Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Manual prático do fisco ao fisco

por José Maria Barcia, em 14.02.13

Pedir facturas serve, como todos sabem, para ter uma prova do bem ou serviço que se adquiriu. Deste modo, de papelinho em papelinho, evita-se a fuga ao fisco. Nos estabelecimentos que se ''esquecem'' de entregar factura é provável que parte da receita não seja declarada e não pague imposto. 

 

No entanto, a partir de agora, é o consumidor final o pagador e fiscal, tudo ao mesmo tempo. Se não pedir factura, o consumidor-fiscal poderá apanhar um fiscal-do-consumidor-fiscal à perna. E pagar uma multa que pode ir dos 75 aos 2000 euros. Ora, se quisesse andar na rua com medo, a olhar para cima do ombro, tinha ido para outro país. Ao menos esse seria declaradamente ditatorial. Por isso, e através de grande dose de pesquisa, elaborei estas simples, mas muito práticas ideias.

 

Dicas para não pagar multa:

 

 

1- Deboche - começar a rir quando o fiscal da Autoridade Tributária e Aduaneira (AT) pedir factura. Rir e rir e rir até o senhor ''agente''(?) desistir.

2- Começar a correr. Eles não têm cães, pistolas, carros ou helicópteros, pois não?

3- Começar a chorar copiosamente, dizendo que sempre pediu facturas mas queria experimentar uma vez sem.

4- Continuar a andar, ignorando o pedido do senhor da AT. Eles não andam de algemas, ou andam?

5- Citar Francisco José Viegas: ''vai tomar no cu''.

6- Simplesmente dizer: ''A factura? Ah, ora bolas, acabei de a deitar no lixo''.

7- Por último, e a minha favorita: começar uma pequena revolta no estabelecimento, apontando todo o ódio ao senhores fiscais. Lembrar que já não vivemos numa ditadura e que o Estado não tem de saber onde a população almoça, janta, dorme ou o que compra. Lembrar que se teve um avô que esteve na Guerra Colonial e que não atura fascistas de chupeta na boca. Sair do restaurante (ou outro estabelecimento) carregado pelo povo, ir em direcção à Assembleia e formar governo para acabar com isto. Através de votos, claro. Golpes de Estado só quando não houver alternativa.

publicado às 12:01


9 comentários

Sem imagem de perfil

De Ana Campos a 14.02.2013 às 12:58

Amo-te Estado Sentido
Uma praia de beijinhos para todos vós.
Image
Sem imagem de perfil

De fgh a 14.02.2013 às 13:03

O 5 pode-se devolver ao Viegas a propósito do acordo ortográfico que ele queis e quer impor pelos os mesmos métodos que o gevoerno de que saiu por motivos de saúde quer usar com as facturas.
Sem imagem de perfil

De Carlos Velasco a 14.02.2013 às 15:09

Caro José,

Permita-me dar mais algumas sugestões.

1 - Dizer que o artigo foi furtado e por isso não tem factura.
2 - Afirmar que reside no estrangeiro e por isso não declara impostos em Portugal.
3 - Pedir para fazer uma chamada com a desculpa que um amigo ficou com a factura, aproveitando para chamar uns amigos brutamontes cujo ódio de estimação são os fiscaizinhos de merda.
4 - Aproveitar um momento de distracção do fiscalzinho de merda para lhe enfiar os dedos nos olhos, aproveitando o movimento de contorção para lhe agarrar pelos cabelos e enfiar uma joelhada na cara.
5 - Fazer uma bolinha com um papel qualquer para atirá-la bem longe se algum fiscalzinho pedir a factura, ordenando-o que vá apanhar a bolinha, tal e qual fazemos com os cães.

Saudações monárquicas,

Carlos Velasco
Sem imagem de perfil

De Afonso Henriques a 14.02.2013 às 18:25

Enquanto a fome, o desemprego, as inconstitucionalidades, o desrespeito, os assaltos aos contribuintes, etc vão aumentando, vamos ouvido dizer que os mercados estão melhores, que isto está a compor-se, quando todos nós sabemos que não é verdade. E de dia para dia somo cada vez mais roubados....Todos assistimos às maiores manifestações da história de Portugal e todos sabemos que não podemos continuar assim. É importante fazer algo e esse algo começa por colocar este Governo na rua. Servirá também como lição para aqueles que venham a seguir, saberem que em Portugal mandam os Portugueses. Convido-os a juntar-se a nós assinando e divulgando por todos os vossos contactos esta petição:

 

http://www.peticaopublica.com/PeticaoVer.aspx?pi=P2013N35449

 

É urgente mudar Portugal.

Imagem de perfil

De Maria Araújo a 14.02.2013 às 18:40


Há pouco, fui à padaria comprar pão (uma padaria que factura muito, pois o pão é ótimo).
Atrás de mim estavam 5 pessoas. Pensei para o meu decote:"Estou tramada. E se algum destes(as) é fiscal?"
E não pedi factura.
A minha opinião é: abaixo aqueles que fazem serviços de reparação em casas das pessoas. Esses sim, pagam-se da mão-de-obra, e bem pago, pagam-se dos materiais , mas " e a factura? Se a queres, vai à loja pedi-la."
Gostei de ler este post.
Sacana de governo.
Imagem de perfil

De momentosdisparatados a 14.02.2013 às 19:23

"Raios" querem saber tudo das nossa vidas...por onde andamos (via verde), o que compramos, quanto ganhamos...
Oh vida, mais vale porem-nos Chip.
Bom resto de semana
Sem imagem de perfil

De Rui Barata a 14.02.2013 às 20:30



Não sei qual é que é o problema
de pedir a factura. Eu peço sempre a factura e vou passar a pedir a factura do
papel da factura. Sim, eu sou sério, não quero nada fora da lei!



A fábula de Jean de La Fontaine
não foi contada às gerações dos nossos governantes
(1), e nem ao
cidadão comum que utiliza o poder do recado da lei
(2), para
reprimir quem lhe coloca o ovo no prato, e já sem casca.



Só perde quem tem, e estamos a um
passo de nada termos para perder. Eu por mim estou quase a votar na bomba.



Aí e tal perde-se o edifício.



Paciência!



(1)      – Entenda-se
como governantes, toda a paleta de cores que nos representam, os que têm poder
para decidir, e os que preferem não decidir e viver na oposição.



(2)      – Vulgo agente
da autoridade, seja lá ela qual for.

Sem imagem de perfil

De Gert do Poço a 15.02.2013 às 01:28

Falam falam e continuam a falar, mas ninguém se mobiliza para a revolução...

Comentar post







Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas