Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Utopias em dó menor

por João Pinto Bastos, em 15.01.13

Ferro Rodrigues ainda acredita em estórias da carochinha. Só isso, e apenas isso, consegue explicar o porquê de o ex-líder socialista, agora alçado a uma espécie de Sedvém da esquerda festiva, acreditar que num dia não muito longínquo a totalidade do espectro partidário português unir-se-á em torno de um programa de salvação do que está e teima em estar. Alguém acredita que o partido dos órfãos norte-coreanos e o ajuntamento de pequenos burgueses dados a radicalismo estéreis juntar-se-ão às restantes "forças vivas" - sim, falar em sociedade civil em Portugal é um exercício a que nem o Professor Karamba arrogar-se-ia - na reforma que urge fazer? Receio bem que Ferro Rodrigues ande a ler contos infantis em excesso, porque, muito francamente, há afirmações que só um total alheamento da realidade pode justificar. Um compromisso é necessário, diria mais, é indispensável, isto, claro, se os fautores da capitania oligárquica abrileira ainda quiserem salvar o mínimo dos mínimos, contudo, um pacto de regime implicaria uma faxina bem profunda em muitos dos interesses que por aí deambulam. Coisa difícil, não é? Com um debate político em níveis tão baixos temo que a primavera que ora se aproxima reserve muitas surpresas.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:18


1 comentário

Sem imagem de perfil

De Anónimo a 15.01.2013 às 11:12


Ler contos duvido, mas é publicamente sabido que ele anda por dentro do infantil, o fdp

http://www.youtube.com/watch?v=8FPLhDFaylc (http://www.youtube.com/watch?v=8FPLhDFaylc)

Comentar post







Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas