Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Vamos brincar à caridadezinha

por Samuel de Paiva Pires, em 02.12.12

Já não sei onde foi que li alguém que, citando a Bíblia, expunha um pensamento que subscrevo na íntegra: a caridade não é para se exibir, é para se fazer. E acrescento, com a caridade não se faz política, apesar de muitos insistirem em ir por aí. Mas gosto de ver várias pessoas satisfeitas consigo próprias por andarem a brincar à caridadezinha. Presumo que será pedir muito que se calem? Ou perguntar se não entendem como é ostensivo e ofensivo para muitos portugueses esse exibicionismo de um sentimento de satisfação por ajudarem os outros?  Como escreveu Camus, «Um homem é um homem mais pelas coisas que cala do que pelas que diz». E este exibicionismo é revelador quanto baste do pensamento de muitos. Pelo meio, muitos destes continuam a clamar pela destruição do Estado Social per se, sem qualificar aquilo a que se referem quando falam em Estado Social, esquecendo-se das raízes liberais e anti-socialistas do Estado Social. É que muitos adeptos da caridadezinha são também os que andam há décadas a aproveitar a "caridade" do Estado Social degenerado em Estado Socialista. Que façam bom proveito enquanto podem.

 

publicado às 18:17


6 comentários

Sem imagem de perfil

De Pedro M. Ferreira a 02.12.2012 às 20:54

Irrita-me de sobremaneira que brame aos altos céus que se deu a esmola a um mendigo ou que se deu ao BA um carrinho cheio de géneros... A caridade, tal como a Bíblia ensina-nos, é para ser praticada de forma silenciosa, pois assim não se confunde o amor que um acto caridoso inspira com a vaidade de um indivíduo que através da esmola procura o reconhecimento dos seus pares.

Estive presente na palestra que tu e o professor Adelino Maltez deram sexta-feira na E. Superior de São João de Deus, e ficou-me guardado na cabeça o exemplo da recta mal desenhada.

No fundo, o combate a pobreza passa por tentar desenhar uma recta perfeita. E a promoção da caridade enquanto solução política acaba por ser o reconhecimento de que como nunca iremos ser capazes de desenhar uma recta perfeita, mais vale continuarmos a desenhar a recta como sempre desenhámos.
Sem imagem de perfil

De Pedro M. Ferreira a 02.12.2012 às 20:55

Só para corrigir uma pequena gralha: Irrita-me de sobremaneira que se brame....
Imagem de perfil

De Samuel de Paiva Pires a 02.12.2012 às 22:01

"pois assim não se confunde o amor que um acto caridoso inspira com a vaidade de um indivíduo que através da esmola procura o reconhecimento dos seus pares." - precisamente!


Como escrevi há umas semanas (http://estadosentido.blogs.sapo.pt/2293611.html), "Aqui, entram em choque duas visões que de forma simplista denominamos como sendo de esquerda e direita. A primeira defende políticas sociais emanadas a partir do estado, ao passo que a segunda defende a acção da sociedade civil, neste caso, a caridade. Tendem, infelizmente, entre os seus apoiantes, a excluir-se. Eu acho que a virtude está no meio, e que estas duas visões não só não podem ser exclusivas, como se complementam. Um estado moderno não pode deixar de ter políticas sociais com o objectivo de não deixar cair os indivíduos abaixo de um determinado limiar de dignidade humana. E a caridade enquanto amor e serviço ao próximo, é essencial para a coesão de qualquer sociedade."




Sem imagem de perfil

De Pedro M. Ferreira a 02.12.2012 às 23:12

Nem mais Samuel. A virtude está de facto no meio.

Não podemos menosprezar o papel que as instituições de caridade prestam à sociedade enquanto paliativo da pobreza e da fome.  Convém é que não se esqueça que a miséria é socialmente corrosiva e que para travá-la não bastará a humildade generosa de alguns.
Sem imagem de perfil

De Carlos G. Pinto a 02.12.2012 às 21:35

A regra geral é, de facto, a caridade não ser algo que se exibe. Abre-se, quanto a mim, uma excepção quando esse acto assume contornos políticos. Quando há petições sempre da mesma área política para que uma certa instituição, neste caso o BA, seja boicotada, tornar pública o seu apoio não é apenas um acto de caridade, é também um (pequeno) acto político que, esse sim, pertence à esfera pública.
Imagem de perfil

De Samuel de Paiva Pires a 02.12.2012 às 21:54

Curiosamente, só vi o teu post depois deste, e percebo perfeitamente o teu post no contexto político que referes. Aliás, a caridadezinha a que me refiro nada tem a ver com as campanhas do BA ou as afirmações de Isabel Jonet. Como comentei no meu FB, tem a ver com os que andam por aí a exibi-la muito satisfeitos consigo próprios e aqueles que até se aproveitam politicamente de tal.

Comentar post







Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas