Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Marcelo e a decoração governamental

por John Wolf, em 14.01.13

Marcelo Rebelo de Sousa não engana. É um comunicador por excelência e um razoável nadador. Semanalmente lê centenas de livros na diagonal. Corrigo-me, na vertical. Para além dessas recensões televisivas, comenta qualquer matéria que se lhe apresente. É um take-away da televisão. Chega ao balcão e dispõe as afirmações que alguém há de engolir, tal o entusiasmo do vendedor. Para além disso, não conheço tema que tenha rejeitado por se sentir incapacitado. É membro do conselho de Estado e funciona como preparador de atletas políticos caídos em desuso, mas que no seu entender devem regressar às equipas principais com uma nova posição em campo, um novo entusiasmo. No fundo, o Marcelo é como um olheiro que fala ao mesmo tempo. Quando disse que era conselheiro de Estado esqueci-me de acrescentar que também é conselheiro de Governo. Contudo, após largos anos de apreciação da realidade política e alegadamente da matriz cultural do país, acaba por cometer erros e repetí-los com a mesma naturalidade. A haver uma remodelação governamental, porque razão os Portugueses desejariam aqueles velhos conhecidos que nada acrescentam às funções que se lhes possam atribuir. Marques Mendes não está interessado, e porque razão Morais Sarmento é o homem certo? As opções sao escassas - afirma Marcelo. São escassas porquê?  Não se encontram na sociedade civil indivíduos com sentido de Estado, com competência e independência? Não entendo esta insistência na consanguinidade política, na aplicação da máxima que parece algo mínimo - a prata da casa que nem sempre serve. A situação parece ser tão dramática por terem de recorrer a jogadores, que embora não tinha sido suspensos por actividade danosa, nada podem oferecer para alterar seja o que fôr. Se é isto que Marcelo Rebelo de Sousa apresenta como melhor proposta, aqui há gato. À primeira vista poderia dar ares de uma remodelação certeira, consensual dentro e fora do partido, por serem dois meninos políticos inofensivos. Mas não acredito. Julgo que esta ideia sem sal não acontece de um modo ingénuo. Como se o Marcelo estivesse distraído a olhar para o relógio ou a rabiscar uma nota televisiva. Podemos interpretar isto de outro modo. Ao se substituir uma peça deficiente por outra inútil, o jogo prossegue no mesmo tabuleiro e chega-se ao mesmo destino de descalabro como se nada fosse. Se um génio fosse integrado no plantel iria começar a ter as suas próprias ideias e isso seria um perigo para o governo de Passos Coelho. A remodelação leva em conta um certo perfil. Tem de ser um bicho mansinho, um político perfeitamente domesticado que não morda a mão do dono.

publicado às 12:14


7 comentários

Imagem de perfil

De Nuno Castelo-Branco a 14.01.2013 às 15:19

Se ele recomenda, é de desconfiar dessa graciosa vichysoise.
Imagem de perfil

De John Wolf a 14.01.2013 às 15:58

Viva Nuno,
Água de Vichy ou governos da mesma estância...podem dar azia!
Abraço,
John
Imagem de perfil

De Artur de Oliveira a 14.01.2013 às 18:05

O que ele quer sabemos nós: o cadeirão de Belém...
Imagem de perfil

De John Wolf a 14.01.2013 às 19:33

Cuidado com as cadeiras...há quem tombe delas!
Sem imagem de perfil

De mike a 15.01.2013 às 18:52

Este senhor não foi um dos que foi contratado para defender o BPN? e agora vai para o estado? pois claro....
Sem imagem de perfil

De mike a 15.01.2013 às 18:54

referia-me, claro, ao Morais...

Comentar post







Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas