Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]






Há na montanha, ao vivo, a História Viva.

Recalcaram sôbre ela as as várias gentes:

Peregrinos, ou nómadas, ou bárbaros

Condusidos por Átilas e Césares;

Mas passaram: lá vão...Nos seus recóncavos

- E como o liquem agarrado à pedra -

Para sempre ficou a Raça estóica.


Reboa na montanha uma só fala,

Primígenas raizes dum só verbo.


Não assim a falaz babel oceânica,

Onde todos os rios balbuciam

A língua natural das várias fontes.


A montanha é estável, fidelíssima;

Subversivo é o mar, confuso e múltido.


As vagas - quási sem nenhum desígnio -,

Estas atrás daquelas acorrendo,

Embatem, no recontro, a espúmea fúria

Das que voltam na espuma da ressaca...

Desordenadas tribus do Deserto!


Não apenas um íncola, seu hóspede,

Mas terrantês, extático aborígene, 

Há na montanha um impassível povo.


Há nela um bem sei quê de Majestade,

De Realeza a todo o fundamento.


Formando pátrias, enfrentando pátrias,

Já soberanas Dinastias houve.

................................................................

...............................................................


E também a montanha é religiosa.

Tem a soidade mística de ascetas,

Nos fundos ermos meditando e orando


............................................................

............................................................


Antonio Corrêa d'Oliveira, « Elogio da Monarquia »


                        Toda a razão, Duarte Meira: " Ao nível do melhor que se escreveu na literatura portuguesa em todos os tempos. "

publicado às 21:55


Comentar:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.







Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas


    subscrever feeds