Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Rajoy, a mediocridade barbaçuda

por João Pinto Bastos, em 03.02.13

 

Não se detenham na fotografia postada, ainda que seja, eu sei, uma tentação quase imperdível olhá-la pausadamente. Começo com este intróito,  provavelmente cómico para alguns dos leitores, por uma razão mui singela: Rajoy foi, é, e, perdoem-me o determinismo, será sempre um líder acanhado, titubeante e inerte. Dali, por mais que se tente bosquejar o que quer que seja de positivo numa personagem que só oferece mediocridade a rodos, jamais sairá algo que alegre e mobilize "nuestros hermanos". Num ano, sim, num simples ano, Rajoy foi notoriamente incapaz de fazer o que quer que fosse de considerável pelo seu país. Pouco ou nada reformou, adiou e recalcitrou perante o inevitável, e, mais grave ainda, protagonizou uma das gestões mais ineptas da horrivelmente chamada crise das dívidas soberanas. Ontem, após alguns dias de intenso fogo mediático, no qual o PP e as suas lideranças estiveram sob uma enorme pressão, Rajoy, num discurso apoucado e pateta, foi absolutamente incapaz de debelar as suspeições que sobre si recaem. Paralelamente a este jogo de culpas e inocências em que todos saem chamuscados, a sociedade espanhola, mergulhada numa crise profundíssima, começa a manifestar os primeiros sinais de exaustão. O desemprego atinge já níveis ciclópicos, a economia está de rastos, as instituições, desde o poder político ao judiciário, encontram-se numa crise existencial, em que todos os protagonistas, e que protagonistas, resvalam pela ladeira da descredibilização terminal. Em resumo, os cimentos do poder político esboroam-se paulatinamente perante a passividade de uma cidadania aturdida pela indocilidade da austeridade. E, perante este cenário dantesco, o que faz Rajoy ? Nega, retrocede, recua timorato e permite o avolumar das suspeitas. O que se está a passar em Espanha é demasiado grave para passar ao lado da nossa tola agenda mediática, mais preocupada com as geniais movimentações do edil Costa. Repito, é demasiado grave para passar ao lado da agenda mediática indígena, porque, queira-se ou não, o que se passar aqui ao lado influirá sobremaneira no andamento subsequente da vida política nacional. Mais: não se esqueçam que uma Espanha sem governo e sem alternativa, sim, porque não há neste momento uma alternativa visível e credível à pobreza política rajoyana - quem é Rubalcaba? -, será uma catástrofe não só para a Europa, mas também para Portugal. Fixem isto, de uma vez por todas.

publicado às 23:45







Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas