Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Malvas (III)

por Fernando Melro dos Santos, em 14.02.13

Disse-me a senhora da papelaria, olhe, ó menino, leve lá a factura (de um maço de envelopes). Sabe o meu interlocutor o que fiz? Fiz aquilo que todas as pessoas de Bem deveriam fazer. Expliquei que não tinha medo do fiscal, que ela nao deveria dar facturas a ninguém, e que se viessem ameaçá-la falasse comigo que a ajudaria prontamente. Reparei para meu regozijo que já há menos gente a olhar para mim como se fosse anormal. É um passo.


publicado às 12:06


11 comentários

Sem imagem de perfil

De Luís Marques a 14.02.2013 às 13:12

Portanto, uma pessoa de bem incentiva outras a não passar fatura...Tenho de ir rever as minhas noções do Bem e do Mal.
Imagem de perfil

De Fernando Melro dos Santos a 14.02.2013 às 13:16

Luis Marques, 


parece que sim.


Bem é colectar impostos e aplicar o dinheiro onde faz falta.


Mal é colectar impostos e aplicar o dinheiro no sucesso dos amigos.


Portanto uma pessoa de Bem não paga impostos.
Sem imagem de perfil

De Luís Marques a 14.02.2013 às 13:34

Ah...estou esclarecido. Pensava que haveria uma explicação para a afirmação, mas afinal é só pura estupidez. 
Imagem de perfil

De Fernando Melro dos Santos a 14.02.2013 às 14:27

Bom proveito para si também. 
Sem imagem de perfil

De Sr Fiscal a 14.02.2013 às 14:46

O Luis Marques é um senhor que gosta de seguir a lei. Mesmo que a lei seja a de promover o roubo de pessoas trabalhadoras.
Sem imagem de perfil

De Luís Marques a 14.02.2013 às 18:26

Este argumento é tão idiota, que já nem sei porque estou a responder. Então pagar impostos é estar a ser roubado...sim senhora. Eu vou arriscar um argumento coerente, que já percebi de pouco valer aqui, mas cá vai: "se alguma pessoa trabalhadora acha que não deve pagar impostos porque está a ser roubado, então deve definir o valor que cobra pelo produto ou serviço sem IVA". Porque estar a receber IVA e não o entregar ao Estado, isso sim é roubar.


Mas isto é apenas a opinião de uma pessoa com um razoável bom senso.
Imagem de perfil

De Fernando Melro dos Santos a 14.02.2013 às 18:29

Luis, 


como bem sabe e é público, o Estado rebenta em três tempos com tudo aquilo que cobra. Vou escusar-me a perder o meu latim evidenciando-lhe isto a partir do momento em que o Luis considera estupido aquilo que para muita gente está consubstanciado em factos.


Agora, se vive bem sabendo que tudo quando desconta vai parar a um poço sem fundo, viva, está no seu Direito.


Mas não queira impor isso a todos.


Melhores votos
Sem imagem de perfil

De Duarte Meira a 14.02.2013 às 22:12


Marques:

O "razoável bom senso" não  chegou à conclusão do seu argumento, cuja é em boa lógica: - não é o Estado o único ladrão.

Com mais bom senso diria o velho português: "Ladrão que rouba a ladrão tem cem anos de perdão."
Sem imagem de perfil

De Lucklucky a 15.02.2013 às 02:43

"Então pagar impostos é estar a ser roubado...sim senhora."



O que é que chama o serviço militar obrigatório? 
Sabe o que é Objecção de Consciência?


Sim é roubar.
Imagem de perfil

De Fernando Melro dos Santos a 15.02.2013 às 07:19

Viva lucklucky, há quanto tempo.


Um abraço
Sem imagem de perfil

De Luís Marques a 15.02.2013 às 15:30

Se os senhores que defendem o não pagamento de impostos, não usufruírem das estradas, das vias publicas, das escolas públicas, dos hospitais públicos, ou de de qualquer serviço público pago pelo menos em parte com o dinheiro de TODOS os contribuintes, então nesse caso eu diria que fazem muito bem em não pagar impostos. Diria também que seria melhor procurarem outra sociedade, porque esta só funciona se todos contribuírem.


Mas nesse caso, façam o favor de não cobrar impostos pelos vossos serviços, porque nesse caso estão a roubar o consumidor final. Mas para quem acha que não tem de pagar impostos, suponho que isto não seja uma preocupação.

Comentar post







Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas