Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Ainda Isabel Jonet

por Samuel de Paiva Pires, em 14.12.12

Pacheco Pereira está cheio de razão sobre as intervenções de Isabel Jonet. Se muitos conseguissem sair da redutora e primária posição de defender as patetices proferidas por Isabel Jonet, que têm uma carga ideológica e um pensamento sobre a sociedade - ainda que rudimentar - evidentes, e com que estou em absoluta discordância, apenas porque a sua obra é meritória, talvez pudessem então vislumbrar a "bigger picture". Mas para isso era preciso que também deixassem de acreditar no mito do "viver acima das possibilidades", muito em voga para os lados do Governo. Ler este artigo talvez ajude.

 

Leitura complementar: O mito do viver acima das possibilidadesMarx a rirDuas petiçõesPobreza intelectualVamos brincar à caridadezinhaA indecorosa leveza da ideologia da caridadezinha; Raiva.

publicado às 14:00


4 comentários

Imagem de perfil

De Nuno Castelo-Branco a 14.12.2012 às 16:14

Samuel, o pior de tudo é existir a bastante credível suspeita do senhor Pacheco Pereira - que risivelmente julga ter uma agenda política... - estar a fazer-se distraído, indo assim ao encontro da velha pecha esquerdóide acerca da caridade. Curioso, se utilizares a mesmíssima palavra nos países anglo-saxónicos, ou melhor, se a praticares, serás um filantropo, um agente benigno, exemplar. Eles bem sabem o que caridade quer dizer e limitam-se a preservar o conceito, impoluto e sem vícios de cacicagem à la mode. Os nossos daniéis oliveiras, presentes ou pretéritos, acharam por bem incluir a palavra num rol de iniquidades, até porque se ajusta perfeitamente ao mais chão anticlericalismo. O cerne da  questão prende-se sobretudo como a monomania estatizante, onde "a solidariedade" - com aquelas imagens de gente aos magotes descendo avenidas de florzinhas em punho, cançonetas e homenagens a parasitas bem pensantes - faz a vez da deposta caridade. A caridade pressupõe uma constante entrega ao outro, a ajuda desinteressada, enquanto a dita solidariedade, pela triste experiência da nossa história, trata-se apenas de mero clubismo com reflexos na recompensa interesseira e num âmbito mais vasto, um excelente pretexto para a extorsão através do fisco. 


Como o sr. Pacheco não é parvo, talvez fosse melhor lembrar-lhe qualquer coisa, quiçá em inglês. Serve como um bom substituto de fosfoglutina:
http://en.wikipedia.org/wiki/Charity_(practice)


e aqui, já agora:
http://en.wikipedia.org/wiki/Charity_(virtue)


A wiki é limitada, mas serve de refresco de memória e o iracundo blogueiro escusa de ir á sua bem recheada estante.


Dizes que ..."apenas porque a sua obra é meritória" ? Apenas? Isso é praticamente um autêntico programa de vida e até agora não vislumbrei qualquer seguidismo politiqueiro, Sam! Até prova em contrário, Jonet é inatacável e subscrevo totalmente a frase "viver acima das suas possibilidades", pois andamos há duas décadas enfronhados numa ilusão do crédito fácil, viagens "low-cost", carro ano sim ano não, endividamento sobre endividamento, etc. ´É esta a verdade. Há umas semanas, o acima citado comentadoreiro de domingo à tarde sugeria a substituição da sra. Jonet, até ao ponto de se atrever a pronunciar o nome de forma jocosa e sem deixar de lhe chamar "tia" - já nem sei se foi o Oliveira ou irmãzita siamesa, a ex-santanete descolorada -, numa daquelas tiradas típicas de bon à rien. 
Carga ideológica abusiva tem sem dúvida, tudo aquilo que a nomenklatura arrota quotidianamente. Ali não existe nada de positivo, de palpável e que aproveite a outrém. Além do palavrório fácil, jamais os verás erguer qualquer tipo de instituição dedicada ao bem estar alheio. Jamais. Isso fica para as Jonet deste mundo.


Isabel Jonet está precisamente naquela posição em que pode permitir-se a dizer muitas coisas com as quais até poderemos estar em desacordo pela estilo, pois o que mais fica é a obra. Não valerá a pena insinuarem pontos obscuros nessa "ong" - Oliveira também a isso se referiu, claro -, passível de investigação. Tudo isto não passa de uma abjecta cortina de fumo destinada a ocultar o total fracasso de uma boa parte do regime que aliás, aqui e ali tem boa obra, bastante positiva.


 Jonet não é uma figura política, pode e deve dizer livremente o que entende e decerto saberá o que significa caridade, até porque a pratica à boa maneira inglesa e já agora, norte-americana. 


Pois, eu sei, sou um primário.
Imagem de perfil

De makarana a 14.12.2012 às 20:13

Caro Nuno, leu o artigo de Paul de Grauwe no expresso, sobre quem realmente viveu acima das suas possibilidades? Não terá sido antes os bancos alemães ,holandeses e portugueses que emprestaram mais do que deviam e a quem não deviam ter emprestado?
Imagem de perfil

De makarana a 14.12.2012 às 20:14

E se eu lhe disser que, detrás de uma explicação mainstream , há uma explicação verdadeira e inconveniente para alguns sectores como o financeiro?
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 14.12.2012 às 22:35

Sem duvida caro Nuno, vc é um fascista primário. E a Jonet uma dondoca beata, que relembra as Supino Pintos do nojo que tem sido este País. Mas a história nunca se repete e muito menos nos mesmos moldes.

Comentar post







Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas