Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Arménio Carlos, professor de racismo

por John Wolf, em 27.01.13

 

O secretário-geral da CGTP, Arménio Carlos, escolheu o momento mais pedagógico, rodeado de professores, para demonstrar inequivocamente que é um racista. Não há absolutamente nada que possa fazer para redimir-se. Ficou registado e não se apaga. O dirigente sindical ofende e insulta muitos homens e mulheres, mas não atinge o rei-mago do FMI com argumentos baseados na inteligência, na ética ou no próprio tom de pele. Este senhor está bastantes níveis acima do Carlos. O Carlos não dispõe de argumentos para se esgrimir de um modo honrado, por isso serviu-se de um rasgo gutural sincero. Revelou através da raiva, a sua verdadeira natureza extremista, fascista, muito mais danosa que as esquerdas ou direitas todas juntas. O Arménio Carlos, ao expressar-se de um modo intencionalmente racista, inclui nessa discriminação os trabalhadores Portugueses de origem Africana, sejam Cabo-Verdianos, Angolanos, Moçambicanos ou os de origem Indiana como os Goeses. Todos eles agraciados com uma tez própria, mas com os mesmos direitos laborais. O Arménio Carlos declara-se profundamente antagonista da história de Portugal que integrou tantos credos e tons de pele. Ao servir-se do qualificativo "mais escurinho " está a referir-se, sem o desejar (ou não), a mais gente que também tem responsabilidades na representação de princípios e valores. Ora vejamos; o Presidente da Câmara de Lisboa António Costa, o deputado Narana Coissoró ou a mulher do Primeiro Ministro também caem na "categoria" de mais escuros. O sindicalista julga que beneficia de um estatuto de imunidade racial, como se fosse intocável por ser líder daqueles que, por trabalharem, têm o direito de cometer os atropelos que entenderem. Contudo, há uma ilação a extrair desta barbaridade preconceituosa do Arménio Carlos. Se pensarmos sobre a relação entre a questão racial e o poder político, estranhamos que no Parlamento ou no Executivo não se vislumbrem outras cores, para além do Rosa, Laranja ou Azul. O mesmo ocorre na oposição que nunca chegou ao poder, que está parada no Vermelho, no semáforo da separação ideológica. O proferido por Arménio Carlos merece a maior condenação possível, independentemente do conceito de politicamente correcto que se venha a adoptar. Um homem com esta inclinação não merece chefiar a luta contra a escravatura imposta pela Troika. Podem ter a certeza que a Troika é daltónica. Para além de surda e muda, também é cega.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:33


20 comentários

Sem imagem de perfil

De José Maria a 27.01.2013 às 14:39

Continue a sair dinheiro do estado( dos meus bolsos) para os sindicatos...lol
Imagem de perfil

De John Wolf a 27.01.2013 às 14:40

Boa tarde José Maria,
Viva!
É mais uma dimensão, sim senhor.
Obrigado.
John
Sem imagem de perfil

De José Maria a 27.01.2013 às 14:48

Olá John:


Enquanto este Sr se der ao luxo de viver a pala do sindicalismo e dos trabalhadores então que o faça bem como qualquer outro bom profissional. Ele que lute e trabalhe pelos trabalhadores e que não ande a dizer asneiras só porque já tem o "tacho" dele ;). Da minha parte só me interessa o dinheiro que pago de impostos nestas "brincadeiras" quando o mesmo devia ir para as pessoas que precisam verdadeiramente e estão a passar fome. Mas é só a minha opinião e vale o que vale. Abraço.
Imagem de perfil

De John Wolf a 27.01.2013 às 14:51

Precisamente! Nem isso ele é capaz de fazer de um modo competente. Defender os trabalhadores e aqueles que passam muito mal.
Sem imagem de perfil

De José Maria a 27.01.2013 às 14:57

E uma verdade. Porque o mais importante para ele e para outros tantos(e acredite que são muitos) e levar uma bela vida luxuosa seja que maneira for. Mas infelizmente a culpa é dos trabalhadores porque foram eles que o elegeram e vão pagar caro por isso. O tempo o dirá... Pior cego e aquele que não quer ver, porque está tudo a nossa frente e só vemos o que nos interessa..lol.. 
Sem imagem de perfil

De José Maria a 27.01.2013 às 15:12

Desculpe a minha frontalidade mas hoje é domingo e é o único dia de folga semanal que tenho e gosto de passear pela "net" e mandar uns "shoots"...Depois só no próximo Domingo porque tenho muito trabalho e tenho de olhar por mim e pelos meus em primeiros lugar ;)...
Imagem de perfil

De John Wolf a 27.01.2013 às 15:17

Caro José Maria,
Sei do que fala em primeira mão! Retomaremos a conversa em breve.
Bom Domingo.
John 
Sem imagem de perfil

De José Maria a 27.01.2013 às 15:33

Para si também John. Abraço e continuação de um bom Domingo.
Imagem de perfil

De jojoratazana a 27.01.2013 às 15:40


Peço desculpa o Abebe Selassie é branco?
Bem me parecia que tenho de trocar de óculos.
Sem imagem de perfil

De SOS Racismo a 27.01.2013 às 20:09

Na teoria do complexado que dá pelo nome de John Wolf o Selassie é preto mas não se pode brincar com isso....diga-se, em abono da verdade, que no partido do jojoratazana também não faltam complexos desses, principalmente entre os militantes mais jovens. A esse nivel a JCP pouco se distingue do Bloco de Esquerda hiper politicamente correcto.
Imagem de perfil

De José Maria Barcia a 27.01.2013 às 15:53

Eu estive lá a tirar fotografias. Quando ouvi o comentário ''daquele mais escurinho'' até estranhei. Teria sido uma piada ou um vómito mental? Tinha sido o segundo e também reparei que muitos manifestantes à minha volta tinha ficado perturbados com o Carlos.
Imagem de perfil

De John Wolf a 27.01.2013 às 15:58

É muito grave a afirmação. Nos EUA, que já tiveram o seu Apartheid, uma declaração desta natureza traria consequências substantivas. Jurídicas, dando azo à sua demissão. A caminhada foi longa para se chegar ao Obama. Eu votei duas vezes num homem brilhante. O próximo presidente poderá ser um certo Hispânico absolutamente genial...
Imagem de perfil

De Nuno Castelo-Branco a 27.01.2013 às 22:57

Pois sim, mas no preciso momento em que fundações mafiosas como a Rockefeller despejavam mundos e fundos nos cofres dos movimentos de "libertação" - sim senhor, grande libertação foi aquela, deu origem a genocídios, pela guerra e pela fome, etc -, no sul dos Estados Unidos da América ainda existia uma abjecta segregação que privava os negros de frequentarem restaurantes, bares, escolas, transportes públicos reservados a brancos. Exactamente como na África do Sul e pasme-se, ao contrário do que acontecia em Angola e Moçambique, por exemplo.Sabe-se bastante acerca das quezílias que dilaceraram a sociedade norte-americana durante os mandatos de Kennedy e Johnson.
Imagem de perfil

De Nuno Castelo-Branco a 27.01.2013 às 22:58

John, em Angola e Moçambique todos sabiam o que por lá se passava e se nas províncias ultramarinas o regime era injusto, pelo menos livrou a geração dos meus pais - e a minha - dessa vergonha. Estávamos atónitos com o descaramento dos norte-americanos, formalmente nossos aliados e ferozes críticos da presença portuguesa em África. Tudo fizeram para nos prejudicar no campo diplomático e militar. Escandaloso, éramos e ainda somos aliados. Com o decorrer do conflito, a "comunidade internacional" verificou que nos dois maiores territórios a guerra não estava a cumprir aquilo que as duas superpotências imaginaram, quiçá uma rápida vitória dos seus fantoches do MPLA, FRELIMO, FNLA. Adoptaram outros expedientes, enveredando por um imenso rol de mediáticas atoardas acerca de "massacres". Nisto colaboraram escandalosamente certas grotescas igrejolas protestantes Made in USA, num descarado labor subversivo ao qual o Estado português pouca resposta poderia dar, verificando-se a enorme influência que esses patetas exerciam sobre a administração que no Vietname fazia uma guerra que transformava o conflito nos territórios portugueses, em meros treinos sem qualquer importância. 
Imagem de perfil

De Nuno Castelo-Branco a 27.01.2013 às 22:59

Isto serve para explicar a total falta de credibilidade de certas histerias do politicamente correcto empanturrado até à exaustão pelos media norte-americanos. Obama ganhou as eleições com um grande número de eleitores brancos, disso não existe a mais pequena dúvida e a sua chegada à Casa Branca consistiu num necessário appeasement que levou muitos negros a sentirem-se mais integrados. Por outro lado, também existe uma ridícula condescendência para o recontar da História, permitindo-se todo o tipo de disparates que nos EUA são levados muito a sério. A própria classificação de "caucasiano", "hispânico" e afro-americano é completamente ridícula, falsa e abusiva. Ainda não há muito tempo, uma professora "afro-americana" - é este o termo correcto, não é? Quando lá estive e disse que era afro-português, iam-me matando ;) - garantia que Cleópatra era africana e "tão negra" como ela própria! Isto, com o ar mais seriamente enervado deste e do outro mundo. Falava a fulana do Antigo Egipto e a conclusão que tirou foi a de colocar o reino dos faraós ao mesmo nível de outras culturas africanas como a do Zimbabwe, Benim, etc. O Antigo Egipto como um dos berços da civilização ocidental era para a "doutora" uma coisa tão estranha como a existência de venusianos. Em suma, não entendem nada de nada e se então passarmos ao catastrófico episódio da escravatura, metemo-nos num barril de nitroglicerina. As coisas que por lá ouvi, meu Deus! Tendo nascido num país que aboliu no seu território europeu a escravatura uns 100 anos antes da Guerra da Secessão, pelos states acreditam piamente que todos aqueles milhões de infelizes desembarcados nas antigas 13 colónias, foram escravizados devido ... a "aliens" provenientes do sudoeste europeu. No momento em que se espancavam miúdos negros por se atreverem a entrar em escolas reservadas a brancos, metade da minha turma na primária (1965-66) era composta por negros. Em Lourenço Marques, Moçambique. Podia estar aqui a noite toda a falar disto, mas não vale a pena, sabes do caso tão bem ou melhor que eu próprio. Quanto ao Arménio, o homem é um descerebrado e um boca-rota, enfim, um embaraço para os seus próprios aliados. Se há quem disto ainda não se apercebeu, parece-me ter chegado o momento para fazê-lo, até porque antes do 25 de Abril, o Palácio de S. Bento contava com uma boa quantidade de deputados negros provenientes do Ultramar. Quantos lá se sentam hoje em dia? Que eu saiba, o CDS fez eleger um mestiço e ficamos por aqui. Repito, o CDS, não um dos camaradas da esquerda.
Sem imagem de perfil

De Pedro Castanheira a 28.01.2013 às 08:35

Em Angola ainda era pior por causa dos diamantes e do petróleo. Desconfiávamos de todos os americanos que chegavam a Luanda e nem os agentes da Ford escapavam à suspeita.
Imagem de perfil

De John Wolf a 28.01.2013 às 10:13

Viva Nuno,
A afirmação não deixa de ser grave qualquer que seja a paragem e independentemente da nacionalidade da pessoa que a produz. O problema é deixá-la passar de um modo impune. Se toleramos esse desvio ao abrigo do princípio de um "mal maior" que nos aflige (Troikas e companhias), grão a grão chega-se à intolerância de facto, à xenofobia, ao nacionalismo que conduz à cegueira. A palavra foi muito mal escolhida e não pode passar por uma graçola.
Obrigado pela achega!
Cordialmente,
John 
Imagem de perfil

De Nuno Castelo-Branco a 28.01.2013 às 12:06

A graçola vai passar, podes ter a certeza. O bando deles funciona sempre em matilha nada de mais dali sairá. Silenciam a coisa e tudo segue como dantes. Os tratos de polé ficam para o Berlusconi...;))))
Sem imagem de perfil

De José Maria a 27.01.2013 às 16:08

Quando esse Sr chegou a "boss" da CGTP a primeira experiência que fez foi fazer uma manifestação onde foram trabalhadores dos 4 cantos do país (uns tinham o dia pago pelo sindicato, outros não e perderam uns cobres) para mostrar a sua capacidade de mobilização. Os transportes dos manifestantes foram pagos por mim e por quem esteve a trabalhar nesse dia. A partir desse momento esse Sr já não me surpreende mais. Já mostrou tudo o que era...Hoje apenas foi uns copitos a mais a falar...lol..

Comentar post







Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas