Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Há Lodo no Cais

por Fernando Melro dos Santos, em 28.11.12
Ontem, os deputados do CDS demonstraram três factos.

Um: que optaram por cavar ainda mais o fosso entre eleitores e eleitos, alienando os votos recém-conquistados e sepultando de vez a possibilidade de emergir uma ala liberal oriunda de dentro da máquina partidária.

Dois: má escala de valores tendo equiparado a responsabilidade partidária ao dever para com os constituintes. Por analogia, foi como se um piloto de aviação civil, com um Boeing 767 cheio de gente às costas, tivesse obedecido pronta e cegamente a uma ordem da torre que o mandasse afocinhar a direito contra um penedo.

Três: estupidez, muita estupidez... o momento político foi-se e agora a AR vai tornar-se um grande centro comercial à espera da falência.

publicado às 08:29


4 comentários

Imagem de perfil

De Fernando Melro dos Santos a 28.11.2012 às 09:33

Post-scriptum: houve deputados que apresentaram declarações de voto que vale a pena ler. Adolfo Mesquita Nunes é um deles. Gosto bastante de AMN. Contudo, uma declaração daquelas seguida de um voto a favor é como ter fumado e dizer que não inalou.
Sem imagem de perfil

De Duarte Meira a 29.11.2012 às 21:10

Caro Fernando:

Já saberia que entre nós, em política, os princípios, as ideias, a coerência sempre foram a excepção da habital e secular regra.

O CDS nunca foi e dificilmente alguma vez poderia ser liberal, com mais ou menos alas; e o que sempre foi (com expções pessoais de categoria), foi uma muleta faminta dos restos do poder que outros lhe consentem abocanhar.

Tudo isto é pedagógico, e que ao menos a lição não fique esquecida.

De resto, a crescente habituação estatista, em que temos vivido há mais de cinco séculos, se não foi invertida com sucesso após 1834, em que a corrupção do liberalismo terminou com a destruição da monarquia, - também não vejo como será agora viável, sem independência política nenhuma. Gravitamos em torno do eixo Paris-Berlim, como no futuro em torno do eixo Berlim-Moscovo, numa "democracia" cada vez mais concentracionária e totalitária. Não são bons auspícios para os liberais.

O liberalismo (como muitas coisas mais) tem de ser pensado de raiz, e os princípios têm de ser firmados noutro plano, que não o da "política" tal como a temos conhecido. Aliás de acordo com a transformação que o próprio "Estado", como o temos conhecido desde a Renascença, está a passar.
Imagem de perfil

De Fernando Melro dos Santos a 29.11.2012 às 21:14

Viva, caro Duarte,  e muito obrigado pela sua presença.


Interessa-me o insight contido na expressão "o eixo berlim-moscovo"; eu consigo ver uma NATO com a Russia a bordo enquanto broker de tecnologia, mas nao me entra a ideia de os ter na UE. Era essa a sua hipotese?
Sem imagem de perfil

De Duarte Meira a 29.11.2012 às 21:55


Precisamente, caro Fernando. Ainda o verá em dias da sua vida, que predumo jovem e desejo longa. Com a França cada vez mais irrelevante, quando a Alemanha já não conseguir aguentar sozinha esta UE (ou já com a Ucrânia dentro) e toda a Europa actual depender cada vez mais das energias russas... (Quando falo em energias, não estou a pensar apenas nas energéticas... Mas, neste caso, a dependência é tanta que ainda há poucos meses alemães e russo inauguram condutas submarinas através do Báltico a ligá-los directamente...)

Não sei é se chegará a ver o fim dessa UE transformada em Império Eurasiata. Serão décadas muito pouco agradáveis. (Mas sem guerras nenhumas, no sentido clássico. A guerra também se está a transformar. Viver-se-á uma espécie de "paz perpétua" kantiana, que será a perversão total de Kant...)

Comentar post







Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas