub-repticiamente. Essa foi, em grande medida, a maior qualidade do surrealismo: o apelo ao inconsciente. Ao inconsciente aprisionado. Buñuel, numa sucessão de representações oníricas, captou, com a sua verve surrealista, única e torrencial, a psique do homem moderno. Com humor e fantasia. Para quem gosta da estética surrealista, e para quem quer, também, fugir ao horror do quotidiano nacional, tolo e estupidificante, vale a pena ver esta pequena película, um dos testamentos artísticos mais brilhantes de Luis Buñuel - devidamente secundado por Dalí.

publicado às 23:26


4 comentários

Sem imagem de perfil

De fgh a 23.11.2012 às 00:05

glóbulo ocular?
Imagem de perfil

De João Pinto Bastos a 23.11.2012 às 00:08

Peço desculpa, foi um lapso da minha parte. Obrigado. :)

De Anónimo a 23.11.2012 às 04:53

Imagem de perfil

De João Pinto Bastos a 25.11.2012 às 23:24

No meu caso não foi aos 17 anos, mas sim, depois. Foi, também, uma experiência extraordinária. Desde então fiquei um devoto do cinema de Buñuel. La Belle de Jour, por exemplo. 


Nota: Incluir Wagner na banda sonora, designadamente o Liebestod, é de mestre.

Comentar post







Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas