Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




O homúnculo democrático

por João Pinto Bastos, em 13.12.12

O homem-massa está a entrar em ebulição. O fim do modo de vida dissipador empoleirado no pastiche pequeno-burguês terminará em breve, disseminando os seus escombros por todo o lado. O universalismo democrático, que produziu este homem atomizado, e que fez, também, as delícias de tanta intelligentsia ignara, sucumbirá sob o peso da dívida interminável. E a liberdade? Eis a questão do milhão de dólares. O Miguel Castelo Branco descreveu bem a coisa, alertando para um problema que, bem vistas as coisas, é o nó górdio da questão: os homúnculos que compõem os modernos regimes democráticos são "gente igual, violenta e incontrolável, presa dos instintos, falando com os punhos." Acreditam que, nestas condições, a liberdade será defendida? Não me parece. Mais, acredito que o que vem aí será, em grande medida, um futuro liberticida. Com a suprema unção dos estatistas do costume.

publicado às 21:43


3 comentários

Sem imagem de perfil

De Duarte Meira a 13.12.2012 às 22:22


Caro João Pinto Bastos:

Como sabe, a liberdade, se existe ou não na realidade e em que medida, é questão sumamente difícil, muito controversa e debatida. E há pessoas de não pouca inteligência e experiência que negam tal realidade, total ou parcialmente.

Mas, na "política" e no mundo dos políticos, tudo já está resolvido sem dúvidas nenhumas,  e foi uma das mais entoadas sereias com que nos toaram aos ouvidos e cativaram a imaginação desde 1974, e mesmo antes. É um dos grandes mitos modernos ocidentais, que só tem paralelo no da "Educação".

Não disse que não há liberdade. Mas, em termos políticos, parece-me certo que, desde que perdemos o controlo dos recursos e mercados de África, e nos submetemos sem condições nenhumas à "Europa", perdemos enquanto Estado qualquer autonomia política credível; muito mais ainda quando estamos amarrados ao "serviço da dívida" por décadas sem fim à vista. De maneira que o "futuro liberticida" já o temos por cá, conforme experimentam aqueles pobres que, depois das 8 da noite, se trancam em casa e não se atrevem a sair à rua. (E aqueles ricos que se amuralham em condomínios fechados com segurança à porta e no interior.)

Isto quanto à "política", no velho sentido do termo. Mas questões decisivas já não estão (e nunca estiveram) a esse nível. Se me permite uma sugestão amiga, meu caro João Bastos, preocupe-se com a SUA libertação e a dos que lhe são próximos. Acredito tanto na liberdade que até acho que é possível estar livre dentro da mais apertada cela. (Lembre-se de Sócrates. E compreenderá o que eu quis dizer com libertação se, antes de quem importa, quando eu falei em Sócrates se lembrou do outro descontrolado que desgovernou primeiro para ir "estudar" depois.)
Sem imagem de perfil

De Duarte Meira a 13.12.2012 às 23:06


Permita-me relembrar as inolvidáveis palavras proféticas do grande Tocqueville:

« Vejo uma multidão inumerável de homens semelhantes e iguais, que sem descanso se
voltam sobre si mesmos, à procura de pequenos e vulgares prazeres, com os quais
enchem a alma. Cada um deles, afastado dos demais, é como que estranho ao destino de
todos os outros: seus filhos e seus amigos particulares para ele constituem toda a
espécie humana; quanto ao restante dos seus concidadãos, está ao lado deles, mas não
os vê; toca-os e não os sente; existe apenas em si e para si mesmo, e, se ainda lhe resta
uma família, pode-se ao menos dizer que não tem mais pátria.»

E é sobre esta multidão anónima que se eleva um Leviatânico « poder imenso e tutelar,
que se encarrega sozinho de garantir o seu prazer e velar sobre a sua sorte. É absoluto,
minucioso, regular, previdente e brando  ... »

E este poder duma "brandura" melíflua e letal , meu caro João, não é já e será cada vez menos o dos "estatistas do costume", que andam a fazer de "políticos" nas televisões.
Imagem de perfil

De João Pinto Bastos a 17.12.2012 às 22:32

Duarte,


Estou a reler Tocqueville, em grande medida, devido à minha preocupação relativamente a esta questão. A Liberdade é um princípio fundamental, repetidamente sujeito a abalos das mais variadas e insuspeitas origens. O que me parece evidente é que, hoje, mais do que nunca, não basta falar da liberdade em abstracto. É preciso mais, bem mais. É necessário conjugar a Liberdade com as liberdades. O futuro do liberalismo universalista, o que é discutível e daria azo a uma grande discussão, encontra-se, a meu ver, ameaçado. E o cerne desta ameaça começa e termina na Liberdade com maiúscula.

Comentar post







Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas