Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Selvagens na Noite (2)

por Fernando Melro dos Santos, em 15.01.13

Ainda hoje tentarei escrever na senda do tema que o John aqui deixou há momentos, por ser coisa que me anda na mente desde há uns anos valentes. É de facto crucial que nos apercebamos, a partir de uma perspectiva tão distanciada e abrangente quanto possível, do real estrago que se abateu sobre Portugal. Não falo do Portugal onde reina o sempiterno modus faciendi da chico-espertice e do saque instituído, mas sim de outro; daquele onde cresci, e por cujo ar respirável solto ais de saudade de cada vez que acordo e constato o contraste com a canalhice corrente. Algo correu muito mal aquando da implementação do regime de inspiração neo-socialista nesta aldeia nefanda, e há culpados, e não são poucos nem anónimos. 

 

Mas isso fica para depois. Vim só trazer mais um link.

publicado às 11:32


6 comentários

Sem imagem de perfil

De Armindo Matos a 15.01.2013 às 11:46

Mais uma piscina, boa!
Imagem de perfil

De Fernando Melro dos Santos a 15.01.2013 às 11:53

É o bem comum. Quem sou eu para contradizer os druidas municipais. Eu falo assim mas depois quero estradas. Os portugueses sabem que sem Estado não haveria estradas, nem piscinas, nem vida na Terra e a tuberculose ainda seria a principal causa de morte entre os mais desfavorecidos.
Sem imagem de perfil

De Armindo Matos a 15.01.2013 às 12:18

E rotundas com duas saídas.
Imagem de perfil

De Fernando Melro dos Santos a 15.01.2013 às 13:48

A modernidade. Porquê cortar? As pessoas contam mais. Se todos pagarmos, pagamos todos muito menos.
Sem imagem de perfil

De Aldo a 15.01.2013 às 17:49

Todos a pagar, pois bem, só que a classe parasitária estatólatra paga só para inglês ver, pois a posteriori reembolsa com múltiplos juros e prebendas provindas das falcatruas, desvios, achaques e outras formas que a inescrutável criatividade dos larápios sequer me permitem imaginar.
Sem imagem de perfil

De Duarte Meira a 15.01.2013 às 21:22

«Algo correu muito mal aquando da implementação do regime ... »

Algo correu exactamente como se queria. Lembre-se de o que Melo Antunes veio confessar, pouco antes de falecer, sobre a hecatombe do abandono africano.

O Portugal que o Fernando ainda conheceu e eu conheci desapareceu com as migrações para o estrangeiro, as cidades e o fim da cultura tradicional, rural e marítima, substituída pela cultura tecnocientífica e do entretimento de massas. Esta gente, envelhecida e envilecida está em processo de extinção demográfica.

Os "portugueses" do séc. XXII já serão diferentes, mais do que os portugueses eram diferentes dos "lusitanos".

Alguma coisa de essencialmente permanente subsistirá? Veremos o que o Fernando terá a dizer sobre tudo isto.

Comentar post







Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas